Alteração do modelo de distribuição da TAP só para o ano

15-03-2019 (15h11)

A TAP só para o ano poderá alterar o seu modelo actual de distribuição, deixando de ‘dar’ tarifas iguais a todas as agências de viagens e seguindo a tendência de diferenciação por ‘parceiros’ que está a predominar na Europa, uma vez que ainda está ‘amarrada’ ao acordo de full content com a Travelport, que vigora até Janeiro de 2020.

Fontes da aviação explicaram ao PressTUR que embora a companhia já tenha um novo acordo com o Amadeus, isso não basta para enveredar pela diferenciação na distribuição e deixar de praticar o chamado full content, pois continua a isso obrigada pelo acordo que tem o Travelport, que até é o GDS líder em Portugal, o qual vigora até Janeiro de 2020.

O anúncio de que a TAP já tinha um novo acordo com o Amadeus partiu da tecnológica no seu balanço do ano de 2018, no qual realça que na sua área de distribuição a companhia continua a expandir a disponibilização de conteúdos (vulgo tarifas e serviços) às agências subscritoras, acrescentando que no ano de 2018 renovou ou assinou acordos com 15 companhias aéreas, “incluindo a Finnair e a TAP” (clique para ler: TAP já renegociou acordo de distribuição com o Amadeus).

As fontes do PressTUR avançaram que esse acordo já permitiria à TAP avançar com o que tem sido denominado por private channel e mesmo com tarifas exclusivas para venda directa num canal direct connect, referindo-se à capacidade de ter distribuição diferenciada.

Esse modelo, que já está em prática nos maiores grupos de aviação europeus, passa também por uma negociação com as agências de viagens aderentes, que têm que aceitar receber menos “incentivos” dos GDS para a venda dessas tarifas, para que estes possam cobrar menos às companhias aéreas.

A ‘revolução’ em curso na distribuição de aviação acentuou-se com a criação pela IATA da chamada New Distribution Capability (NDC), inicialmente muito contestada por associações de agências de viagens e GDS, que a consideravam um ataque à comparabilidade e, por conseguinte, à transparência essencial para um bom serviço ao cliente, mas que tem feito o seu caminho e vem sendo aceite de forma praticamente unânime.

A questão no entanto, nunca foi essencialmente tecnológica, uma vez que os “incentivos” dos GDS são uma importante fonte de remuneração das agências de viagens, principalmente depois que deixaram de ter comissões das companhias de aviação.

A questão é que as companhias de aviação depois de ‘cortarem’ as comissões às agências consideram essencial cortar custos com GDS, invocando que são muito elevados e que estão a ser um travão a terem tarifas competitivas com as low cost, que paulatinamente vão ganhando mercado empresarial, que é o principal segmento das agências, nomeadamente das maiores.

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP prevê transportar mais 800 mil a um milhão de passageiros este ano

20-05-2019 (17h18)

“Ainda é cedo, estamos em Maio”, contemporizou o CEO da TAP, Antonoaldo Neves, que ainda assim não deixou de avançar que prevê que a TAP transporte este ano entre 800 mil e um milhão a mais que em 2018.

Ryanair espera mais 8% de passageiros mas sem lucrar mais

20-05-2019 (16h40)

A low cost Ryanair indicou hoje que espera chegar a 153 milhões de passageiros no ano fiscal 2019/2020 que iniciou a 1 de Abril, com um aumento em 8%, a que se somará uma subida da receita média por passageiro entre 2% e 4%, mas ainda assim não antevê melhor que uma estagnação do lucro, que em 2018/2019 caiu 39%.

Ryanair avança a possibilidade de receber os primeiros B737 MAX em Novembro

20-05-2019 (16h37)

A low cost Ryanair aponta na sua apresentação de resultados a possibilidade de receber em Novembro os primeiros cinco Boeing B737 MAX, que estão impedidos de voar desde meados de Março sem a correcção dos problemas que alegadamente levaram a dois acidentes em que morreram 346 pessoas.

Agravamento de custos com combustíveis, pessoal e Laudamotion ‘corta’ lucro operacional da Ryanair em 39%

20-05-2019 (16h18)

A low cost Ryanair declarou hoje uma quebra do lucro operacional em 39,1%, que o seu balanço evidencia reflectir principalmente os agravamentos e custos com combustíveis, em 27,6% ou 524,4 milhões de euros, com pessoal, num ano em que enfrentou greves de pilotos e tripulantes de cabina pela melhoria das suas condições contratuais, em 28% ou 206,5 milhões, e com o lançamento da austríaca Laudamotion, em 223,9 milhões.

APG Portugal promove ‘open day’ na próxima segunda-feira

20-05-2019 (13h10)

A APG Portugal, que representa companhias como a Finnair, a Croatia Airlines e a Trenitalia, entre outras, vai estar de portas abertas para apresentar a sua oferta na próxima segunda-feira, dia 27, às 14h.