Lacerda Machado afasta possibilidade da TAP aumentar oferta para Faro

22-11-2019 (11h40)

O administrador não executivo da TAP Diogo Lacerda Machado declarou ter “dúvidas que faça sentido acrescentar mais” capacidade aérea para Faro, onde o número de assentos oferecidos pela companhia aumentou 43%.

Questionado sobre que motivos a TAP tem para excluir o Algarve das suas prioridades, Lacerda Machado respondeu com números: “a TAP passou em 2018 de uma oferta de 279 mil assentos no Algarve para este ano 400 mil”.

“O número de assentos oferecidos a partir de Faro pela TAP aumentou 43%”, detalhou Lacerda Machado, que falava no 31º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo, organizado pela AHP, em Viana do Castelo.

O administrador da companhia, admitindo que o aumento da oferta “também resultou do desaparecimento da Monarch”, sublinhou que “a TAP não vai mais a sítios para perder dinheiro, não vai mesmo”.

“Esta oferta [no Algarve] é uma oferta que cresceu significativamente. Tenho dúvidas que faça sentido acrescentar mais”, acrescentou.

Lacerda Machado salientou que “a TAP não voa para onde não ganhe dinheiro, mas em primeiro lugar cumpre os compromissos estratégicos que foram estabelecidos”.

“Começa por aí. E, depois disto, tem que ganhar dinheiro”, prosseguiu o administrador, para concluir que “a TAP na linha de Faro, designadamente na ponta que importa para uma companhia que tem um modelo como a TAP tem, que é de alimentar o hub e alimentar-se do hub e distribuir, obviamente em Faro a TAP nesta altura tem uma exploração positiva”.

Na semana passada, durante o Congresso da APAVT, na Madeira, o presidente da Região de Turismo do Algarve, João Fernandes, afirmou que para desenvolver o mercado de M&I (Meetings & Incentives), que “é uma boa oportunidade de atenuação da sazonalidade para região”, é necessária uma ponte aérea Lisboa – Faro.

“Temos ainda um constrangimento acrescido que é a falta de uma ponte aérea com Lisboa porque a TAP, que é uma companhia de bandeira portuguesa, não serve o Algarve neste capítulo”, declarou João Fernandes.

Ver também:

TAP vai começar “a ganhar sustentadamente dinheiro”, diz administrador Lacerda Machado

 

O PressTUR acompanha o Congresso a convite da AHP

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Antonoaldo Neves garante que TAP tem “fundações bem sólidas”

21-02-2020 (17h53)

Os resultados da TAP no segundo semestre “não foram suficientes para compensar” as quebras do primeiro, admitiu Antonoaldo Neves, CEO da transportadora, que acrescentou estar convicto, no entanto, que “as fundações estão bem sólidas para a gente continuar nessa trajectória de transformação da empresa e melhoria da sustentabilidade”.

Grupo TAP baixa prejuízos em 12,4 milhões para 105,6 milhões de euros em 2019

21-02-2020 (17h51)

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

TAP fecha o ano com prejuízos de 95,6 milhões

21-02-2020 (17h51)

A companhia portuguesa de aviação TAP perdeu mais 95,6 milhões de euros no ano passado, com um agravamento de 37,6 milhões face a 2018, segundo os resultados da empresa comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Não há possibilidade de a TAP ir para o Montijo”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (17h07)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, voltou a garantir que “não há possibilidade” da companhia aérea ir para o Montijo, apesar de considerar “importantíssimo” a sua construção.

Comissão Executiva da TAP “não comenta política de remuneração da empresa”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (16h59)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, declarou que “não comenta política de remuneração da empresa” que foi trazida para a ‘praça pública’ pelo accionista David Neeleman que o escolheu para liderar a gestão executiva da companhia.

Noticias mais lidas