Hotelaria espanhola penalizada por queda da estada média da maioria dos emissores

24-01-2020 (17h44)

A hotelaria espanhola alojou em 2019 mais 1,77 milhões de turistas residentes no estrangeiro, mas teve apenas mais 151,7 mil dormidas desses mercados, pela queda da estada média em 3,1%, concluiu o PressTUR dos dados publicados pelo INE espanhol.

Esses dados indicam que a hotelaria espanhola teve alojados no ano passado 55,92 milhões de turistas residentes no estrangeiro, 68,4% deles residentes na União Europeia, com 38,25 milhões, incluindo 18,6% de residentes no Reino Unido, com 10,38 milhões, 13% na Alemanha, com 7,26 milhões, 10,5% em França, com 5,89 milhões, 5,7% em Itália, com 3,17 milhões, e 3,7% nos Países Baixos, com 2,05 milhões.

Estes cinco mercados, procedência de mais de metade (51,4%) dos turistas estrangeiros que estiveram na hotelaria espanhola em 2019, com um total de 28,77 milhões, tiveram crescimento nulo, com aumentos de residentes no Reino Unido (+1,9% ou mais 198,48 mil) e Itália (+7,4% ou mais 217,5 mil) e quedas da Alemanha (-4,7% ou menos 355,2 mil), Países Baixos (-2,3% ou menos 49,1 mil) e estagnação em baixa de França (-0,1% ou menos sete mil).

Ainda assim, o total de hóspedes residentes em países da União Europeia aumentou 0,7% ou 278,9 mil, para 38,25 milhões, a que acresceu um aumento de residentes em outros países europeus em 13,2% ou 141,8 mil, para 1,21 milhões, fixando o número de residentes em países europeus em 42,09 milhões, +1,1% ou mais 446,5 mil que em 2018.

O crescimento mais forte do número de hóspedes não residentes na hotelaria espanhola ficou a dever-se a outras geografias, designadamente ao continente americano, de onde recebeu 7,18 milhões de hóspedes, +12,7% ou mais 810,5 mil, que em 2018, incluindo aumentos de residentes nos EUA em 14,9% ou 442,2 mil, para 3,4 milhões, e residentes noutros países do continente em 10,8% ou 368,2 mil, para 3,77 milhões.

O INE espanhol indicou ainda aumentos de hóspedes residentes no Japão, em 24,5% ou 133,2 mil, para 678 mil, de países africanos em 8,8% ou 67,29 mil, para 833,2 mil, e do conjunto "Resto do Mundo), em 6,6% ou 319,8 mil, para 5,13 milhões.

Estes mercados não europeus foram, pois, a origem de quase um quarto (24,7%) dos turistas não residentes que estiveram alojados na hotelaria espanhola em 2019, e que fizeram 14% das dormidas de não residentes, num total de 31,4 milhões, +11,8% ou mais 3,31 milhões que em 2018.

Os dados de dormidas de não residentes do INE espanhol mostram que o aumento pela margem mínima, em 0,1%, significando ainda assim mais 151,7 mil que em 2018, para 223,63 milhões, deveu-se aos mercados europeus, que em conjunto tiveram uma quebra em 1,6% ou 3,16 milhões, para 192,21 milhões, pela quebra em 1,9% ou 3,48 milhões de dormidas de residentes em países da União Europeia, para 175,48 milhões, parcialmente atenuada pelo aumento das pernoitas de residentes em outros países em 2% ou 321,3 mil, para 16,73 milhões.

Estes dados indicam, assim, que 78,5% das dormidas de não residentes devem-se a turistas de países da União Europeia com realce para o Reino Unido, com 25,3% das dormidas de não residentes, 18,8% de residentes na Alemanha, 8% de residentes em França, 4,5% de residentes em Itália, 4% de residentes nos Países Baixos.

Os residentes nestes cinco mercados representaram, assim, 60,7% das dormidas de não residentes na hotelaria espanhola em 2019, num total de 135,64 milhões, em baixa de 2,7% ou 3,75 milhões em relação a 2018, em que os seus residentes realizaram 62,4% das dormidas de estrangeiros.

A queda em 2019 ficou a dever-se a menos dormidas de residentes na Alemanha (-9% ou menos 4,18 milhões, para 42,14 milhões) e Países Baixos (-4,8% ou menos 448,3 mil, para 8,88 milhões), que não foram totalmente compensadas pelos aumentos de pernoitas de residentes no Reino Unido (+0,3% ou mais 183,3 mil, para 56,54 milhões), em Itália (+7,1% ou mais 664,8 mil, para 10,08 milhões) e em França (+0,2% ou mais 30,2 mil, para 17,98 milhões).

Em causa esteve a evolução da estada média, com uma queda da parte dos não residentes em 3,1%, incluindo descidas de 4,6% dos residentes na Alemanha, 0,3% dos residentes em Itália, 2,5% dos residentes nos Países Baixos e de 1,6% dos residentes no Reino Unido, e aumento em 0,3% dos residentes em França.

 

Para ler mais clique:

Dormidas de portugueses na hotelaria espanhola aumentaram 8,1% em 2019 e atingiram 4,32 milhões

 

Clique para mais notícias: Hotelaria espanhola

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Câmara de Lobos aprova boutique hotel perto do Cabo Girão

21-02-2020 (14h02)

O município de Câmara de Lobos aprovou a construção de um boutique hotel de três andares, com nove quartos, e um jardim de plantas endémicas com cerca de 25 mil metros quadrados, nas imediações de um dos pontos mais turísticos da Madeira, o Cabo Girão.

Câmara de Caminha aprova projecto para hotel em Vila Praia de Âncora

19-02-2020 (17h21)

A Câmara de Caminha aprovou um projecto para a criação do Âncora - River & Nature, um empreendimento turístico de 51 quartos em Vila Praia de Âncora, com um investimento avaliado em quatro milhões de euros.

Braga cobra taxa de 1,5 euros por dormida a partir de Março

19-02-2020 (14h02)

A Câmara de Braga começa no dia 1 de Março a cobrar uma taxa municipal turística no valor de 1,5 euros por dormida, anunciou hoje o município.

Alojamento local ultrapassou os dez milhões de dormidas em 2019

18-02-2020 (16h43)

O alojamento local foi o tipo de alojamento turístico que teve o maior aumento de dormidas em 2019, superando mesmo o aumento do conjunto dos hotéis, com mais 1,3 milhões de pernoitas que em 2018, o que lhe valeu superar a marca dos dez milhões num ano e contribuir decisivamente para que o crescimento do sector chegasse a 4,1%.

Turistas dos Estados Unidos foram os que mais aumentaram as dormidas em Portugal em 2019

18-02-2020 (15h52)

Os Estados Unidos foram o mercado emissor com maior aumento de dormidas no alojamento turístico português em 2019, com mais 452 mil que em 2018, o que levou inclusive a que ultrapassasse os Países Baixos no ranking dos maiores emissores para Portugal.

Noticias mais lidas