TAP cresceu a dois dígitos em todos os sectores de rede em 2017

08-01-2018 (14h58)

A TAP teve crescimentos do número de passageiros a dois dígitos em todos os sectores de rede, segundo comunicado divulgado hoje pela companhia, que realça que no ano passado elevou para seis o número de rotas em que ultrapassou o meio milhão.

“Pela primeira vez, a TAP transportou num ano mais de 500 mil passageiros nas rotas Lisboa/Londres Heathrow, Lisboa/Barcelona e Lisboa/Madrid, que se juntaram assim, em 2017, às rotas Lisboa/Porto, Lisboa/Funchal e Lisboa/Paris, onde esse volume de passageiros já era superado em anos anteriores”, diz o comunicado.

A companhia especifica nessa informação que concluiu o ano de 2017 com um aumento de passageiros em 21,7% ou 2,55 milhões, alcançando o total de 14,274 milhões.

O maior contributo para esse aumento em 2,55 milhões foi do conjunto de rotas internacionais intra-europeias, que são regra geral as que mais passageiros têm, com um aumento em 1,6 milhões ou 22%, para 8,7 milhões, o que equivale a 61% do total de passageiros da companhia no ano de 2017.

Em voos domésticos no continente, o aumento foi em 15,8%, para 998 mil, destacando-se o crescimento nas ligações entre Lisboa e Faro e o total da ‘ponte aérea’ Lisboa - Porto, que se tornou “a rota na qual a TAP transportou mais passageiros em 2017, atingindo um total de 726 mil, mais 8% que em 2016”, mas omitindo o tráfego na linha Lisboa - Faro.

Para os voos entre o Continente e as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira a TAP indica ter transportado pela primeira vez mais de um milhão de passageiros, com 1,15 milhões, mais 18,9% ou mais 183 mil que em 2016.

Para voos intercontinentais, que normalmente têm menos ‘peso’ em número de passageiros, mas ‘pesam’ mais em tráfego em RPK e em receita, os dados contidos no comunicado da TAP apontam para um crescimento na ordem de 24,6% ou 620 mil passageiros, somando aproximadamente 3,36 milhões ou 24% do total do ano.

O maior dos sectores intercontinentais é o conjunto de voos de/para o Brasil, que somaram 1,6 milhões de passageiros, o que equivale a 11% do total do ano, seguindo-se o conjunto de rotas de/para países africanos, onde ultrapassou pela primeira vez o milhão de passageiros, com 1,033 milhões (7% do total), e o conjunto de ligações com a América do Norte, incluindo Estados Unidos e desde meados de 2017 o Canadá, com cerca de 730 mil passageiros (5% do total do ano).

Este foi o sector com o aumento percentual mais forte em 2017, com +54,5%, seguido por África, com +29%, e seguidamente o Brasil, com +14%.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Dubai vai injectar capital na Emirates

31-03-2020 (15h10)

O Dubai vai injectar capital na companhia aérea Emirates para a ajudar a atravessar a crise causada pela pandemia de covid-19, que obrigou a transportadora a suspender os voos de passageiros.

Eurowings vai manter dois voos por semana Dusseldorf – Lisboa

31-03-2020 (15h04)

A Eurowings, companhia de aviação do grupo Lufthansa inicialmente apontada como vocacionada para voos low cost de longo curso, vai manter dois voos por semana de Dusseldorf para Lisboa.

Lufthansa programa voo diário para Lisboa pelo menos até 19 de Abril

31-03-2020 (15h01)

A companhia de aviação alemã Lufthansa prevê manter voo diário de Frankfurt para Lisboa pelo menos até 19 de Abril, tendo 1.260 lugares em cada sentido, apesar da forte redução em consequência do impacto da pandemia de coronavírus.

TAP só vai voar em Embraer E190 até 4 de Maio

31-03-2020 (14h55)

A operação reduzida que a TAP tem programada até 4 de Maio vai ser toda realizada em Embraer E190 de 106 lugares, o que significa que terá um total de 1.060 lugares por semana em voos de/para Lisboa.

Ministro da Economia admite nacionalizações para assegurar "actividades estratégicas"

31-03-2020 (12h26)

O ministro da Economia considera “muito difícil” que a TAP “mantenha todos os postos de trabalho funcionais” na actual conjuntura, mas garante que o Estado assegurará, nesta e noutras empresas estratégicas, “a preservação do valor” que representam para o país.

Noticias mais lidas