Receitas do Grupo Pestana sobem para 450 milhões de euros este ano

11-12-2019 (18h57)

Foto: Pestana Hotel Group
Foto: Pestana Hotel Group

O Pestana Hotel Group vai fechar este ano com um volume de negócios consolidado de 450 milhões de euros, mais 16 milhões que no ano anterior, disse hoje o CEO do grupo, José Theotónio.

Em conferência de imprensa em Lisboa, o executivo lembrou que este resultado da receita, a que corresponde um aumento de cerca de 3,7%, "superou o melhor ano de sempre que se tinha atingido em 2018".

Já o EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) atingiu os 186 milhões de euros - tendo em conta as novas normas contabilísticas internacionais (IFR16) -, um crescimento face ao ano anterior quando registou 166 milhões de euros, isto se tivessem sido aplicadas já as novas normas para que se possa comparar.

Com a norma contabilística aplicada anteriormente, o EBITDA fixou-se nos 151 milhões de euros em 2018 e iria chegar aos 170 milhões este ano.

Hoje, o grupo anunciou também que vai abrir 10 novos hotéis no próximo ano, incluindos num plano de investimentos até 2025 de 250 milhões de euros. Serão seis novas unidades em Portugal, três hotéis da marca CR7 no estrangeiro e um terceiro hotel Pestana em Marrocos (clique para ler: Grupo Pestana anuncia novos hotéis em Tânger, Manchester e Lisboa).

Sobre as perspectivas de resultados para este ano, tanto José Theotónio, como o Chief Development Officer do Pestana Hotel Group, José Roquette, mostraram-se optimistas, contando com a "dinâmica operacional" e o "maior contributo da área internacional".

"Estamos optimistas na perspectiva de que seremos mais internacionais. As unidades que inaugurámos recentemente, e que nos últimos anos só levaram investimento, vão poder finalmente começar a contribuir" para o volume de negócios do grupo, disse José Roquette.

"Para 2020 a nossa esperança é que a parte internacional ganhe peso", reforçou o CEO.

Segundo José Theotónio, o peso no EBITDA da parte internacional deverá passar de 20% para cerca de 25% este ano.

Em 2019, de acordo com o CEO, a Europa registou um “resultado muito positivo”, enquanto no Brasil “o grupo começou a ver resultados e há esperança que se mantenha”.

O mesmo "muito bom resultado" teve a operação em São Tomé, mas o CEO admite alguma preocupação, tendo em conta a dependência que este mercado tem do mercado português.

No início da apresentação hoje, e aquando do anúncio dos novos investimentos, José Roquette afirmou que "Portugal é o palco mais rentável do investimento" do grupo.

José Theotónio destacou ainda a recente emissão obrigacionista 'verde' que o grupo lançou, "a primeira do género no sector do turismo", que obteve "um grande sucesso", tendo passado dos 50 milhões de euros iniciais para os 60 milhões de euros, "dada a muita procura que gerou".

Esta emissão recente de obrigações tem maturidade a seis anos e taxa fixa de 2,5%.

Questionado se o grupo prevê uma nova emissão de obrigações no próximo ano, o CEO explicou que esta última teve como objetivo "amortizar uma que se vence em fevereiro" do próximo ano, que também tinha prazo de seis anos e que "para já não se prevê outra em 2020".

"Esta [última] emissão foi antecipada" dadas "as excelentes condições" e "tudo irá depender da evolução dos mercados, já que esta é uma boa forma de financiamento, mas para já não está prevista nenhuma para 2020", afirmou.

(PressTUR com Agência Lusa)

Ver também:

Pestana prevê reabrir hotel em Salvador no final do próximo ano

Grupo Pestana anuncia novos hotéis em Tânger, Manchester e Lisboa

 

Clique para ver mais: Pestana Hotel Group

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vila Galé chega aos Açores em 2021

20-01-2020 (20h37)

O Grupo Vila Galé vai estrear-se nos Açores em 2021, com a abertura de um hotel com 100 quartos em Ponta Delgada, São Miguel, anunciou esta segunda-feira o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida.

Vila Galé fechou 2019 com mais três milhões de euros de receitas em Portugal

20-01-2020 (19h51)

As receitas do grupo Vila Galé em Portugal, onde tem 25 hotéis, ascenderam a 115 milhões de euros em 2019, um aumento de cerca de 2,7% ou três milhões face ao ano anterior, disse o administrador do grupo, Gonçalo Rebelo de Almeida.

China supera Bélgica entre os principais mercados para o grupo Vila Galé

20-01-2020 (19h50)

O grupo Vila Galé notou no ano passado "alguma desaceleração dos mercados europeus tradicionais para Portugal", compensada pela subida de alguns mercados asiáticos, como a China, que superou a Bélgica entre os principais emissores, disse o administrador do grupo, Gonçalo Rebelo de Almeida.

Mudança nos mercados de origem pode explicar quebra da estada média nos hotéis Vila Galé

20-01-2020 (19h38)

A quebra da estada média nos hotéis Vila Galé em Portugal pode estar associada às mudanças nos mercados de origem, numa altura em que cresce o número de hóspedes de países longínquos, que tendem a ficar menos noites, e baixam alguns dos principais emissores europeus.

Receitas da Vila Galé no Brasil sobem 18% em 2019

20-01-2020 (19h37)

Os nove hotéis do grupo Vila Galé no Brasil facturaram 371 milhões de reais no ano passado, cerca de 80,3 milhões de euros ao câmbio de hoje, mais 18% que no ano anterior, revelou o administrador do grupo, Gonçalo Rebelo de Almeida.

Noticias mais lidas