Vila Galé estuda concurso para hotel no CCB e mantém 'olho' no Quartel da Graça

09-01-2019 (18h31)

O administrador da Vila Galé Gonçalo Rebelo de Almeida anunciou hoje que o grupo vai analisar o concurso para um hotel do CCB, cuja eventual manifestação de interesse deverá ser apresentada em Fevereiro, e para o Quartel da Graça.

"Vamos olhar para o concurso do CCB [Centro Cultural de Belém]. Vamos estudar, mas também vamos analisar o Quartel da Graça [em Lisboa]", disse o executivo num encontro com jornalistas, em Paço de Arcos, que admitiu que falar nestes projectos "ainda é prematuro", pois o seu interesse depende de vários factores.

Segundo Gonçalo Rebelo de Almeida, estes factores são essencialmente três. "O investimento [no CCB] é considerável e o valor mínimo de renda a pagar muito elevado, um terço do projecto é para a área de escritórios e serviços, o que também nos obriga a ir em parceria, e o terceiro factor que vai pesar é o timing em que se vai processar", explicou.

E exemplificou: "E se for na mesma altura o Quartel da Graça e o CCB? Seria um ou outro", afirmou, reconhecendo que o segundo, um projecto no âmbito do Programa Revive, seria prioritário.

Em 28 de Novembro, o presidente da Fundação Centro Cultural de Belém (FCCB), Elísio Summavielle, disse que o hotel e o espaço comercial do projecto original do CCB, em Lisboa, vão custar entre 60 e 70 milhões de euros, e o promotor irá pagar, no mínimo, uma ‘renda' anual de 900 mil euros.

Na altura, o responsável adiantou que seria lançado um procedimento público internacional para "subcessão do direito de superfície dos terrenos" onde serão construídos os módulos 04 e 05 do projecto, correspondentes ao hotel e ao espaço comercial.

Os terrenos em causa pertencem ao Estado e foram cedidos à FCCB, que, por sua vez, vai ‘alugá-los' por um período de 50 anos.

O hotel, que será de quatro estrelas ou superior, e uma galeria comercial, com construção adiada desde há 25 anos, são da autoria dos arquitectos Vittorio Gregotti e Manuel Salgado (actual vereador do Urbanismo em Lisboa) e foram desenhados em 1989.

Desde o final de Novembro que os interessados podem apresentar as propostas no concurso internacional.

Elísio Summavielle avançou ainda ter conhecimento de interessados "quer nacionais quer internacionais", e disse que, desde que assumiu a presidência e revelou ser seu desejo terminar o projecto inicial do CCB durante o seu mandato, foi questionado por várias vezes sobre quando abriria o concurso.

"[Trata-se] de um contributo muito importante nesta altura da vida da Fundação. Tudo o que venha a mais é ganho e 900 mil euros/ano é um valor mínimo. É a partir desse valor que começamos a falar com os concorrentes, a fasquia ira subir certamente", explicou o responsável aos jornalistas.

Durante o período inicial, e segundo consta do caderno de encargos da obra, o promotor, ou promotores, vão pagar "uma renda de 300 mil euros", valor esse que aumentará para um mínimo de 900 mil euros ano "a partir do momento da exploração plena".

Para Elísio Summavielle, a "Cidade Aberta" será "uma pequena cidade que terá plena sustentabilidade sem que isso obrigue a onerar mais os contribuintes", reconhecendo que tal facto já aconteceu no passado o que "trouxe bastantes dissabores".

Apesar de considerar que a obra estará concluída dentro de três anos e meio, o presidente da FCCB alertou para a eventualidade de aparecerem constrangimentos que possam decorrer durante a obra, nomeadamente aquando da construção do parqueamento subterrâneo.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Para ler mais clique:

Subida das vendas directas impulsiona aumento do preço médio dos hotéis Vila Galé em Portugal - administrador

Receitas dos hotéis Vila Galé em Portugal sobem 6,2% por aumento do preço médio - administrador

 

Clique para mais notícias: Vila Galé

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hotelaria espanhola penalizada por queda da estada média da maioria dos emissores

24-01-2020 (17h44)

A hotelaria espanhola alojou em 2019 mais 1,77 milhões de turistas residentes no estrangeiro, mas teve apenas mais 151,7 mil dormidas desses mercados, pela queda da estada média em 3,1%, concluiu o PressTUR dos dados publicados pelo INE espanhol.

Dormidas de portugueses na hotelaria espanhola aumentaram 8,1% em 2019 e atingiram 4,32 milhões

24-01-2020 (16h06)

Os hotéis espanhóis tiveram alojados em 2019 um total de 1,64 milhões de turistas residentes em Portugal, que fizeram 4,32 milhões de dormidas, de acordo com os dados do INE espanhol que indicam subidas em 8,6% do número de hóspedes portugueses e de 8,1% das suas pernoitas.

Barceló Santiago reabre hoje após processo de remodelação

24-01-2020 (14h33)

O Barceló Santiago, unidade 4-estrelas superior, foi reinaugurado hoje, 24 de Janeiro, depois de um processo de remodelação, avaliado em 10 milhões de euros, que durou cerca de dois anos.

Portugal cresce nas vendas da Meliá num ano “extremamente complicado”, Gabriel Escarrer

23-01-2020 (10h45)

Portugal foi um dos mercados que cresceu nas contas da rede hoteleira espanhola Meliá em 2019, um ano “extremamente complicado” por diversos factores, afirmou Gabriel Escarrer Jaume, vice-presidente executivo.

Portugal é “um mercado muito importante” onde a Globalia quer crescer — Javier Hidalgo, CEO

22-01-2020 (14h32)

A Globalia, dona da Air Europa e dos hotéis Be Live, entre outras empresas de turismo, como o operador Travelplan, presente em Portugal, vê o país como um mercado "muito importante" onde ambiciona crescer em várias áreas de negócio, disse ao PressTUR Javier Hidalgo, CEO do grupo.

Noticias mais lidas