Agências de viagens têm função “absolutamente de liderança” na captação de turistas para Portugal

08-12-2016 (09h17)

Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT (Cont.8)

"O êxito do país turístico é, antes de mais, e sobretudo, o êxito do sector das agências de viagens", defende o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, que exemplifica: "quem ganha os negócios das grandes tour operações nas feiras são agentes de viagens; quem ganha as apresentações de carros que enchem o Algarve três meses no Inverno são agências de viagens".

A questão é que à falta de estatísticas que demonstrem essa relevância das agências de viagens na atracção de turistas para Portugal, estas continuam a ser muito mais vistas como empresas que ‘levam' portugueses para fora do país.

Pedro Costa Ferreira, porém, não dá a questão por encerrada e avança ao PressTUR ter "alguma ambição" de no próximo ano, o último do seu segundo mandato na presidência da APAVT, "de construir, com uma empresa de consultores, algo mais em torno das estatísticas da intervenção das agências de viagens" na captação de turistas para Portugal.

 

PressTUR: Se é inegável e se não é preciso grande explicação sobre o interesse de atrair para Portugal um congresso da ABTA ou da DRV, para as agências de viagens qual é o benefício?

Pedro Costa Ferreira: É absolutamente óbvio. Se tivermos a noção de que a grande maioria do negócio que entra em Portugal é um negócio que é dirigido ou intervencionado pelas agências de viagens, ao fazermos aumentar o negócio de incoming estamos, obviamente e em primeiro lugar, a aumentar o negócio das nossas agências de viagens. Não temos disso a menor das dúvidas.

 

PressTUR: O que nos leva a outra questão. As agências são muito identificadas com o outgoing e quase como ausentes do fluxo de turistas para Portugal...

Pedro Costa Ferreira: A pergunta é bem-vinda, porque quando falamos de agências de viagens e do futuro não falamos do incoming. Eu julgo que há uma razão para isso acontecer. Em meu entender, ou pelo menos de tudo a que tenho tido acesso, é mais difícil construir estatísticas e números da intervenção das agências de viagens na entrada de turistas estrangeiros, do que propriamente perceber qual é a quota das agências de viagens, por exemplo, na venda de bilhetes de aviação. Porém, eu acho que quem está na actividade, e não apenas nas agências de viagens, mas quem está no turismo em geral, tem a noção do que é a intervenção absolutamente esmagadora das agências de viagens em segmentos tão nobres como por exemplo a organização de grupos, gestão de negócios dos tour operators, charters, voos ponto-a-ponto. Em todas essas áreas, as agências de viagens têm uma função, que não é só relevante, é absolutamente de liderança. Quem ganha os negócios das grandes tour operações nas feiras são agentes de viagens. Quem ganha as apresentações de carros que enchem o Algarve três meses no Inverno são agências de viagens. Se alguma coisa aí eu acho que temos que progredir é na construção dos instrumentos estatísticos que o demonstrem. E tenho alguma ambição que no meu próximo ano de mandato, que é o ano em que se fecha um ciclo político da APAVT, que é o meu 6º ano, tenho alguma ambição, não sei se o vou conseguir, de construir com uma empresa de consultores algo mais em torno das estatísticas da intervenção das agências de viagens que permitam sustentar estatisticamente essa observação. Porque concordo que tem que ser estatisticamente mais sustentada.

 

PressTUR: A imagem predominante, de facto, ainda é que o agente de viagens ‘leva' turistas portugueses para o estrangeiro e quando se fala do êxito de Portugal enquanto destino turístico nada disso se ‘cola' às agências de viagens.

Pedro Costa Ferreira: Não consigo entender porquê. Eu começaria por dizer que o êxito do país turístico é, antes de mais, e sobretudo, o êxito do sector das agências de viagens. Agora, evidentemente, na cidade de Lisboa, os alojamentos locais, algum novo tipo de turista, tem a mesma quota e a mesma relevância das agências de viagens? Com certeza que não. E ainda bem. O turismo está a crescer através de diferentes eixos. Agora o que é mais importante para quem trabalha em agências de viagens e para quem tem agências de viagens, nomeadamente de incoming, é se o eixo de intervenção da agência de viagens está a crescer ou não. E está. Se está a solidificar-se ou não. E está. Se, à parte destas constatações, há outros vectores que fazem com que o turismo em si, do ponto de vista do destino Portugal, ainda cresça mais, são bem-vindos.

 

PressTUR: Não tem que se estar a olhar para galinha do vizinho...

Pedro Costa Ferreira: Nada. Até por isto: quem vem para um alojamento local através de uma low cost e por acaso não reservou numa agência de viagens, provavelmente irá fazer animação turística ou irá fazer excursões em Portugal e parte dessas excursões não tenho dúvida que estão a ser feitas por agentes de viagens.

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Amadeus Selling Platform Connect estará pronta para o NDC “em breve” (com vídeo)

18-04-2019 (12h48)

A multinacional tecnológica para as viagens e turismo anunciou que sua plataforma Selling Platform Connect estará preparada para os novos standards NDC da IATA "em breve".

Viajar Summer Party está marcada para 11 de Maio

17-04-2019 (19h37)

A Viajar Summer Party, encontro anual com agentes de viagens organizado pela Viajar Tours, vai decorrer no dia 11 de Maio em Montemor-o-Velho.

APG inclui Air Panama no seu programa de interline

17-04-2019 (11h44)

A APG Portugal anunciou hoje a inclusão no seu programa de interline da Air Panama, companhia que opera voo domésticos no Panamá e também faz ligações a San José, capital da Costa Rica.

Americanos garantem crescimento do turismo internacional na Dominicana no 1º trimestre

16-04-2019 (14h44)

O crescimento em 12,3% das chegadas dos Estados Unidos, seu primeiro mercado emissor, garantiu à Dominicana um aumento de turistas internacionais no primeiro trimestre, apesar do calendário desfavorável à comparação com 2018.

Turistas portugueses na Dominicana baixam 52% no 1º trimestre

16-04-2019 (14h37)

Sem voos directos para Punta Cana e sem Páscoa no primeiro trimestre, ao contrário do que aconteceu em 2018, o número de turistas portugueses na Dominicana baixou 52% este ano, representando uma queda de 3,1 mil, para 2,9 mil.