Sindicato dos pilotos da British Airways marca três dias de greve em Setembro

24-08-2019 (17h26)

Foto: Aeroporto de Londres Heathrow
Foto: Aeroporto de Londres Heathrow

O BALPA, sindicato dos pilotos da British Airways (BA), maior companhia de aviação do IAG, segundo maior grupo aéreo europeu, com 67,88 milhões e passageiros transportados nos primeiros sete meses deste ano, marcou greves dos seus associados para os dias 9, 10 e 27 de Setembro para exigir melhorias salariais.

O sindicato realçou que apresentou várias propostas à companhia aérea, que tem à frente da gestão o espanhol Alex Cruz, ex-CEO da low cost Vueling, que teriam permitido resolver o problema sem recorrer à greve.

“A BA não aceitou nenhuma destas propostas e ficou claro, no seguimento das negociações dos últimos dias, que a oferta mais recente da companhia não vai obter o apoio da maioria dos pilotos” disse o sindicato em comunicado, no qual frisa que a opção pela greve foi aprovada por 93% e decidida como “último recurso”, depois dos pilotos terem feito “sacrifícios” nos últimos anos.

A British Airways, que pertence ao IAG, considerou “completamente inaceitável (...) esta greve injustificada”.

A companhia aérea disse que fez “uma oferta muito justa” ao propor um aumento salarial de 11,5% em três anos, “muito acima da inflação actual no Reino Unido”, acrescentando que essa proposta foi aceite por outros sindicatos.

A BA vai alterar os horários para garantir voos ao maior número possível de passageiros, mas avisou que “muitos” poderão não viajar e que aqueles que tenham voos cancelados serão reembolsados ou transferidos para outros voos.

O BALPA calcula que cada dia de greve custe cerca de 40 milhões de libras (44 milhões de euros) à British Airways e indicou que mantém as suas propostas na mesa de negociações “se a BA quiser concluir um acordo antes da greve”.

Os dados do IAG indicam que a British Airways transportou 27,7 milhões de passageiros nos primeiros sete meses deste ano, com um aumento em 2,5% relativamente ao mês homólogo de 2018.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: British Airways

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Antonoaldo Neves garante que TAP tem “fundações bem sólidas”

21-02-2020 (17h53)

Os resultados da TAP no segundo semestre “não foram suficientes para compensar” as quebras do primeiro, admitiu Antonoaldo Neves, CEO da transportadora, que acrescentou estar convicto, no entanto, que “as fundações estão bem sólidas para a gente continuar nessa trajectória de transformação da empresa e melhoria da sustentabilidade”.

Grupo TAP baixa prejuízos em 12,4 milhões para 105,6 milhões de euros em 2019

21-02-2020 (17h51)

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

TAP fecha o ano com prejuízos de 95,6 milhões

21-02-2020 (17h51)

A companhia portuguesa de aviação TAP perdeu mais 95,6 milhões de euros no ano passado, com um agravamento de 37,6 milhões face a 2018, segundo os resultados da empresa comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Não há possibilidade de a TAP ir para o Montijo”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (17h07)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, voltou a garantir que “não há possibilidade” da companhia aérea ir para o Montijo, apesar de considerar “importantíssimo” a sua construção.

Comissão Executiva da TAP “não comenta política de remuneração da empresa”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (16h59)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, declarou que “não comenta política de remuneração da empresa” que foi trazida para a ‘praça pública’ pelo accionista David Neeleman que o escolheu para liderar a gestão executiva da companhia.

Noticias mais lidas