Hotelbeds declara “força maior” para cancelamentos e vai reembolsar os clientes

25-03-2020 (12h50)

Foto: Sergi Kabrera / Unsplash
Foto: Sergi Kabrera / Unsplash

A Hotelbeds anunciou que declarou “força maior” para todas as reservas, “o que significa que, na maioria das circunstâncias, os viajantes receberão um reembolso total das suas reservas”.

“Dado o impacto sem precedentes que o Covid-19 está a ter no sector global de viagens, a Hotelbeds gostaria de actualizar todos os interessados sobre as suas três principais prioridades: proteger a saúde dos funcionários, apoiar os parceiros comerciais e garantir a continuidade dos negócios”, começa por dizer a empresa num comunicado.

“Somos um negócio global, financeiramente robusto, em diálogo regular com os nossos accionistas”, pelo que “juntamente com as acções que estamos a tomar para proteger os negócios, estamos bem posicionados para suportar estas circunstâncias sem paralelo e ajudar os nossos parceiros a beneficiarem totalmente da recuperação quando ela ocorrer”.

As medidas adoptadas pela Hotelbeds incluem a declaração de “«força maior» para todas as reservas em todo o mundo, sujeitas a algumas excepções”, o que “significa que, na maioria das circunstâncias, os viajantes receberão um reembolso total das suas reservas”.

A empresa salienta que está a adaptar “contratos com os parceiros hoteleiros e fornecedores de acordo com o contexto actual de restrições de viagens, encerramento de hotéis e cancelamentos de voos”.

Desde 16 de Março que a maioria dos funcionários da Hotelbeds está a trabalhar a partir de casa, estando todos “devidamente equipados com a tecnologia necessária para funcionar com eficiência”.

Por outro lado, acrescenta, a empresa aumentou o número de trabalhadores nos “centros de operações em todo o mundo para responder à elevada procura de remarcações e cancelamentos”.

Outra medida foi a criação de um portal dedicado à Covid-19 para manter os parceiros comerciais actualizados sobre qualquer mudança.

“Apesar da situação muito difícil que o sector está a enfrentar, podemos ter a certeza de que a procura voltará e, quando isso acontecer, faremos o possível para ajudar os nossos clientes e parceiros fornecedores a recuperar os seus negócios na primeira oportunidade”, afirmou Carlos Muñoz, director da Hotelbeds, citado no comunicado.

A Hotelbeds tem uma oferta de mais de 180 mil hotéis, bem como milhares transferes, actividades, rent-a-car e bilhetes para espectáculos, que fornece a mais de 60 mil operadores turísticos, agências de viagens, companhias aéreas e outras empresas.

 

Clique para ver mais: Hotelbeds

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Plano de redução de pessoal da Viajes El Corte Inglés afecta 1.900 trabalhadores

26-03-2020 (14h16)

A espanhola Viajes El Corte Inglés, também presente em Portugal, apresentou um ERTE (em Espanha, de Expediente de Regulação Temporária de Emprego), que abrange 1.900 trabalhadores.

Covid-19 mata mais 44 na Alemanha que já lamenta 198

26-03-2020 (11h17)

A Alemanha anunciou hoje um aumento de 44 vítimas mortais pela covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 198 o total de mortos, ainda assim uma baixa taxa de letalidade se comparada com outros países.

Travelport lança hub de informação para ajudar empresas a lidar com a crise da Covid-19

26-03-2020 (11h10)

A multinacional tecnológica Travelport, da qual faz parte o GDS Galileo, líder entre as agências de viagens portuguesas, lançou uma plataforma para fornecer informação útil e dados actualizados para ajudar as empresas a lidar com a crise provocada pela Covid-19.

Fusão Globalia e Barceló notificada à Concorrência

26-03-2020 (10h17)

A fusão das divisões de viagens dos grupos espanhóis Globalia e Barceló foi notificada à Autoridade da Concorrência (AdC), segundo um aviso publicado.

Microempresas turísticas em dificuldades excluídas da linha de apoio de 60 milhões de euros

25-03-2020 (14h58)

A linha de apoio à tesouraria de microempresas do turismo afectadas pelos efeitos económicos da pandemia da covid-19 exclui empresas em dificuldade, segundo o despacho do Governo hoje publicado, com efeitos retroactivos.

Noticias mais lidas