Lufthansa responsabiliza excesso de capacidade na Europa pela quebra de resultados

17-06-2019 (15h15)

Foto: Lufthansa
Foto: Lufthansa

O grupo Lufthansa, maior grupo de aviação da Europa em número de passageiros e em tráfego medido em RPK (passageiros x quilómetros voados), responsabiliza um alegado excesso de capacidade na Europa por uma evolução pior do que previa, mas os seus dados mostram que a subsidiária mais problemática é a Eurowings, que até era identificada com o negócio de voos de longo curso low cost.

“Na Eurowings, espera-se que a receita unitária [receita de passagens por lugar voado um quilómetro) cai significativamente no segundo trimestre de 2019” e para o conjunto deste ano, a previsão é que a quebra fique na ordem dos 5%, na medida que a sua gestão decidiu mais medidas de turnaround que serão anunciadas proximamente, diz o comunicado divulgado pelo grupo.

Esta evolução da Eurowings é, porém, apenas uma das questões elencadas pelo grupo Lufthansa para justificar a revisão em baixa da sua previsão de resultados operacionais este ano (para ver mais clique: Lufthansa alarma mercados com revisão em forte baixa da previsão de resultados).

Uma degradação do mercado de voos de curto e médio curso, devido a sobrecapacidade “provocada por companhias dispostas a aceitas perdas significativas para expandirem a sua quota de mercado”, é a primeira causa apontada pelo grupo Lufthansa que, a despeito dessa apreciação, promete “defender vigorosamente” as quotas de mercado, tanta das companhias de rede quanto da Eurowings.

A comunicação da Lufthansa realça que essa ‘luta por quota de mercado’ degrada os yields (preço médio por quilómetro voado), que afecta igualmente as linhas de longo curso, se bem que o grupo considere que o seu negócio neste segmento “continua forte”, com “desempenho especialmente positivo” nas linhas transatlânticas e procura “elevada” nas linhas da Ásia.

Só que, acrescenta, “a força no longo curso, porém, está a ser penalizada por pressões de preço na Europa, onde a procura tornou-se crescentemente sensível ao preço, resultando em baixos yields”.

A resposta das suas companhias de rede vai ser reduzir ainda mais os seus planos de evolução da capacidade, especialmente para o Inverno 2019/2020, para o qual têm previsto apenas um aumento “marginal”.

Ainda assim, a sua previsão é que o grupo das suas companhias de rede registe este ano um decréscimo de um dígito baixo da sua receita unitária ajustada de efeitos cambiais.

 

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

APAVT apresenta queixa contra a TAP por uso abusivo de dados de passageiros

18-07-2019 (10h40)

A APAVT formalizou junto da IATA, associação internacional de companhias de aviação, uma queixa contra a TAP por alegada utilização abusiva dos contactos dos passageiros que os agentes de viagens são obrigados a fornecer, noticiou hoje o jornal espanhol "Nexotur".

Aeroporto de Lisboa subiu em Maio ao Top5 de crescimento dos grandes aeroportos europeus

17-07-2019 (17h07)

A associação dos aeroportos europeus, que diz representar mais de 500 aeroportos em 45 países do continente, apontou o Aeroporto de Lisboa como o 4º grande aeroporto europeu com crescimento mais forte do número de passageiros em Maio.

Azores Airlines ainda tem 300 passageiros "por reacomodar" após avaria em dois aviões

17-07-2019 (13h20)

A Azores Airlines, do grupo SATA, anunciou hoje que “estão ainda por reacomodar cerca de 300 passageiros” devido “aos cancelamentos em cadeia” verificados desde Sábado, na sequência da avaria de duas aeronaves.

TAP e tripulantes debateram “medidas mitigadoras” para náuseas em A330neo

17-07-2019 (12h00)

A TAP e o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) debateram “medidas mitigadoras” para tentar resolver os odores e as más disposições que têm ocorrido entre tripulações e passageiros nos aviões A330neo.

Crescimento os voos Espanha - Portugal desloca-se de Lisboa para o Porto

16-07-2019 (17h59)

O Aeroporto do Porto concentrou 69% do crescimento do movimento de passageiros em voos entre Portugal e Espanha, quando há um ano, no primeiro semestre de 2018, 58,4% do crescimento estava no Aeroporto de Lisboa.

Noticias mais lidas