CTP exige medidas mais claras para impedir fecho de empresas de turismo

25-03-2020 (14h13)

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) considera que as medidas para apoiar a economia devem ser mais claras, numa altura em que existem “empresas no limiar do encerramento e outras que já fecharam”.

As medidas “têm de ser mais claras, simplificadas, ajustadas e de rápida operacionalização, para evitar o encerramento de empresas e a destruição de milhares de empregos, sobretudo no que se refere ao turismo”, diz um comunicado da CTP.

Citado nessa nota, o presidente da Confederação sublinha que “os empresários do turismo estão a sofrer uma quebra abrupta de receitas que não lhes permite pagar, no imediato, salários, fornecedores, impostos ou créditos” e salienta que “toda a cadeia de valor do turismo está em risco”.

Francisco Calheiros considera que “as sucessivas alterações ao regime de lay-off, as linhas de crédito que ainda não chegaram às empresas, a inexistência de medidas directas de apoio às empresas em maior dificuldade e a passividade da União Europeia face a esta pandemia vão provocar danos consideráveis na economia nacional”.

A CTP avisa que ainda não foi publicada a terceira alteração desde o início da pandemia ao regime de lay-off simplificado, que diz ser na realidade “um apoio de carácter extraordinário, temporário e transitório, tendo em vista a manutenção dos postos de trabalho e mitigar situações de crise empresarial”.

A Confederação “aguarda que seja clarificado em concreto qual a medida que o Governo quis implementar: se um apoio financeiro para a manutenção de postos de trabalho e/ou uma simplificação do que vulgarmente se entende por regime do lay-off”.

Francisco Calheiros considera que “nem o apoio extraordinário para a manutenção de postos de trabalho está operacional, excepção feita à linha de apoio às microempresas por parte do Turismo de Portugal, nem sequer se sabe o que vai suceder sobre a pretensa simplificação do lay-off”.

O presidente da Confederação avisa que “faltam definir os regimes, o que se pretende com cada um deles, se ambos se vão manter em simultâneo, ou se o Governo irá preparar uma medida que englobe estas duas perspectivas”.  

A posição da CTP é que “o Governo deve eliminar os critérios restritivos e pouco perceptíveis da já citada portaria, simplificando os processos administrativos, e apela a que as medidas de apoio aos empresários não venham a introduzir demasiadas dúvidas de cariz jurídico e que tragam a necessária clareza legal, sem carga burocrática excessiva”.

Sobre os apoios financeiros, a Confederação diz que “ainda não chegaram às empresas, nem mesmo o pacote de 200 milhões anunciado no dia 9 de Março”.

“Os processos de concessão de crédito são morosos e burocráticos, as taxas de spread são demasiado altas e as linhas de crédito necessitam de reforço em vários sectores”, diz o comunicado, preconizando que “o Governo deveria considerar a possibilidade de criar pacotes de apoio em subsídios directos, à semelhança do que está a acontecer em alguns países europeus”.

A CTP considera ainda “urgente” a intervenção da União Europeia, designadamente para “criar instrumentos europeus que assumam as despesas nacionais através de financiamento direto do BCE e outros mecanismos”.

Francisco Calheiros sublinha que “a flexibilização do Pacto de Estabilidade e Crescimento não é suficiente neste quadro económico, em que as empresas estão paralisadas e os postos de trabalho em risco”.

O presidente da CTP considera necessários “auxílios financeiros directos para as empresas e não apenas mecanismos de endividamento”, bem como “realocação de verbas do orçamento da UE para apoio aos estados-membros, para a dinamização da atividade económica e apoios às micro, pequenas e médias empresas”.

No dia 18 de Março, a CTP avançou num comunicado que considerava “adequadas” as medidas anunciadas pelo Governo, pedindo que fossem operacionalizadas “com a maior brevidade”.

 

Clique para ver mais: CTP

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Lay-off na TAP abrange 90% dos trabalhadores

31-03-2020 (19h36)

A TAP vai avançar esta quinta-feira, dia 2, com um processo de lay-off para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os restantes colaboradores, informou hoje a companhia aérea numa mensagem aos funcionários.

Pavilhão Rosa Mota no Porto transformado em hospital com capacidade para 300 doentes

31-03-2020 (15h19)

O Pavilhão Rosa Mota, no Porto, entrará, na próxima semana, em funcionamento como hospital com 300 camas vocacionado para acolher doentes com poucos sintomas mais ligeiros de covid-19 ou até assintomáticos sem “rectaguarda familiar”, anunciou hoje a Câmara.

Técnicos são unânimes a defender manutenção da medidas de contenção – Presidente da República

31-03-2020 (15h09)

O Presidente da República afirmou hoje que se impõe manter as medidas de contenção que vigoram em Portugal, referindo que essa foi uma opinião unânime na segunda reunião técnica sobre a situação da covid-19 no país.

Lufthansa programa voo diário para Lisboa pelo menos até 19 de Abril

31-03-2020 (15h01)

A companhia de aviação alemã Lufthansa prevê manter voo diário de Frankfurt para Lisboa pelo menos até 19 de Abril, tendo 1.260 lugares em cada sentido, apesar da forte redução em consequência do impacto da pandemia de coronavírus.

TAP só vai voar em Embraer E190 até 4 de Maio

31-03-2020 (14h55)

A operação reduzida que a TAP tem programada até 4 de Maio vai ser toda realizada em Embraer E190 de 106 lugares, o que significa que terá um total de 1.060 lugares por semana em voos de/para Lisboa.

Noticias mais lidas