Sem Lisboa e Porto, crescimento dos aeroportos ANA/Vinci ficou em 0,02% em 2018

09-01-2019 (15h30)

Foto: ANA
Foto: ANA

Crescimento dos aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci resumiu-se praticamente ao Humberto Delgado, em Lisboa, e ao Francisco Sá Carneiro, no Porto, que tiveram um aumento de 3,52 milhões de passageiros em 2018, enquanto nos outros oito o aumento ficou em apenas três mil, ou seja, foi mais de 1.170 vezes menor.

A debilidade da evolução dos outros oito aeroportos, Faro no Continente, Ponta Delgada, Horta, Santa Maria e Flores nos Açores e Funchal e Porto Santo na Madeira, deve-se em primeiro lugar aos aeroportos que tiveram balanços ‘no vermelho’.

Foram os casos de Faro, que teve menos 41,5 mil passageiros que em 2017, Funchal, que teve menos 21,2 mil, e Porto Santo, que teve menos 10,7 mil.

Mas, também, à excepção de Beja, que, no entanto, representou apenas 0,01% dos passageiros em aeroportos da ANA/Vinci em 2018, todos os outros cresceram menos que a média do grupo.

Ponta Delgada, o maior aeroporto dos Açores, terminou 2018 com +3% de passageiros que em 2017, Horta, 2º maior, teve +3,6%, Santa Maria, 3º maior, teve +4,8%, e Flores, 4º maior, teve +7,8%, enquanto o aumento médio de passageiros em aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci foi de 8,9%.

Os dados a que o PressTUR teve acesso indicam que Faro teve um total de 8,685 milhões de passageiros em 2018, o Funchal teve 3,181 milhões e Ponta Delgada teve 1,904 milhões.

Os restantes tiveram todos totais de passageiros muito inferiores, com 247 mil na Horta, 97,6 mil em Santa Maria, 164,6 mil em Porto Santo, 69 mil nas Flores e 5,1 mil em Beja.

Faro teve no ano passado 15,7% dos passageiros embarcados e desembarcados em aeroportos geridos pela ANA Vinci, depois de 16,9% em 2017, o Funchal teve 5,8%, depois de 6,2% um ano antes, e Ponta Delgada teve 3,4%, abaixo dos 3,6% de 2017.

Os outros aeroportos tiveram menos de 1% do total de passageiros do grupo, com 0,4% na Horta, 0,3% em Porto Santo, 0,2% em Santa Maria, 0,12% nas Flores e 0,01% em Beja.

Idêntico perfil verifica-se no que diz respeito a movimentos de aviões, com Lisboa e Porto a terem um aumento em 7,5% ou 21,2 mil, somando 305,7 mil, enquanto nos restantes oito aeroportos ocorreu uma quebra em 1,6% ou cerca de 900, para 55,4 mil.

Esta quebra deve-se em primeiro lugar aos decréscimos em 0,2% em Faro, para 57,3 mil, em 3,9% no Funchal, para 24,1 mil, em 0,6% na Horta, para 4,5 mil, e em 16,6% em Porto Santo, para 2,8 mil.

Os aumentos nos restantes foram em 1,9% em Ponta Delgada, para 19,4 mil, em 4,4% em Santa Maria, para 2,7 mil, em 7,7% nas Flores, para 1,6 mil, e em 171,4% em Beja, para 114.

 

Para ler mais clique:

Aeroporto de Lisboa cresceu 8,9% em 2018 e somou 29,031 milhões de passageiros

Aeroporto do Porto ficou ‘em cima’ dos 12 milhões de passageiros em 2018

 

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

easyJet contrata director de operações da Ryanair

19-07-2019 (13h25)

A easyJet contratou o director de operações da Ryanair, Peter Bellew, que vai desempenhar as mesmas funções e integrar o Conselho de Administração, reportando ao presidente executivo, Johan Lundgren.

Plano estratégico da TAP “não está comprometido, está reafirmado”, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (12h25)

O plano estratégico da TAP “não está comprometido, está reafirmado”, disse o presidente executivo da companhia, Antonoaldo Neves, remetendo para os accionistas a análise da satisfação com os seus resultados.

CEO da TAP diz que ‘fake news’ sobre aviões A330neo “não têm afectado” as vendas

19-07-2019 (11h59)

“As ‘fake news’ sobre esse avião começaram há muito tempo e felizmente não têm afectado a venda de passagens, porque na ‘media’ mundial não saem”, disse o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, a propósito das indisposições a bordo dos aviões A330neo da companhia.

TAP tem “65% do volume de combustível protegido”, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (11h39)

A TAP tem actualmente “65% do volume de combustível protegido” das variações do preço do petróleo, afirmou o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves.

TAP também deu prémios em ano de prejuízos quando era 100% pública, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (11h05)

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, disse que os prémios atribuídos aos quadros da companhia estão relacionados com a melhoria de indicadores e que não é a primeira vez que a companhia paga prémios em ano de prejuízos, incluindo quando era totalmente pública.

Noticias mais lidas