CVC ultrapassou os cinco milhões de passageiros embarcados no primeiro semestre

14-08-2018 (17h56)

O grupo brasileiro CVC Corp, que engloba agências de viagens e operadores turísticos e vende viagens de lazer e corporativas, superou no primeiro semestre os cinco milhões de passageiros embarcados, com um aumento em 30,8% em relação ao período homólogo de 2017.

Esse aumento, no entanto, reflecte também o aumento do perímetro de consolidação do grupo, sem o qual o crescimento é de 9,5%, segundo a informação publicada pela companhia fundada por Guilherme Paulus e que actualmente engloba, além da CVC, também as aquisições Rextur Advance, a Submarino Viagens, a Visual e a Trend.

A informação do grupo especifica que desse total de passageiros embarcados, 2,45 milhões dizem respeito ao 2º trimestre, no qual o crescimento foi 32,4% (10% a perímetros constante).

O balanço indica também que o grupo realizou 3.921,4 milhões de reais (886,6 milhões de euros) com essas reservas embarcadas, que correspondem a vendas das suas empresas vocacionadas para a venda de viagens de lazer, a CVCm a Trend, a Visual e a Experimento, que tiveram um aumento em 43,5% (+9,7% a perímetro constante).

Assim, acrescenta, a CVC Corp fechou o primeiro semestre com um aumento das reservas totais (CVC, Experimento, Trend, Visual, RexturAdvance e Submarino Viagens) em 32,7% (11,6% a perímetro constante), atingindo o montante de 5.909,5 milhões de reais (1.336,2 milhões de euros), e a sua receita líquida foi de 701,4 milhões de reais (158,6 milhões de euros), com um aumento em 31,7% (+10,6% a perímetro constante).

As empresas dirigidas ao mercado das viagens de lazer (CVC, Experimento, Trend, Visual) realizaram 3.921,4 milhões de reais (886,6 milhões de euros) e tiveram uma receita líquida de 571 milhões (129,1 milhões de euros), com aumentos respectivamente em 43,5% (+9,7% a perímetro constante) e em 35,4% (+9,1% a perímetro constante).

RexturAdvance e Submarino Viagens, por sua vez, realizaram 1.988,1 milhões de reais (449,5 milhões de euros) em reservas confirmadas e tiveram uma receita líquida de 130,4 milhões de reais (29,5 milhões de euros), com aumentos respectivamente em 15,5% e em 17,6%.

A margem média do grupo foi de 11,9%, em baixa de 0,1 pontos, com 14,6% nas empresas de lazer, em baixa de 0,9 pontos, e 6,6% nas empresas do segmento corporate, em alta de 0,1 pontos.

 

Para ler mais clique:

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

 

Clique para mais notícias: CVC

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Solférias leva às Maldivas agentes de viagens que mais venderem o destino

20-02-2019 (14h02)

O operador turístico Solférias anunciou que vai oferecer oito lugares numa viagem de familiarização (fam trip) às Maldivas às oito agências de viagens que mais venderem os seus programas para este destino.

Potenciais compradores da Travelport perspectivam crescimento mais agressivo

19-02-2019 (17h21)

Impulsionar a indústria da distribuição de viagens para uma espécie de “versão 2.0”, significando ter um crescimento mais agressivo, é a perspectiva apontada por Frank Baker, co-fundador do Siris Capital Group, uma das sociedades de investimento que tem em curso uma proposta de aquisição da Travelport apoiada pela administração da companhia.

Sem charters semanais para Punta Cana, turismo português para a Dominicana cai 55%

19-02-2019 (16h29)

Portugal foi o quarto país europeu com a maior quebra de turistas na Dominicana este Janeiro, reflectindo a inexistência de voos semanais para Punta Cana, ao contrário do ano passado, que foi o primeiro desde 2011 em que os operadores turísticos tiveram voos mesmo em época baixa.

Carlson Wagonlit Travel passa a ser só CWT

19-02-2019 (16h16)

A Carlson Wagonlit Travel, uma das maiores agências de viagens corporate do mundo, presente em Portugal associada à Springwater Turismo, anunciou uma mudança de designação oficial para CWT, que era já a sigla mais utilizada para a designar, embora não assumida oficialmente.

Springwater vai finalmente apostar na “aproximação/integração” Geostar - Top Atlântico

15-02-2019 (16h35)

O grupo espanhol Wamos, do fundo suíço Springwater, vai avançar finalmente para a “aproximação/integração” das suas redes em Portugal, a Top Atlântico comprada ao antigo GES e a Geostar comprada ao grupo Sonae em 2015.