TAP melhora pontualidade em Novembro para 74% e fica 8,8 pontos melhor que Aeroporto de Lisboa (OAG)

12-12-2019 (16h11)

A TAP teve um índice de pontualidade em Novembro de 74%, que é 7,5 pontos melhor do que tivera no mês homólogo de 2018 e fica 8,8 pontos melhor que a pontualidade média do Aeroporto de Lisboa, seu hub, onde é a companhia com mais movimentos de aviões.

De acordo com os dados da OAG para o mês de Novembro, apesar da melhoria, que está associada a uma redução da actividade habitual na época baixa, a TAP ainda ficou entre as 50 piores do mês, na posição 124 entre as 162 companhias que fazem parte do seu ranking.

Já em dimensão medida pelo número de voos, em que a OAG incluiu 333 companhias, as mais pequenas das quais a euroAtlantic, em329º com três voos, e a Orbest, em 330º, com dois, a TAP foi cotada em 63ª, com 10.437 voos, quando em Novembro de 2018 fora 58ª com 10.551 voos ‘controlados' pela consultora.

As companhias açorianas SATA Air Açores e Azores Airlines (SATA Internacional) foram, respectivamente 223ª com 917 voos e 260ª com 448.

Em pontualidade, a Azores Airlines foi a sexta pior do mês, com apenas 54,5% dos voos a chegarem até 15 minutos da hora prevista e a SATA Air Açores foi a 27ª pior, com um índice de pontualidade de 68,4%.

Entre as 162 companhias incluídas no ranking da OAG, a Azores Airlines ficou em 157ª e a SATA Air Açores, em 136ª.

Relativamente a Novembro de 2018, a SATA Air Açores melhorou a pontualidade em 3,1 pontos e ficou acima 3,8 pontos acima do índice de pontualidade do maior aeroporto dos Açores, o João Paulo II em Ponta Delgada.

A Azores Airlines, por sua vez, embora tenha melhorado 14 pontos em relação a Novembro de 2018, ainda ficou 10,1 pontos abaixo do índice de Ponta Delgada.

A melhor grande companhia em pontualidade no mês de Novembro, de acordo com os dados da OAG, foi a Garuda Indonesia com um índice de pontualidade de 95,8% relativamente a 12.736 voos, seguida pela Eurowings, do grupo Lufthansa, com 93,4% em 15.608 voos, a russa Aeroflot, com 92,1% em 28.392 voos, a japonesa All Nippon Airways, com 89,8% em 37.326 voos.

As piores, por sua vez, foram a Air India, com 40,1% em 16.509 voos, SpiceJet, com 54,3% em 18.288 voos, Wings Air, com 54,7% em 11.242 voos, Lion Air, com 58% em 17.320 voos, e Saudi Arabian Airlines, com 62,1% em 16.625 voos.

 

Clique para mais notícias: OAG

Clique para mais notícias: Pontualidade

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Governo fecha aeroportos ao tráfego de passageiros entre 9 e 13 de Abril, António Costa

02-04-2020 (19h27)

O primeiro-ministro anunciou hoje que Portugal vai encerrar ao tráfego de passageiros todos os aeroportos portugueses no período da Páscoa, entre os dias 9 e 13 deste mês, excepção feita aos voos de Estado, de carga ou humanitários.

Airlines for Europe apoia adiamento das taxas de controlo de tráfego aéreo

02-04-2020 (18h15)

A associação de companhias aéreas europeias Airlines for Europe manifestou o seu apoio em relação à proposta da Organização Europeia para a Segurança da Navegação Aérea Eurocontrol que sugere o adiamento das taxas de controlo de tráfego aéreo.

LATAM reduz operação em Abril em 95%

02-04-2020 (17h06)

O Latam, grupo que engloba a chilena LAN e a brasileira TAM, que é uma das companhias brasileiras com voos para Lisboa, informou hoje que em Abril reduz a operação em 95%, tendo em conta as restrições às viagens e a quebra da procura devido à pandemia de covid-19.

Aviação mundial foi “atingida por uma marreta chamada Covid-19”, IATA

02-04-2020 (16h41)

A IATA informou hoje que em Fevereiro a aviação mundial teve a maior quebra de tráfego desde os atentados às torres gémeas de Nova Iorque em 11 de Setembro de 2001, provocada essencialmente por quebras das companhias da região Ásia e Pacífico.

Responsabilidades das companhias de aviação com bilhetes não voados ascendem a 35 mil milhões de dólares, IATA

02-04-2020 (16h06)

As responsabilidades das companhias de aviação com bilhetes de avião vendidos e não voados devido às restrições provocadas pela pandemia de covid-19 elevam-se a 35 mil milhões de dólares.

Noticias mais lidas