Governo abre hoje candidaturas a empréstimo obrigacionista para empresas do turismo

17-06-2019 (13h48)

O Governo abre hoje as candidaturas a um empréstimo obrigacionista para empresas do turismo, perspectivando que esta “emissão agrupada” a sete anos atinja, pelo menos, 100 milhões de euros, com financiamento máximo de 15 milhões de euros por empresa.

“As candidaturas a esta emissão agrupada de obrigações por um conjunto de empresas do turismo estarão abertas a partir de hoje, 17 de Junho, e até 15 de Julho, perspectivando-se que a emissão atinja um montante total mínimo de 100 milhões de euros. O prazo desta emissão será de sete anos, havendo um financiamento máximo de 15 milhões de euros por empresa”, informou o Ministério da Economia em comunicado.

O empréstimo obrigacionista destina-se, nomeadamente, a pequenas e médias empresas (PME) e midcaps (empresas até 3.000 trabalhadores) do sector do turismo.

Segundo o Ministério da Economia, esta é a primeira vez que é lançado um empréstimo obrigacionista “acessível a um conjunto alargado de PME em Portugal, que será colocado junto de investidores institucionais, nacionais e internacionais”.

Citado no documento, o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, realçou que “este é mais um instrumento [...] ao dispor da economia, que se soma aos mais de [4 mil milhões] de euros disponibilizados às empresas ao longo desta legislatura”.

“É também o reflexo da melhor articulação entre as diferentes instituições financeiras do Ministério da Economia, que está na origem da criação do conselho de coordenação das instituições de financiamento à economia, na semana passada. O nosso principal objectivo é apoiar as empresas na diversificação das suas fontes de financiamento, e com esta primeira emissão no sector do turismo procuramos testar o mercado e avaliar a possibilidade de alargamento outros sectores", acrescentou.

Após a fase de candidaturaa, será feita uma selecção das empresas, que “terão de cumprir um conjunto de rácios económicos e financeiros”.

O empréstimo vai contar com uma garantia pública, através do Fundo de Contragarantia Mútuo, que vai cobrir o risco de cerca de 30% da operação.

“A operação será dinamizada pela Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua e pelo Turismo de Portugal, e será avaliada por uma agência de rating internacional”, especifica o comunicado.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros baixam 0,8% até Maio

18-07-2019 (16h58)

As vendas ao estrangeiro de transporte aéreo de passageiros baixaram 0,8% nos primeiros cinco meses deste ano, significando um recuo de 12,27 milhões de euros, para 1.515,59 milhões, de acordo com dados do Banco de Portugal recolhidos pelo PressTUR.

Portugueses estão mais ‘caseiros’ nos gastos turísticos

18-07-2019 (16h03)

Os destinos europeus concentraram 82,6% dos gastos dos portugueses em viagens e turismo nos primeiros cinco meses deste ano, com um reforço de 0,9 pontos em relação ao ano passado, especialmente evidente nos três principais, Espanha, França e Reino Unido, que tiveram um aumento de participação em 1,3 pontos, atingindo 54,9% do total do período.

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro sobem 10,8% até Maio

18-07-2019 (15h36)

Os portugueses despenderam pela primeira vez mais de 2.000 milhões de euros em viagens e turismo no estrangeiro nos primeiros cinco meses do ano, de acordo com os dados publicados pelo Banco de Portugal, dos quais se conclui um aumento médio em 10,8%.

Turistas dos Estados Unidos são os que mais estão a aumentar gastos em Portugal este ano

18-07-2019 (15h23)

O Banco de Portugal contabilizou até ao fim de Maio mais 72,69 milhões de euros de gastos em Portugal de turistas residentes nos Estados Unidos que assim foram os que fizeram o maior aumento do período, à frente dos residentes em Espanha e no Reino Unido, ambos com aumentos na ordem dos 61 milhões de euros.

Brexit para o turismo português afinal vem da Alemanha

18-07-2019 (15h21)

O mercado que mais está a penalizar o turismo português nestes primeiros cinco meses de 2019 é a Alemanha, e não o Reino Unido, como se esperava devido ao Brexit, mostram os dados do Banco de Portugal e do INE.

Noticias mais lidas