Alteração do modelo de distribuição da TAP só para o ano

15-03-2019 (15h11)

A TAP só para o ano poderá alterar o seu modelo actual de distribuição, deixando de ‘dar’ tarifas iguais a todas as agências de viagens e seguindo a tendência de diferenciação por ‘parceiros’ que está a predominar na Europa, uma vez que ainda está ‘amarrada’ ao acordo de full content com a Travelport, que vigora até Janeiro de 2020.

Fontes da aviação explicaram ao PressTUR que embora a companhia já tenha um novo acordo com o Amadeus, isso não basta para enveredar pela diferenciação na distribuição e deixar de praticar o chamado full content, pois continua a isso obrigada pelo acordo que tem o Travelport, que até é o GDS líder em Portugal, o qual vigora até Janeiro de 2020.

O anúncio de que a TAP já tinha um novo acordo com o Amadeus partiu da tecnológica no seu balanço do ano de 2018, no qual realça que na sua área de distribuição a companhia continua a expandir a disponibilização de conteúdos (vulgo tarifas e serviços) às agências subscritoras, acrescentando que no ano de 2018 renovou ou assinou acordos com 15 companhias aéreas, “incluindo a Finnair e a TAP” (clique para ler: TAP já renegociou acordo de distribuição com o Amadeus).

As fontes do PressTUR avançaram que esse acordo já permitiria à TAP avançar com o que tem sido denominado por private channel e mesmo com tarifas exclusivas para venda directa num canal direct connect, referindo-se à capacidade de ter distribuição diferenciada.

Esse modelo, que já está em prática nos maiores grupos de aviação europeus, passa também por uma negociação com as agências de viagens aderentes, que têm que aceitar receber menos “incentivos” dos GDS para a venda dessas tarifas, para que estes possam cobrar menos às companhias aéreas.

A ‘revolução’ em curso na distribuição de aviação acentuou-se com a criação pela IATA da chamada New Distribution Capability (NDC), inicialmente muito contestada por associações de agências de viagens e GDS, que a consideravam um ataque à comparabilidade e, por conseguinte, à transparência essencial para um bom serviço ao cliente, mas que tem feito o seu caminho e vem sendo aceite de forma praticamente unânime.

A questão no entanto, nunca foi essencialmente tecnológica, uma vez que os “incentivos” dos GDS são uma importante fonte de remuneração das agências de viagens, principalmente depois que deixaram de ter comissões das companhias de aviação.

A questão é que as companhias de aviação depois de ‘cortarem’ as comissões às agências consideram essencial cortar custos com GDS, invocando que são muito elevados e que estão a ser um travão a terem tarifas competitivas com as low cost, que paulatinamente vão ganhando mercado empresarial, que é o principal segmento das agências, nomeadamente das maiores.

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

easyJet contrata director de operações da Ryanair

19-07-2019 (13h25)

A easyJet contratou o director de operações da Ryanair, Peter Bellew, que vai desempenhar as mesmas funções e integrar o Conselho de Administração, reportando ao presidente executivo, Johan Lundgren.

Plano estratégico da TAP “não está comprometido, está reafirmado”, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (12h25)

O plano estratégico da TAP “não está comprometido, está reafirmado”, disse o presidente executivo da companhia, Antonoaldo Neves, remetendo para os accionistas a análise da satisfação com os seus resultados.

CEO da TAP diz que ‘fake news’ sobre aviões A330neo “não têm afectado” as vendas

19-07-2019 (11h59)

“As ‘fake news’ sobre esse avião começaram há muito tempo e felizmente não têm afectado a venda de passagens, porque na ‘media’ mundial não saem”, disse o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, a propósito das indisposições a bordo dos aviões A330neo da companhia.

TAP tem “65% do volume de combustível protegido”, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (11h39)

A TAP tem actualmente “65% do volume de combustível protegido” das variações do preço do petróleo, afirmou o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves.

TAP também deu prémios em ano de prejuízos quando era 100% pública, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (11h05)

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, disse que os prémios atribuídos aos quadros da companhia estão relacionados com a melhoria de indicadores e que não é a primeira vez que a companhia paga prémios em ano de prejuízos, incluindo quando era totalmente pública.

Noticias mais lidas