Ryanair passa a divulgar dados sobre emissões de CO2 todos os meses

05-06-2019 (14h56)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

A Ryanair anunciou que é desde hoje a primeira companhia de aviação a divulgar mensalmente as estatísticas de emissões de dióxido de carbono (CO2), evidenciando assim o seu compromisso com a preservação ambiental.

“A Ryanair publicará as suas emissões mensais de CO2 para demonstrar o seu compromisso ambiental e insta todas as outras companhias aéreas da União Europeia a fazer o mesmo”, sublinha um comunicado da low cost que em Portugal voa para os aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Ponta Delgada e Terceira.

Em Maio, as emissões de CO2 do Grupo Ryanair, incluindo os voos da companhia aérea Lauda, atingiram uma média de 66g por passageiro quilómetro (RPK, do inglês).

O grupo transportou nesse mês 14,1 milhões de passageiros em 17.529 milhões de quilómetros voados, atingindo um total de 1.157 kt de emissões de CO2.

A Ryanair garante no comunicado que é a transportadora aérea europeia com a média anual mais baixa de emissões de CO2 por passageiro/quilómetro, com uma média anual de 67g por RPK, “substancialmente abaixo dos seus concorrentes europeus”.

Até 2030, a Ryanair quer reduzir as emissões até uma média de 60g por passageiro/quilómetro.

Nos últimos dez anos, a transportadora indica que baixou em 18% a média das emissões de CO2, de 82g para 67g por ano, enquanto os seus concorrentes como “a Lufthansa, BA e AF-KLM geram mais de 120g por passageiro quilómetro”, mas a comparação não leva em conta que se trata de grupos com grande utilização de aviões widebody, enquanto a Ryanair tem apenas narrowbody.

Para atingir as suas metas, a Ryanair tem programado um investimento de mais de 20 mil milhões de dólares (17,8 mil milhões de euros) em 210 novos aviões Boeing 737.

Estes aviões, segundo a low cost, têm capacidade para transportar mais 4% de passageiros, reduzir o consumo de combustível em 16% e baixar as emissões de ruído em 40%.

A Ryanair, que apresenta o B737 MAX como um modelo “gamechanger”, prevê receber os 210 aviões entre este ano e 2024.

Os voos comerciais em aviões B737 MAX estão actualmente suspensos em vários países, depois de dois acidentes fatais nas companhias aéreas Lion Air e Ethiopian Airlines.

 

Clique para ver mais: Ryanair

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

APAVT apresenta queixa contra a TAP por uso abusivo de dados de passageiros

18-07-2019 (10h40)

A APAVT formalizou junto da IATA, associação internacional de companhias de aviação, uma queixa contra a TAP por alegada utilização abusiva dos contactos dos passageiros que os agentes de viagens são obrigados a fornecer, noticiou hoje o jornal espanhol "Nexotur".

Aeroporto de Lisboa subiu em Maio ao Top5 de crescimento dos grandes aeroportos europeus

17-07-2019 (17h07)

A associação dos aeroportos europeus, que diz representar mais de 500 aeroportos em 45 países do continente, apontou o Aeroporto de Lisboa como o 4º grande aeroporto europeu com crescimento mais forte do número de passageiros em Maio.

Azores Airlines ainda tem 300 passageiros "por reacomodar" após avaria em dois aviões

17-07-2019 (13h20)

A Azores Airlines, do grupo SATA, anunciou hoje que “estão ainda por reacomodar cerca de 300 passageiros” devido “aos cancelamentos em cadeia” verificados desde Sábado, na sequência da avaria de duas aeronaves.

TAP e tripulantes debateram “medidas mitigadoras” para náuseas em A330neo

17-07-2019 (12h00)

A TAP e o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) debateram “medidas mitigadoras” para tentar resolver os odores e as más disposições que têm ocorrido entre tripulações e passageiros nos aviões A330neo.

Crescimento os voos Espanha - Portugal desloca-se de Lisboa para o Porto

16-07-2019 (17h59)

O Aeroporto do Porto concentrou 69% do crescimento do movimento de passageiros em voos entre Portugal e Espanha, quando há um ano, no primeiro semestre de 2018, 58,4% do crescimento estava no Aeroporto de Lisboa.

Noticias mais lidas