David Neeleman secunda Michael O’Leary nas críticas ao Aeroporto de Lisboa

10-11-2016 (15h03)

O maior accionista privado da TAP, David Neeleman, criticou hoje a alegada incapacidade de resposta do Aeroporto de Lisboa aos projectos de expansão da companhia aérea portuguesa, secundando assim críticas no mesmo sentido por parte do CEO da Ryanair, Michael O’Leary.

“Estou um pouco frustrado com o aeroporto que não está a abrir mais espaço. Nós estamos a crescer mais rápido do que o aeroporto e isso é muito importante para o país”, afirmou Neeleman à imprensa após intervir na Web Summit, de acordo com a estação de rádio TSF.

“Não podemos crescer se nos dizem que está limitado, temos de abrir outro aeroporto”, comentou ainda o accionista industrial da TAP e fundador da norte-americana JetBlue e da brasileira Azul, para defender que as low cost deveriam ser transferidas da Portela para o Montijo.

“O Montijo está lá, não podemos esperar três anos para que isso aconteça, as low cost podem ir para lá e nós ficamos aqui [na Portela], mas tem de acontecer mais rápido do que está a ser feito”, sublinhou David Neeleman.

David Neeleman, porém, não foi o primeiro a reclamar da alegada falta de capacidade do Aeroporto de Lisboa para responder ao crescimento potencial do tráfego.

Questionado pelo PressTUR em finais de Abril sobre o porquê do ‘magro’ crescimento que a Ryanair estava a apresentar em Lisboa, quer em comparação com outros aeroportos portugueses quer, sobretudo, com a sua evolução média global, Michael O’Leary responsabilizou o Aeroporto Humberto Delgado.

“Queremos expandir-nos rapidamente em Lisboa, mas o aeroporto está a colocar-nos estes constrangimentos artificiais e é por isso que estamos a dizer – bem, se nos vão constranger na Portela, abram o Montijo; mas eles respondem – o Montijo não acontecerá senão em três a cinco anos; - Porquê o atraso? O aeroporto está lá. As instalações estão lá. Poderíamos ir para lá no próximo ano”.

Mas O’Leary não se ficou apenas pela exigência da abertura do Montijo à aviação comercial.

“Se Dublin e Gatwick, por exemplo, têm capacidade para 50 a 55 voos por hora, porque é que em Lisboa se ficam pelos 35 a 40 voos por hora? Porque não 50 voos por hora? Não é difícil. A maioria dos aeroportos opera a esse tipo de velocidade. Estão a fazer um voo a cada dois minutos. Não faz sentido” — acusou o CEO da Ryanair, que disse ainda ao PressTUR que em sua opinião a abertura do Montijo está a ser atrasada artificialmente.

“E achamos que a razão pela qual o estão a fazer é porque não querem crescer rapidamente em Lisboa, porque isso os vai forçar a abrir o Montijo mais cedo. Estão a tentar atrasar a abertura do Montijo pelo maior período de tempo que conseguirem”, afirmou (para ler mais clique: “Estão a atrasar artificialmente a nossa expansão em Lisboa”, acusa CEO da Ryanair).

Neeleman e O’Leary, porém, não chegam às mesmas conclusões em toda a linha.

Enquanto Neeleman defende a transferência das low cost para o Montijo, O’Leary  deixa claro que pretende estar nos dois aeroportos

Nas rotas em que a Ryanair concorre directamente com a TAP “não podemos mudar-nos para o Montijo, temos que estar na Portela”, argumentou O’Leary, acrescentando que, porém, “abrindo o Montijo iria criar espaço para crescer”.


Clique para mais notícias: Aeroporto de Lisboa

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Ryanair

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP prevê transportar mais 800 mil a um milhão de passageiros este ano

20-05-2019 (17h18)

“Ainda é cedo, estamos em Maio”, contemporizou o CEO da TAP, Antonoaldo Neves, que ainda assim não deixou de avançar que prevê que a TAP transporte este ano entre 800 mil e um milhão a mais que em 2018.

Ryanair espera mais 8% de passageiros mas sem lucrar mais

20-05-2019 (16h40)

A low cost Ryanair indicou hoje que espera chegar a 153 milhões de passageiros no ano fiscal 2019/2020 que iniciou a 1 de Abril, com um aumento em 8%, a que se somará uma subida da receita média por passageiro entre 2% e 4%, mas ainda assim não antevê melhor que uma estagnação do lucro, que em 2018/2019 caiu 39%.

Ryanair avança a possibilidade de receber os primeiros B737 MAX em Novembro

20-05-2019 (16h37)

A low cost Ryanair aponta na sua apresentação de resultados a possibilidade de receber em Novembro os primeiros cinco Boeing B737 MAX, que estão impedidos de voar desde meados de Março sem a correcção dos problemas que alegadamente levaram a dois acidentes em que morreram 346 pessoas.

Agravamento de custos com combustíveis, pessoal e Laudamotion ‘corta’ lucro operacional da Ryanair em 39%

20-05-2019 (16h18)

A low cost Ryanair declarou hoje uma quebra do lucro operacional em 39,1%, que o seu balanço evidencia reflectir principalmente os agravamentos e custos com combustíveis, em 27,6% ou 524,4 milhões de euros, com pessoal, num ano em que enfrentou greves de pilotos e tripulantes de cabina pela melhoria das suas condições contratuais, em 28% ou 206,5 milhões, e com o lançamento da austríaca Laudamotion, em 223,9 milhões.

APG Portugal promove ‘open day’ na próxima segunda-feira

20-05-2019 (13h10)

A APG Portugal, que representa companhias como a Finnair, a Croatia Airlines e a Trenitalia, entre outras, vai estar de portas abertas para apresentar a sua oferta na próxima segunda-feira, dia 27, às 14h.