Feira de Turismo de Macau vai ter mais espaço para produtos lusófonos

09-04-2019 (13h23)

A 7ª edição da Feira Internacional da Indústria do Turismo de Macau (MITE), que se realiza de 26 a 28 de Abril, vai ter mais espaço para apresentação de produtos lusófonos do que na edição anterior, foi hoje anunciado.

No ano do 20º aniversário da criação da região administrativa especial chinesa, depois da transferência da administração de Portugal para a China, a Expo de Turismo regressa em 2019 com "um objectivo maior", sublinhou a diretora dos Serviços de Turismo, Maria Helena de Senna Fernandes.

Neste sentido, a área de exposição foi ampliada para o dobro, de 11 mil para 22 mil metros quadrados, e o número de expositores aumentou de 550 para 800, num orçamento global de 23 milhões de patacas (2,4 milhões de euros), indicou a responsável em conferência de imprensa.

Além de um pavilhão dedicado inteiramente às comemorações dos 20 anos, Senna Fernandes justificou a ampliação do espaço com a mostra alargada de produtos lusófonos, no mesmo ano em que se celebra, em paralelo, o 40º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre a China e Portugal.

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que elegeu Macau como destino preferido da associação para 2019, vai marcar presença no certame, que arranca no dia 26 deste mês, mas só abre ao público entre os dias 27 e 28, no hotel-casino Venetian, na faixa de casinos do Cotai, entre as ilhas da Taipa e de Coloane.

Está confirmada a participação de cerca de 430 empresas e entidades e de 450 compradores profissionais, provenientes de mais de 50 países e regiões.

Entre outros destaques desta edição, Senna Fernandes salientou uma parceria com a National Geographic, através de uma sessão intitulada "Como Macau lidera a mudança para uma indústria mais sustentável e criativa na Ásia", além de um dia exclusivo para bolsas de contacto.

Ao mesmo tempo, vai estar em foco a promoção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau como itinerário multi-destino.

Pequim apresentou em Fevereiro passado as linhas gerais deste projecto de criação de uma metrópole mundial que engloba as regiões administrativas especiais chinesas de Hong Kong e de Macau, e nove cidades [Cantão, Dongguan, Foshan, Huizhou, Jiangmen, Shenzhen, Zhaoqing, Zhongshan e Zhuhai] da província de Guangdong, no Sul da China.

Esta zona, com cerca de 70 milhões de habitantes, regista um Produto Interno Bruto que ronda os 1,3 biliões de dólares, maior que o PIB da Austrália, Indonésia e México, países que integram o G20.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Macau

Clique para ver mais: MITE

Clique para ver mais: Feiras&Eventos

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Embraer apresenta novo avião em Macau para conquistar mercado asiático

12-07-2019 (13h52)

A Embraer, líder no segmento de aeronaves para voos regionais, apresentou em Macau o novo avião “TechLion”, mais eficiente e silencioso, com o qual pretende reforçar a presença no mercado asiático.

Aeroporto de Macau cresce 18% no primeiro semestre e atinge novos recordes

05-07-2019 (12h25)

O Aeroporto Internacional de Macau somou o recorde de 4,72 milhões de passageiros e 37 mil descolagens e aterragens no primeiro semestre deste ano, representando aumentos em 18% e 19%, respectivamente.

Macau passa a ter voos para Enshi

02-07-2019 (14h31)

Macau tem desde esta semana voos para Enshi, cidade sede de Enshi Tujia e Prefeitura Autónoma Miao, na província ocidental de Hubei, na República Popular da China, com a Zhejiang Loong Airlines (Loong Air).

Xi’an tem um novo hotel de luxo Ritz-Carlton

01-07-2019 (15h18)

A cidade de Xi'an, que terá voos de Lisboa a partir de 30 de Agosto, operados pela Beijing Capital Airlines, tem um novo hotel de luxo da cadeia The Ritz-Carlton, com 252 quartos e 31 suites.

Casinos de Macau voltaram a recuperar em Junho apesar da instabilidade em Hong Kong

01-07-2019 (15h00)

Os Casinos de Macau voltaram a ter aumento de receita de jogo em Macau, em 5,9%, depois de 1,8% em Maio, apesar da instabilidade em Hong Kong, com manifestações de rua gigantescas contra nova legislação que admite extradição para a China, e da crise das tarifas entre a China e os Estados Unidos.

Noticias mais lidas