TAP quer acabar com “dependência” do Brasil através da diversificação de mercados

22-03-2019 (16h42)

A TAP está a trabalhar na diversificação de mercados para acabar com a “dependência” do Brasil, um mercado que representa quase 25% das vendas totais da companhia e que no ano passado teve uma quebra de receitas de 10%, em euros.

Apesar da desvalorização cambial e incerteza política no Brasil, as receitas totais da companhia no ano passado subiram 9,1% ou 273 milhões de euros, para 3.251 milhões, o que foi “um crescimento notável”, começou por dizer o CEO da TAP, Antonoaldo Neves, hoje, na apresentação dos resultados da companhia em Lisboa.

Com a desvalorização cambial, de “3,61 reais por 1 euro em 2017 para 4,31 reais por 1 euro em 2018”, as receitas da TAP no Brasil no passado caíram 10%, em euros, e isso “naturalmente atingiu as nossas contas”, continuou Antonoaldo Neves.

Em passageiros, prosseguiu o CEO da TAP, a companhia transportou mais 1,5 milhões, “e numa matriz de clientes muito mais diversificada do que nós tínhamos no passado”.

“A TAP não pode depender de apenas um mercado. Nós vamos acabar com a dependência da TAP de apenas um mercado. Isso é um processo que foi intensificado esse ano com os novos mercados que nós lançámos”, frisou o executivo.

As 17 novas rotas que a companhia inaugurou nos últimos 18 meses “já representam 6% da receita vendida da TAP”.

“É muito gratificante poder ver nas reuniões mensais de rentabilidade as rotas dos Estados Unidos subindo no ranking de rentabilidade e, em algumas vezes, ultrapassando as nossas rotas brasileiras”, comentou Antonoaldo Neves.

“Isso é gratificante, isso garante o futuro da TAP”, enfatizou.

Antonoaldo Neves destacou que do total de bilhetes vendidos para a rota de Chicago 71% foram vendidos nos Estados Unidos, enquanto na rota de Washington foram 74% e na rota de São Francisco, 51%.

Na rota de Telavive, por sua vez, 39% dos bilhetes foram vendidos em Israel.

A perspectiva de Antonoaldo Neves é que os Estados Unidos possam chegar a representar 15% das vendas da TAP.

Contudo, acrescentou, “isto não é um jogo de quem tem um percentual maior”, o objectivo é que os dois mercados, Brasil e Estados Unidos, “cresçam muito e que seja um ano espectacular”.

David Neeleman, accionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway, que tem 45% da companhia, também afirmou na mesma ocasião que a dependência do Brasil “não pode continuar”.

“Os nossos lucros não podem depender de um país em que um dia está em cima, outro dia está em baixo”, afirmou David Neeleman.

Para mudar, “o que nós estamos a fazer é diversificar os nossos voos para os Estados Unidos”, algo que gostaria de ter feito antes, “mas as aeronaves demoraram bastante e eu não queria entrar nos Estados Unidos com aeronaves com 25 anos”.

“Temos dez cidades no Brasil e oito cidades na América no Norte, uma no Canadá e sete nos Estados Unidos. Gostaria que esse número fosse dez e dez”, acrescentou David Neeleman.

Sobre a operação no Brasil, o accionista avançou ainda que considera que os destinos no Nordeste poderão ser operados em aviões A321LR, “que tem um custo de viagem que é 50% menos que os nossos 330”.

 

Ver também:

TAP vai investir “cada vez mais” nas vendas directas

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

DECO recebeu mais de quatro mil queixas relativas a transporte aéreo em 2018

19-04-2019 (18h19)

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO) recebeu mais de quatro mil reclamações relacionadas com transportes aéreos em 2018 e, no primeiro trimestre deste ano, elevam-se a 674.

Air Europa aumenta capacidade da rota de São Paulo Guarulhos com voos em B787-9

18-04-2019 (13h29)

A rota Madrid - São Paulo Guarulhos é uma das seis rotas que a Air Europa indicou passará a ter os seus voos em Boeing B787-9, substituindo o B787-8 de menor capacidade.

Aeroporto de Hong Kong contrata Travelport promoção da conectividade multi-modal

18-04-2019 (11h37)

A multinacional tecnológica para o turismo e transportes Travelport anunciou ter assinado um acordo para promover os serviços de conectividade multi-modal do Aeroporto Internacional de Hong Kong (HKIA) junto de viajantes da Ásia, Europa e América do Norte.

Jet Airways suspende todos os voos

18-04-2019 (09h47)

A Jet Airways, que já foi a maior companhia de aviação privada da Índia, com uma frota de 123 aviões e 23 mil trabalhadores, suspendeu todos os voos, por não ter como pagar o combustível e outros serviços.

Voo da Lufthansa Lisboa - Munique desviado hoje para Sevilha para abastecer (Actualiza)

17-04-2019 (19h01)

O voo LH1793 da Lufthansa que saiu hoje de manhã de Lisboa para Munique foi desviado para Sevilha para abastecer.