Cabo Verde Airlines consegue financiamento de 21,3 milhões de euros

15-07-2019 (10h53)

Foto: TACV
Foto: TACV

A companhia aérea Cabo Verde Airlines assinou com o Banco Internacional de Cabo Verde (BICV) e com o Ecobank uma linha de crédito de 24 milhões de dólares, cerca de 21,3 milhões de euros ao câmbio de hoje.

Durante a cerimónia de assinatura do acordo, que decorreu sexta-feira, dia 12, o presidente da Cabo Verde Airlines, Jens Bjarnason, recordou o “longo caminho” percorrido até agora.

Em Março, o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da companhia aérea nacional TACV por 1,3 milhões de euros à Lofleidir Cabo Verde, uma empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF e em 30% por empresários islandeses com experiência no sector da aviação.

Para o Governo cabo-verdiano, a alternativa à privatização seria a sua liquidação, a qual custaria mais de 181 milhões de euros.

Jens Bjarnason acredita que a assinatura da linha de crédito foi “provavelmente o passo final” neste processo e que a mesma visa “assegurar a sustentabilidade da empresa para o futuro”.

No final da cerimónia, o presidente da Cabo Verde Airlines revelou que o financiamento hoje assinado foi no montante de 24 milhões de dólares e que este já era previsível aquando da decisão de adquirir a empresa.

O acordo irá permitir à empresa “navegar” nos próximos 18 a 20 meses, adiantou Jens Bjarnason, acrescentando que o interesse do grupo está agora apenas nas ligações aéreas internacionais.

Por seu lado, os representantes dos bancos que vão assegurar este financiamento disseram acreditar no projecto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

A encerrar a cerimónia, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, sublinhou o crescimento da empresa, não só em número de ligações e de aviões, mas também de trabalhadores cabo-verdianos, pedindo confiança aos trabalhadores da empresa, mas também empenho.

“Às vezes temos défice de produtividade e um absentismo laboral muito elevado”, lamentou.

É intenção do Governo continuar o seu desinvestimento na empresa, com a alienação de 10% do seu capital social aos trabalhadores e emigrantes, mantendo-se com 39% das acções da companhia que serão alienadas ainda em 2019 a investidores nacionais e internacionais.

Segundo o contrato de privatização assinado, “o parceiro estratégico não poderá alienar as suas acções durante um período de cinco anos, tendo para tal de ter autorização do Governo”.

Passado este período, e caso pretenda fazê-lo, o Governo tem sempre direito de preferência.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Expansão da TAP “espera ansiosamente" pelo aeroporto no Montijo – Miguel Frasquilho

18-10-2019 (13h40)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, afirmou em Macau que a expansão da TAP depende da construção do novo aeroporto no Montijo, que a companhia aérea portuguesa “espera ansiosamente" para poder expandir na Portela, em Lisboa.

Presidente da TAP descarta voos directos para a China “num futuro imediato”

18-10-2019 (13h38)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, descartou a hipótese de a companhia fazer voos directos de Portugal para a China "num futuro imediato", apesar do crescimento de turistas daquele país asiático.

TAP anuncia mais 20% de capacidade para Luanda no próximo ano

17-10-2019 (14h53)

A TAP vai reforçar a sua capacidade para Luanda em mais 20% a partir do próximo ano, anunciou na capital angolana o seu Chief Marketing and Sales Officer, Abílio Martins, que realçou que para a companhia Angola “é um mercado estratégico”.

EgyptAir abre terceira rota para a China

17-10-2019 (13h47)

A companhia de aviação egípcia EgyptAir, parceira da TAP na Star Alliance, anunciou para finais do próximo mês a abertura da sua terceira rota para a China, do seu hub no Cairo para Hangzhou.

Swiss retoma hoje operação normal em A220

17-10-2019 (13h39)

A Swiss, companhia de aviação suíça do grupo Lufthansa, anunciou que hoje retoma o calendário normal de voos em Airbus A220, que decidiu interromper depois de na terça-feira ter tido que desviar para Paris um voo Londres Heathrow - Genebra porque um dos motores parou.

Noticias mais lidas