Balanço do LATAM evidencia recuperação ‘explosiva’ da aviação no Brasil

16-08-2019 (16h15)

Foto: Marcio Jumpei/LATAM
Foto: Marcio Jumpei/LATAM

O LATAM, maior grupo de aviação comercial da América Latina, cuja subsidiária brasileira, a LATAM Brasil (antiga TAM), é líder brasileira em voos internacionais, indicou que no segundo trimestre teve um aumento da receita unitária (por lugar voado um quilómetro) de 18,7%, atingindo 29,5% em reais.

A informação consta do balanço do segundo trimestre, no qual o grupo mostra que o Brasil reforçou a preponderância entre os mercados de origem das suas receitas, atingindo 38% de 2.289 milhões de dólares de proveitos de passagens e transporte de carga, quando no segundo trimestre de 2018 valera 33% de um total de 2.256 milhões de dólares.

O balanço mostra que além do Brasil ganharam preponderância em receitas, o Peru, que subiu de 6% para 8% do total.

Já a Argentina caiu de 12% para 6%, a Europa baixou de 8% para 7%.

Chile e Estados Unidos, os maiores mercados a seguir ao Brasil, mantiveram as proporções da receita do segundo trimestre de 2018, com 16% e 10% do total, respectivamente.

Estes dados permitem calcular que os proveitos de cargas e passagens do LATAM, que globalmente cresceram cerca de 1%, no mercado brasileiro cresceram cerca de 17%.

No Chile e nos Estados Unidos o grupo teve aumentos na ordem de 1%, mas na Europa, onde passou a operar também em Portugal, teve decréscimo de aproximadamente 11%.

O balanço do LATAM indica que no segundo trimestre teve receitas operacionais de 2.370 milhões de dólares, com um aumento de 0,5% em relação ao período homólogo de 2018, porque embora tendo uma subida de 3,2% em receitas de passagens, para 2.020 milhões de dólares, em carga teve um decréscimo de 10,2%, para 269 milhões, e em ‘outras' a evolução foi também em baixa, com uma queda de 19,9%, para 81 milhões de dólares.

Os custos operacionais, por sua vez, subiram 1,1%, para 2.330 milhões de dólares, principalmente pelo aumento do custo do combustível em 5,2%, para 721 milhões, por aumento da operação e não por subida do preço.

Assim, o grupo declarou 40 milhões de dólares e resultados operacionais, em baixa de 23,7%, que significou uma queda da margem operacional em 0,5 pontos, para 1,7%, mas ainda assim uma melhoria do resultado líquido, com uma redução do prejuízo em 69,8%, para 63 milhões de dólares, para a qual contou em grande medida ter passado de uma perda de 146 milhões de dólares no segundo trimestre de 2018 devido a uma perda cambial de 177,8 milhões, para um ganho de 28,1 milhões, com um ganho cambial de 24 milhões.

 

Clique para mais notícias: LATAM

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Antonoaldo Neves garante que TAP tem “fundações bem sólidas”

21-02-2020 (17h53)

Os resultados da TAP no segundo semestre “não foram suficientes para compensar” as quebras do primeiro, admitiu Antonoaldo Neves, CEO da transportadora, que acrescentou estar convicto, no entanto, que “as fundações estão bem sólidas para a gente continuar nessa trajectória de transformação da empresa e melhoria da sustentabilidade”.

Grupo TAP baixa prejuízos em 12,4 milhões para 105,6 milhões de euros em 2019

21-02-2020 (17h51)

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

TAP fecha o ano com prejuízos de 95,6 milhões

21-02-2020 (17h51)

A companhia portuguesa de aviação TAP perdeu mais 95,6 milhões de euros no ano passado, com um agravamento de 37,6 milhões face a 2018, segundo os resultados da empresa comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Não há possibilidade de a TAP ir para o Montijo”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (17h07)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, voltou a garantir que “não há possibilidade” da companhia aérea ir para o Montijo, apesar de considerar “importantíssimo” a sua construção.

Comissão Executiva da TAP “não comenta política de remuneração da empresa”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (16h59)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, declarou que “não comenta política de remuneração da empresa” que foi trazida para a ‘praça pública’ pelo accionista David Neeleman que o escolheu para liderar a gestão executiva da companhia.

Noticias mais lidas