Sem Lisboa e Porto, crescimento dos aeroportos ANA/Vinci ficou em 0,02% em 2018

09-01-2019 (15h30)

Foto: ANA
Foto: ANA

Crescimento dos aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci resumiu-se praticamente ao Humberto Delgado, em Lisboa, e ao Francisco Sá Carneiro, no Porto, que tiveram um aumento de 3,52 milhões de passageiros em 2018, enquanto nos outros oito o aumento ficou em apenas três mil, ou seja, foi mais de 1.170 vezes menor.

A debilidade da evolução dos outros oito aeroportos, Faro no Continente, Ponta Delgada, Horta, Santa Maria e Flores nos Açores e Funchal e Porto Santo na Madeira, deve-se em primeiro lugar aos aeroportos que tiveram balanços ‘no vermelho’.

Foram os casos de Faro, que teve menos 41,5 mil passageiros que em 2017, Funchal, que teve menos 21,2 mil, e Porto Santo, que teve menos 10,7 mil.

Mas, também, à excepção de Beja, que, no entanto, representou apenas 0,01% dos passageiros em aeroportos da ANA/Vinci em 2018, todos os outros cresceram menos que a média do grupo.

Ponta Delgada, o maior aeroporto dos Açores, terminou 2018 com +3% de passageiros que em 2017, Horta, 2º maior, teve +3,6%, Santa Maria, 3º maior, teve +4,8%, e Flores, 4º maior, teve +7,8%, enquanto o aumento médio de passageiros em aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci foi de 8,9%.

Os dados a que o PressTUR teve acesso indicam que Faro teve um total de 8,685 milhões de passageiros em 2018, o Funchal teve 3,181 milhões e Ponta Delgada teve 1,904 milhões.

Os restantes tiveram todos totais de passageiros muito inferiores, com 247 mil na Horta, 97,6 mil em Santa Maria, 164,6 mil em Porto Santo, 69 mil nas Flores e 5,1 mil em Beja.

Faro teve no ano passado 15,7% dos passageiros embarcados e desembarcados em aeroportos geridos pela ANA Vinci, depois de 16,9% em 2017, o Funchal teve 5,8%, depois de 6,2% um ano antes, e Ponta Delgada teve 3,4%, abaixo dos 3,6% de 2017.

Os outros aeroportos tiveram menos de 1% do total de passageiros do grupo, com 0,4% na Horta, 0,3% em Porto Santo, 0,2% em Santa Maria, 0,12% nas Flores e 0,01% em Beja.

Idêntico perfil verifica-se no que diz respeito a movimentos de aviões, com Lisboa e Porto a terem um aumento em 7,5% ou 21,2 mil, somando 305,7 mil, enquanto nos restantes oito aeroportos ocorreu uma quebra em 1,6% ou cerca de 900, para 55,4 mil.

Esta quebra deve-se em primeiro lugar aos decréscimos em 0,2% em Faro, para 57,3 mil, em 3,9% no Funchal, para 24,1 mil, em 0,6% na Horta, para 4,5 mil, e em 16,6% em Porto Santo, para 2,8 mil.

Os aumentos nos restantes foram em 1,9% em Ponta Delgada, para 19,4 mil, em 4,4% em Santa Maria, para 2,7 mil, em 7,7% nas Flores, para 1,6 mil, e em 171,4% em Beja, para 114.

 

Para ler mais clique:

Aeroporto de Lisboa cresceu 8,9% em 2018 e somou 29,031 milhões de passageiros

Aeroporto do Porto ficou ‘em cima’ dos 12 milhões de passageiros em 2018

 

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP prevê transportar mais 800 mil a um milhão de passageiros este ano

20-05-2019 (17h18)

“Ainda é cedo, estamos em Maio”, contemporizou o CEO da TAP, Antonoaldo Neves, que ainda assim não deixou de avançar que prevê que a TAP transporte este ano entre 800 mil e um milhão a mais que em 2018.

Ryanair espera mais 8% de passageiros mas sem lucrar mais

20-05-2019 (16h40)

A low cost Ryanair indicou hoje que espera chegar a 153 milhões de passageiros no ano fiscal 2019/2020 que iniciou a 1 de Abril, com um aumento em 8%, a que se somará uma subida da receita média por passageiro entre 2% e 4%, mas ainda assim não antevê melhor que uma estagnação do lucro, que em 2018/2019 caiu 39%.

Ryanair avança a possibilidade de receber os primeiros B737 MAX em Novembro

20-05-2019 (16h37)

A low cost Ryanair aponta na sua apresentação de resultados a possibilidade de receber em Novembro os primeiros cinco Boeing B737 MAX, que estão impedidos de voar desde meados de Março sem a correcção dos problemas que alegadamente levaram a dois acidentes em que morreram 346 pessoas.

Agravamento de custos com combustíveis, pessoal e Laudamotion ‘corta’ lucro operacional da Ryanair em 39%

20-05-2019 (16h18)

A low cost Ryanair declarou hoje uma quebra do lucro operacional em 39,1%, que o seu balanço evidencia reflectir principalmente os agravamentos e custos com combustíveis, em 27,6% ou 524,4 milhões de euros, com pessoal, num ano em que enfrentou greves de pilotos e tripulantes de cabina pela melhoria das suas condições contratuais, em 28% ou 206,5 milhões, e com o lançamento da austríaca Laudamotion, em 223,9 milhões.

APG Portugal promove ‘open day’ na próxima segunda-feira

20-05-2019 (13h10)

A APG Portugal, que representa companhias como a Finnair, a Croatia Airlines e a Trenitalia, entre outras, vai estar de portas abertas para apresentar a sua oferta na próxima segunda-feira, dia 27, às 14h.