Governo de São Tomé escolhe Ceiba/White para substituir euroAtlantic na STP Airways

24-08-2019 (17h05)

A Ceiba, companhia de aviação da Guiné Equatorial, cujos voos para a Europa são operados pela portuguesa White, é a próxima parceira operacional da STP Airways, em lugar da portuguesa euroAtlantic, que é accionista e operadora dos voos da companhia são-tomense desde a sua fundação, em 2008.

A mudança, prevista para finais de Outubro, foi anunciada pelo ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas, Recursos Naturais e Ambiente de São Tomé, Osvaldo Abreu, que em declarações à Agência Lusa revelou que o Governo de São Tomé e Príncipe assinou um memorando com a Ceiba nesse sentido.

O governante disse que a gestão da companhia aérea são-tomense, porém, não será abrangida num futuro acordo com a congénere da Guiné Equatorial.

O governante explicou que o memorando assinado em Malabo, capital da Guiné Equatorial, na semana passada, pelo presidente da STP Airways, António Aguiar, prevê que a Ceiba “vai colocar aviões ao serviço da companhia aérea nacional, que serão operados pela White”, companhia aérea portuguesa que já é a operadora dos voos da Ceiba, uma vez que esta está na "lista negra" da União Europeia e portanto não pode voar para a Europa.

“O acordo ainda está a ser negociado, mas há já um comprometimento das partes, que a Ceiba, companhia de aviação da Guiné Equatorial, passa a ser a próxima parceira da STP Airways, a transportadora de bandeira de São Tomé e Príncipe, após a retirada da euroAtlantic", afirmou Osvaldo Abreu.

O governante adiantou que após a saída da Euroatlantic, prevista para finais de Outubro, a Ceiba passa a assegurar ligações domésticas e internacionais para Portugal e outros países europeus, operados pela White.

Na operação está também envolvida a Ethiopian AirLines, da Etiópia, por ser a companhia que já tem um acordo de gestão com a Ceiba, adiantou.

Quanto à gestão da STP Airways, até agora assegurada pela portuguesa euroAtlantic, Osvaldo Abreu garantiu que “o que o Governo são-tomense pretende é que a companhia aérea venha a ser gerida por gestores da área da aviação com larga experiência no sector”.

“Para isso lançaremos em breve uma manifestação de interesse para a escolha de quem vai gerir a STP Airways”, referiu o ministro, não escondendo a vontade de ter um parceiro que fale português.

Em simultâneo decorre uma auditoria para avaliar a companhia aérea do país, que tem entre os seus principais accionistas a euroAtlantic, com 40% do capital, e o Estado de São Tomé e Príncipe, com 35%.

O objectivo é avaliar também a posição da euroAtlantic, que o Estado são-tomense “poderá vir a adquirir”, admitiu o governante.

Desde Junho, mês em que entrou em ruptura com a portuguesa Eurotlantic que o Governo são-tomense estava a trabalhar com a Guiné Equatorial na concretização de “uma aliança formal” entre as suas companhias aéreas, que deveria conduzir à saída da operadora de Portugal.

A posição consta de uma carta enviada por Osvaldo Abreu à Administração da euroAtlantic Airways, a que a agência Lusa teve acesso.

A euroAtlântic detém 40% do capital e a responsabilidade pela gestão da STP Airways, tendo igualmente um contrato de concessão do handling até 2020, que o Governo quer separar do transporte aéreo.

Na missiva, enviada depois de declarações públicas do ministro a anunciar a intenção de terminar o acordo para gestão da STP Airways em Outubro, Osvaldo Abreu evocou o estabelecimento de parcerias com a Guiné Equatorial em vários sectores, incluindo nos transportes, com vista a “uma aliança formal entre as companhias áreas dos respectivos estados arquipelágicos do Golfo da Guiné”.

Osvaldo Abreu apontou que a separação das actividades transportadora e de handling é “uma aspiração” do Governo que foi recomendada pelo Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC) e por organizações internacionais.

O fundador e presidente da euroAtlantic, Tomaz Metello, admitiu sair do capital e da gestão da STP Airways, mas após negociações.

Tomaz Metello explicou à Lusa que a concessão dos serviços de handling foi a condição para a empresa entrar no capital e na gestão da STP Airways, assegurando que sem esta operação não tem interesse em continuar a gerir a empresa são-tomense.

O empresário foi surpreendido com a decisão anunciada nos meios de comunicação social pelo ministro de terminar o contrato em Outubro, e lamentou que, com todos os governos com que lidou ao longo de 11 anos, só este tenha imposto esta situação.

O presidente da empresa sublinhou que uma saída do capital da STP Airways tem de ter a concordância do “accionista maioritário”, a própria EuroAtlantic, implicando a alteração dos seus estatutos.

O ministro são-tomense anunciou ainda a nomeação de um conselheiro “independente e especializado" no sector da aviação civil "para acompanhar o período transitório da operação até à conclusão da transferência de gestão e das participações da euroAtlantic".

A STP Airways foi constituída por escritura pública a 23 de Junho de 2008, tendo como accionistas a euroAtlantic airways, com 37%, o Estado de São Tomé e Príncipe, com 35%, o Banco Equador, com 14%, e a Golfo Internacional Air Sevice, com 14%.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: STP Airways

Clique para mais notícias: euroAtlantic Airways

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Antonoaldo Neves garante que TAP tem “fundações bem sólidas”

21-02-2020 (17h53)

Os resultados da TAP no segundo semestre “não foram suficientes para compensar” as quebras do primeiro, admitiu Antonoaldo Neves, CEO da transportadora, que acrescentou estar convicto, no entanto, que “as fundações estão bem sólidas para a gente continuar nessa trajectória de transformação da empresa e melhoria da sustentabilidade”.

Grupo TAP baixa prejuízos em 12,4 milhões para 105,6 milhões de euros em 2019

21-02-2020 (17h51)

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

TAP fecha o ano com prejuízos de 95,6 milhões

21-02-2020 (17h51)

A companhia portuguesa de aviação TAP perdeu mais 95,6 milhões de euros no ano passado, com um agravamento de 37,6 milhões face a 2018, segundo os resultados da empresa comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Não há possibilidade de a TAP ir para o Montijo”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (17h07)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, voltou a garantir que “não há possibilidade” da companhia aérea ir para o Montijo, apesar de considerar “importantíssimo” a sua construção.

Comissão Executiva da TAP “não comenta política de remuneração da empresa”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (16h59)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, declarou que “não comenta política de remuneração da empresa” que foi trazida para a ‘praça pública’ pelo accionista David Neeleman que o escolheu para liderar a gestão executiva da companhia.

Noticias mais lidas