Eddie Wilson é novo CEO da Ryanair, Michael O’Leary fica à frente do Grupo

30-08-2019 (16h55)

Eddie Wilson, até agora director de recursos humanos da Ryanair, assume a presidência executiva da companhia aérea irlandesa a 1 de Setembro, substituindo Michael O'Leary, que se mantém à frente da Ryanair Holdings.

Numa nota enviada aos trabalhadores da low cost, a que a agência noticiosa espanhola Efe teve acesso, Michael O'Leary anunciou que o seu substituto irá assumir o cargo "imediatamente", embora esteja programado um "processo de transição" de três meses.

Michael O'Leary mantém-se à frente do Grupo Ryanair, que inclui além da companhia irlandesa também a austríaca Lauda, a polaca Buzz e a Malta Air.

O executivo desejou a Eddie Wilson, que entrou na Ryanair em 1997, "êxito" no novo cargo, numa altura em que a empresa enfrenta "tempos muito difíceis", designadamente devido à saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), prevista para 31 de Outubro, e aos atrasos na entrega dos Boeing 737 MAX.

Michael O'Leary sublinha ainda que a Ryanair viu-se obrigada a fechar ou redimensionar algumas bases para "acomodar o facto" de ter menos 30 aviões do que o previsto este Inverno e "provavelmente o mesmo número, ou mais, no próximo Verão".

Na semana passada, a Ryanair anunciou que irá encerrar em 8 de Janeiro de 2020 as suas bases nos aeroportos espanhóis de Las Palmas, Tenerife Sul, Lanzarote e Girona.

Na sequência desse anúncio, o sindicato de tripulantes USO comunicou que a Ryanair já tinha iniciado um plano para despedir até 512 pessoas (clique para ler: Ryanair inicia processo para despedir 512 funcionários em Espanha).

Os tripulantes de cabina da companhia em Espanha convocaram uma greve para os dias 1, 2, 6, 8, 13, 15, 20, 22, 27 e 29 de Setembro, enquanto os pilotos apresentaram um pré-aviso de greve para os dias 19, 20, 22, 27 e 29 de Setembro.

A Ryanair apelou aos sindicatos para a desconvocação das greves, declarando-as “condenadas ao fracasso” uma vez que é “irreversível” o fecho das bases nas Canárias até que esteja resolvido o problema dos atrasos na entrega dos aviões B737 Max (clique para ler: Ryanair declara “irreversível” fecho das bases nas Canárias).

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Ryanair

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Nove países da UE querem aumentar impostos sobre as companhias aéreas

12-11-2019 (15h06)

Nove países da União Europeia juntaram-se para exigir uma aviação mais limpa na Europa, um dos meios de transporte mais poluentes que consideram que está a ser taxado abaixo do que devia.

Câmara de Lisboa vai promover estudo sobre os impactos do aeroporto da capital

12-11-2019 (15h01)

A Câmara de Lisboa aprovou na semana passada em reunião privada a realização de um estudo sobre os diversos impactos da exploração do aeroporto da capital, nomeadamente ao nível da poluição, ruído e tráfego.

Boeing espera retomar voos do 737 Max no início do próximo ano

12-11-2019 (14h54)

A Boeing anunciou que prevê que os voos comerciais com aviões 737 Max, retirados de circulação desde meados de Março após dois acidentes que fizeram 346 mortos, recomecem no início do próximo ano e não em Dezembro.

ANA tem até 20 de Dezembro para analisar medidas de mitigação ambiental

12-11-2019 (14h49)

O prazo para a ANA Aeroportos analisar as medidas de mitigação propostas na Declaração de Impacte Ambiental (DIA) do futuro aeroporto do Montijo foi prorrogado até 20 de Dezembro, adiantou à agência Lusa a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

IAG anuncia acordo para compra da Air Europa e reforço do hub de Madrid

04-11-2019 (15h48)

A IAG International Airlines Group, que já tem a mais histórica companhia espanhola, a Iberia, e a maior companhia do país, a low cost Vueling, anunciou hoje ter um acordo para a compra da sua maior concorrente em Espanha, a Air Europa, num negócio que prevêem esteja concluído no segundo semestre de 2020.

Noticias mais lidas