Aeroporto do Porto soma mais de dois milhões de passageiros no 1º trimestre

28-04-2017 (13h11)

Foto: ANA
Foto: ANA

Ryanair e TAP asseguram 57,6% do aumento de passageiros

O Aeroporto do Porto passou este ano pela primeira vez os dois milhões de passageiros num primeiro trimestre, com um aumento em cerca de 353 mil face ao período homólogo de 2016, para o qual os maiores contributos vieram da Ryanair e TAP, que juntas asseguraram 57,6% do aumento total.

Dados do Aeroporto do Porto a que o PressTUR teve acesso indicam que teve 2,125 milhões de embarques e desembarques de voos comerciais nos primeiros três meses deste ano, com um aumento em 19,9% face ao período homólogo do ano passado, apesar de este ter tido mais um dia, por ser ano bissexto, e ter incluído a Páscoa, que este ano só foi em Abril.

A companhia líder manteve-se a Ryanair, com 834,1 mil passageiros, o que significa 39,2% do total, seguida pela TAP, com 425,5 mil (20% do total), pela easyJet, com 337 mil (15,9% do total), Transavia France, com 129 mil (6,1% do total), e Vueling, com 71,8 mil (3,4% do total).

A Vueling, low cost do IAG, foi a que teve o aumento de passageiros entre as cinco maiores companhias, com +58,2% e, como tal, a que mais reforçou a quota de mercado, ganhando 0,8 pontos.

Seguiram-se, ambas com ganhos de 0,3 pontos, a TAP, cujo número de passageiros no Aeroporto Francisco Sá Carneiro aumentou 22,2%, e a Transavia France, cujo crescimento foi em 26,6%.

Ryanair e easyJet, pelo contrário, viram as suas quotas baixarem, respectivamente 0,7 e 1,2 pontos, já que os seus crescimentos relativos foram inferiores à média do Aeroporto, em 17,8% e em 11,3%, respectivamente.

Em número absoluto de passageiros, porém, a Ryanair foi a que teve o maior aumento do primeiro trimestre, com mais 126,3 mil que há um ano, seguida pela TAP, com mais 77,2 mil, pela easyJet, com mais 34,2 mil, pela Transavia France, com mais 27,1 mil, e pela Vueling, com mais 26,4 mil.

Estas cinco companhias foram responsáveis, assim, por 82,5% do aumento de passageiros registado pelo Aeroporto Francisco Sá Carneiro no primeiro trimestre.

Os outros maiores contributos vieram do início de operações pela Wizz Air, que somou 15,6 mil passageiros quando nos primeiros três meses de 2016 ainda não operava no Porto, da Brussels, que também praticamente não esteve presente no primeiro trimestre de 2016 e este ano somou 14,4 mil, e do crescimentos da Lufthansa, em 11,4 mil passageiros (+18,3%, para 73,9 mil), Transavia Holanda, em 9,2 mil passageiros (+66,4%, para 23 mil), e Azores Airlines (ex-SATA), em 5,9 mil passageiros (+35,3%, para 22,8 mil.

Entre as companhias com os aumentos mais fortes contaram-se ainda a British Airways com mais 5,1 mil passageiros (+65,2%, para 12,9 mil), a TAAG, com mais 4,9 mil (+33,3%, para 19,4 mil), e a Air Nostrum, franchisada da Iberia para voos regionais, com mais 3,7 mil (+11,3%, para 36,3 mil).

A maior quebra do trimestre, por sua vez, foi da Luxair, que teve menos 4,2 mil passageiros que há um ano (-17,5%, para 20,2 mil), seguida pela Air Europa, com menos 1,7 mil (-11,5%, para 13,2 mil), e Air Transat, com menos cerca de 500 (-9,5%, para 4,8 mil).

 

Clique para mais notícias: Aeroporto do Porto

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Porto

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Antonoaldo Neves garante que TAP tem “fundações bem sólidas”

21-02-2020 (17h53)

Os resultados da TAP no segundo semestre “não foram suficientes para compensar” as quebras do primeiro, admitiu Antonoaldo Neves, CEO da transportadora, que acrescentou estar convicto, no entanto, que “as fundações estão bem sólidas para a gente continuar nessa trajectória de transformação da empresa e melhoria da sustentabilidade”.

Grupo TAP baixa prejuízos em 12,4 milhões para 105,6 milhões de euros em 2019

21-02-2020 (17h51)

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

TAP fecha o ano com prejuízos de 95,6 milhões

21-02-2020 (17h51)

A companhia portuguesa de aviação TAP perdeu mais 95,6 milhões de euros no ano passado, com um agravamento de 37,6 milhões face a 2018, segundo os resultados da empresa comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Não há possibilidade de a TAP ir para o Montijo”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (17h07)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, voltou a garantir que “não há possibilidade” da companhia aérea ir para o Montijo, apesar de considerar “importantíssimo” a sua construção.

Comissão Executiva da TAP “não comenta política de remuneração da empresa”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (16h59)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, declarou que “não comenta política de remuneração da empresa” que foi trazida para a ‘praça pública’ pelo accionista David Neeleman que o escolheu para liderar a gestão executiva da companhia.

Noticias mais lidas