Aeroporto de Moscovo Sheremetyevo teve o maior aumento de passageiros do ano de 2018

12-02-2019 (17h06)

Moscovo Sheremetyevo foi o aeroporto líder em aumento de passageiros na Europa, com mais 5,7 milhões que em 2017, o que lhe valeu entrar para o Top10 dos aeroportos europeus de acordo com os dados publicados pelo Airports Council International - Europe (ACI Europe).

Os dados publicados pelo ACI, compreendendo um total de 237 aeroportos europeus, mostram que, no topo, nada de novo, com os maiores sete europeus em 2018 a serem os mesmos que em 2017 e 2016, ou seja, Londres Heathrow, Paris Charles de Gaulle, Amesterdão, Frankfurt, Istambul Ataturk, Madrid Barajas e Barcelona El Prat.

A primeira novidade no ranking dos maiores aeroportos europeus foi, pois, a subida de Munique de 9º para 8º maior, por troca com Londres Gatwick, e, seguidamente, a entrada de Moscovo Sheremetyevo para 10º, ‘empurrando’ Roma Fimicino para fora do Top10.

Segundo os dados do ACI, 2018 foi o ano em que Londres Heathrow passou a marca dos 80 milhões de passageiros, com 80,12 milhões, e Paris Charles de Gaulle e Amesterdão superaram ambos a marca dos 70 milhões, com 72,22 milhões e com 71,05 milhões, respectivamente.

Frankfurt, que teve o terceiro maior aumento ano, com mais cerca de cinco milhões que em 2017, alcançou um total de 69,5 milhões, e Istambul Ataturkfoi o 5º maior, com 68,19 milhões.

Madrid Barajas foi o 6º maior aeroporto europeu em 2018, com 57,86 milhões de passageiros, seguindo-se Barcelona, com 50,14 milhões, Munique, com 46,25 milhões, Londres Gatwick, com 46,07 milhões, e Moscovo Sheremetyevo, com 45,83 milhões.

O aeroporto moscovita foi mesmo o que teve o maior aumento de passageiros no ano de 2018, com mais 5,7 milhões (+14,3%), seguido por Antalya, com mais 5,5 milhões (+21,1%), Frankfurt, com mais cinco milhões (+7,8%), Madrid, com mais 4,5 milhões (+8,4%), e Istambul Ataturk, com mais 4,1 milhões (+6,4%).

Dos 237 aeroportos com dados de tráfego em 2018 publicados pelo ACI, 182 tiveram aumentos de passageiros e 55 tiveram quebras, a maior das quais em Moscovo Domodedovo, que teve menos 1,2 milhões de passageiros que em 2017 (-4,1%), seguindo-se Trapani, com menos 810 mil (-62,8%), Birmingham, com menos 545 mil (-4,2%), Hamburgo, com menos 387 mil (-2,2%), e Hahn, com menos 378 mil (-15,3%).

 

Para ler mais clique:

Aeroporto de Lisboa teve o 3º crescimento mais forte dos grandes aeroportos europeus em 2018

Aeroporto de Faro repetiu Top5 de crescimento do ACI Europa em Dezembro

 

Clique para mais notícias: Aeroportos europeus

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP reforça oferta de voos entre Porto e São Paulo a partir de Junho

21-02-2019 (11h58)

A TAP vai reforçar as ligações entre Porto e São Paulo dos actuais dois voos por semana para três voos semanais a partir de Junho, que serão às terças, quintas e Sábados.

easyJet lança nova rota de Verão Porto – Málaga

21-02-2019 (09h56)

A companhia de aviação easyJet anunciou que vai voar entre Porto e Málaga de 2 de Abril a 26 de Outubro, quatro vezes por semana, em A320.

TAP recebe segundo Airbus A320neo

20-02-2019 (18h22)

A TAP comunicou hoje que já recebeu o segundo novo Airbus A320neo, com a matrícula CS-TSB, da encomenda de 71 aviões ao fabricante europeu que conta receber até 2025.

Banco de Portugal contabiliza recorde de exportações de transporte aéreo de passageiros em 2018

20-02-2019 (14h07)

O Banco de Portugal contabilizou 3,56 mil milhões de euros de exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros em 2018, que constitui um novo recorde anual, +6,8% ou mais 226,4 milhões que em 2017.

Grupo Air France KLM factura mais mas lucra menos em 2018

20-02-2019 (11h36)

O grupo de aviação Air France KLM, que reclama ser o maior da Europa em voos de longo curso, revelou hoje que em 2018 teve um aumento da receitas de transporte de passageiros em 1,6% (+4,1% sem flutuações cambiais), atingindo 22,9 mil milhões de euros, mas o seu resultado operacional caiu 382 milhões, para 994 milhões.