Hotelaria portuguesa ultrapassa pela primeira vez a marca dos 3.000 milhões de euros de receitas

15-12-2017 (18h33)

Ribeira
Ribeira

Com +8,6% de hóspedes e +7,4% de receita por hóspede

O alojamento turístico português superou já pela primeira vez os 3.000 milhões de euros de receitas, com 3,05 milhões no fim de Outubro que, por sua vez, já ultrapassa o total do ano de 2016, que era o melhor ano de sempre, por 145,28 milhões.

O aumento em relação ao período homólogo de 2016, por sua vez, é em 16,6%, com aumentos de 8,6% em número de hóspedes e de 7,4% de receita média por hóspede alojados.

Os dados publicados hoje pelo INE indicam que o alojamento turístico português, incluindo hotéis, hotéis - apartamentos, pousadas, apartamentos turísticos, aldeamentos turísticos e “outros alojamentos, alojou de Janeiro a Outubro 18,22 milhões de clientes, +8,6% ou mais 1,44 milhões que nos primeiros dez meses de 2016, e facturou em média 167,52 euros por cada um, com um aumento em 7,4% ou 11,5 euros por cliente.

Os mesmos dados indicam que o crescimento em número de dormidas foi ligeiramente mais moderado, em 7,1%, por descida da estada média, mas a receita média por dormida subiu mais fortemente em 8,9%, para 59,13 euros.

A informação sobre os proveitos mostra que o aumento homólogo no fim de Outubro em 435,1 milhões de euros (+16,6%) foi impulsionado sobretudo pelos chamados “proveitos de aposento”, que reflectem principalmente a chamada tarifa média diária, com um aumento em 18,2% ou 346,1 milhões de euros, para 2.249,8 milhões de euros, enquanto os outros proveitos, que dizem respeito a outros serviços como alimentação e bebidas, comunicações, wellness, lavandaria, etc., subiram 12,5% ou 89 milhões de euros, para 802,9 milhões.

Este aumento mais forte deve-se à subida mais acentuada da receita média por dormidas, que se aproxima do que é o preço médio, que se situa em 10,3%, para 43,58 euros.

As regiões das duas maiores cidades portuguesas foram as que tiveram os maiores aumentos da receita média por dormida, com +14,3% na Área Metropolitana de Lisboa, para 57,10 euros, e +12,5% no Porto e Norte de Portugal, para 44,17 euros.

Adicionalmente, Lisboa e Porto e Norte foram as únicas regiões a apresentarem proveitos de aposento por dormida acima do valor médio do país (43,58 euros).

Seguiu-se o Algarve, maior região turística portuguesa em número de hóspedes e dormidas, para 40,97 euros e um aumento em 8,4%, Alentejo, com 39,61 euros e um aumento em 6,3%, Açores, com 36,10 euros e um aumento em 6%, Madeira, com 35,04 euros e um aumento em 6,6%, e Centro, com 33,44 euros e um aumento em 6,9%.

Em valor absoluto, dos 2.249,8 milhões de euros de proveitos de aposento que a hotelaria portuguesa realizou até ao fim de Outubro, 733 milhões ficaram nos estabelecimentos do Algarve, 710,9 milhões em Lisboa, 285,88 milhões no Porto e Norte, 229,98 milhões na Madeira, 168,29 milhões no Centro, 62,56 milhões no Alentejo e 59,13 milhões nos Açores.

Em aumento relativo, Lisboa liderou com uma subida em 23,8%, seguindo-se os Açores com +23,2%, Centro com +22,3%, Porto e Norte com +20,6%, Alentejo com +17,5%, Algarve com +14,3% e Madeira com +8,6%.

Em valor absoluto o maior aumento foi também em Lisboa, com mais 136,6 milhões, mas depois seguiu-se o Algarve com +91,4 milhões, Porto e Norte com mais 48,8 milhões, Centro com mais 30,6 milhões, Madeira com mais 18,1 milhões, Açores com mais 11,1 milhões e Alentejo com mais 9,3 milhões.

Em proveitos totais é o Algarve que lidera, com 982,78 milhões de euros no fim de Outubro, seguido por Lisboa com 929,58 milhões, Porto e Norte com 374,8 milhões, Madeira com 355,48 milhões, Centro com 240,2 milhões, Alentejo com 89,09 milhões e Açores com 80,77 milhões.

O aumento dos proveitos totais do sector em 435,08 milhões de euros no fim de Outubro compreende 167,56 milhões em Lisboa (+22%), 115,08 milhões no Algarve (+13,3%), 58,56 milhões no Porto e Norte (+18,5%), 39,48 milhões no Centro (+18,5%), 25,37 milhões na Madeira (+7,7%), 15,76 milhões nos Açores (+24,3%) e 13,2 milhões no Alentejo (+17,5%).

 

Ver também:

Hotelaria portuguesa ultrapassou os 50 milhões de dormidas um mês mais cedo que em 2016

EUA compensaram quebra de dormidas de britânicos na hotelaria portuguesa em Outubro

 

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Convento do Carmo em Moura e Quartel do Carmo na Horta vão ser hotéis de 5-estrelas

19-09-2019 (16h33)

Os contratos de concessão do Convento do Carmo, em Moura, e do Quartel do Carmo, na Horta, foram assinados hoje e prevêem conversão dos imóveis em hotéis de 5-estrelas, com um investimento de cerca de 14 milhões de euros.

Receitas dos hotéis em Macau subiram 14,5% em 2018

19-09-2019 (16h06)

As receitas dos hotéis em Macau atingiram 37,29 mil milhões de patacas (4,2 mil milhões de euros) em 2018, mais 14,5% que no ano anterior, anunciou hoje a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos de Macau.

Porto lidera aumento de dormidas na hotelaria em Julho

16-09-2019 (16h32)

O Porto foi o município com o maior aumento de dormidas em Julho, com mais 49,7 mil pernoitas que no mês homólogo de 2018 (+12,2%), mas sem pôr em causa a liderança do município de Lisboa em número de dormidas, com 1,326 milhões, que significaram 16,3% do total do país.

Quebra generalizada da estada média ‘come’ aumento de turistas alojados na hotelaria portuguesa

16-09-2019 (15h31)

O tempo médio de permanência de turistas em alojamentos turísticos portugueses caiu de forma generalizada no mês de Julho, pelo que, levando a que apesar se ter registado um aumento em 5,4% do número de hóspedes, em número de dormidas essa maior afluência de clientes traduziu-se num aumento de apenas 2,2%.

Mês de férias no Brasil ‘dá’ mais 51,7 mil dormidas ao alojamento turístico português

16-09-2019 (14h19)

Apesar das quebras de dormidas de nove dos 16 maiores emissores internacionais, a hotelaria portuguesa acabou Julho com mais 111,6 mil dormidas de turistas residentes no estrangeiros, graças nomeadamente ao aumento de 51,7 mil dormidas de residentes no Brasil, onde o mês de Julho é um dos mais fortes em turismo e viagens.

Noticias mais lidas