Brexit para o turismo português afinal vem da Alemanha

18-07-2019 (15h21)

O mercado que mais está a penalizar o turismo português nestes primeiros cinco meses de 2019 é a Alemanha, e não o Reino Unido, como se esperava devido ao Brexit, mostram os dados do Banco de Portugal e do INE.

A informação do banco central divulgada ontem indica que os gastos de turistas alemães em Portugal baixaram 23,42 milhões de euros nos primeiros cinco meses deste ano, o que é a maior quebra do período em valor, embora seja pouco expressiva em percentagem, situando-se em 3,5%.

A Alemanha manteve-se, portanto, o 4º maior emissor para Portugal em receitas turísticas, com 637,36 milhões de euros de Janeiro a Maio, inclusive.

A evolução em baixa dos gastos em Portugal de turistas residentes na Alemanha acompanha a tendência que emerge dos dados do INE sobre dormidas no alojamento turístico português, em que a Alemanha é o mercado com a maior quebra, com menos quase 172 mil pernoitas (-7,3%, para 2,188 milhões), mantendo-se ainda assim o segundo maior emissor em número de dormidas.

Já o Reino Unido, apesar das incertezas relativas ao Brexit, conta cada vez mais para o turismo português, sobretudo em receitas turísticas.

Os turistas residentes no Reino Unido, que se suspeitavam fossem ‘um problema’ este ano para o turismo português pelas incertezas quanto ao que será o Brexit, afinal de contas até estão com aumentos de gastos em Portugal acima do aumento médio dos mercados internacionais e reforçam a liderança, nomeadamente na comparação com franceses e alemães.

Os dados publicados ontem pelo Banco de Portugal permitem calcular que os gastos de turistas britânicos em Portugal elevaram-se a 955,52 milhões de euros nos primeiros cinco meses deste ano, tendo representado 16,5% do total de gastos de turistas estrangeiros, +0,15 pontos que há um ano.

A informação permite concluir que nestes cinco meses os gastos de turistas residentes no Reino Unidos subiram 6,8% ou 61,05 milhões de euros, quando o aumento médio dos gastos de turistas estrangeiros em Portugal foi de 5,9% (mais 321,79 milhões, para 5.790,61 milhões) e se se considerarem apenas os turistas residentes em países europeus, o aumento médio ficou em apenas  3,7% (mais 160,29 milhões, para 4.550,98 milhões).

Essa evolução mais fraca do conjunto dos emissores europeus, com o que é possível avaliar dos dados divulgados pelo banco central, os quais incluem apenas dez países europeus, deve-se à queda expressiva de gastos de alemães (menos 23,4 milhões de euros), mas também a quebras por parte de turistas residentes em França (menos 3,57 milhões) e na Suíça (menos 3,44 milhões) e crescimentos inferiores à media da parte dos residentes na Holanda (+1,2%, para 234,61 milhões), Luxemburgo (+5,1%, para 75,07 milhões) e Bélgica (+5,4%, para 158,49 milhões).

Assim, Reino Unido (16,5% do total de gastos turísticos em Portugal), França (14,5%, -0,9 pontos), Espanha (13%, +0,4 pontos), e Alemanha (11%, -1,1 pontos) foram a origem de 55% das receitas turísticas portuguesas nos primeiros cinco meses deste ano, menos 1,5 pontos que no período homólogo de 2018.

Já os turistas residentes no continente americano subiram 1,5 pontos a sua participação nas receitas turísticas portuguesas, atingindo 14,5%, com os residentes nos Estados Unidos a aumentarem a sua participação em um ponto, para 6,1%, e os residentes no Brasil a subirem 0,3 pontos, para 4,9%.

 

Para ler mais clique:

Crescimento das receitas turísticas portuguesas foi o mais fraco de um mês de Maio desde 2009

Alemães e franceses penalizam evolução das receitas turísticas em Maio

 

Clique para mais notícias: Balança portuguesa das Viagens e Turismo

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aeroportos portugueses crescem no Verão ligeiramente menos que a média do grupo Vinci

14-10-2019 (15h31)

Os aeroportos portugueses geridos pela ANA cresceram no terceiro trimestre, que corresponde ao Verão, época mais forte da aviação no Hemisfério Norte, duas décimas abaixo do aumento médio de passageiros no conjunto dos aeroportos geridos pelo grupo Vinci, embora com Lisboa e Porto a terem crescimentos mais fortes.

Lisboa teve o 9º maior aumento de passageiros dos aeroportos europeus em Agosto

11-10-2019 (15h50)

O Aeroporto de Lisboa, cotado com o 3º crescimento mais forte de passageiros dos 25 maiores aeroportos europeus no mês de Agosto, com +8%, foi, de acordo com os dados publicados pelo ACI Europe, o que teve o 9º maior aumento no mês, com mais 232,5 mil.

Lisboa e Porto atingem Tops de crescimento dos aeroportos europeus no mês mais forte da aviação

11-10-2019 (15h27)

Os aeroportos de Lisboa e do Porto tiveram, respectivamente, o 4º e o 3º crescimento mais forte de passageiros dos aeroportos europeus da sua dimensão em Agosto, mês de ‘pico’ da época alta da aviação e do turismo no Hemisfério Norte.

Líder do PS promove ‘geringonça aberta’

11-10-2019 (12h08)

O secretário-geral do PS, António Costa, reconheceu ontem o fim da ‘geringonça de papel passado’, anunciando de imediato uma ‘geringonça aberta’, com todos os partidos à esquerda.

Airbus assinala entrega do 1.000º avião da família A320neo

11-10-2019 (10h59)

A Airbus entregou o 1.000º avião da família A320neo, fabricado em Hamburgo, na Alemanha, e entregue à companhia aérea indiana IndiGo, maior cliente desta família de aeronaves, com 430 encomendas.

Noticias mais lidas