“Novo Estudo de Impacte Ambiental” para o aeroporto do Montijo ainda está por entregar – APA

27-10-2018 (18h04)

A Agência Portuguesa de Ambiente (APA) informou continuar por entregar o "novo Estudo de Impacte Ambiental" do projecto do aeroporto do Montijo, três meses depois de ter encerrado, a pedido da ANA Aeroportos de Portugal, o primeiro processo de avaliação.

Em resposta a questões colocadas pela agência Lusa, a entidade tutelada pelo Ministério do Ambiente indicou que o “procedimento de Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) do projecto Aeroporto Complementar do Montijo e Respectivas Acessibilidades foi encerrado pela APA [Agência Portuguesa do Ambiente] a 25 de Julho, a pedido do proponente [ANA Aeroportos de Portugal], justificando este pedido pela necessidade de aprofundamento do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) e sua resubmissão ao Governo”.

A gestora dos aeroportos portugueses deverá “proceder à submissão de novo Estudo de Impacte Ambiental, que colmate as insuficiências anteriormente detetadas, o qual dará início a um novo procedimento de AIA”.

Este processo inclui uma consulta pública, que se inicia cinco dias depois da “emissão da decisão de conformidade do EIA, e decorre por um período de 30 dias”.

A APA avançou ainda à Lusa que a decisão sobre a conformidade avalia apenas se o EIA integra os “elementos necessários à continuidade da avaliação e não sobre a viabilidade do projecto em si”.

“Até à data [manhã de sexta-feira] ainda não deu entrada na Agência Portuguesa do Ambiente o referido Estudo de Impacte Ambiental”, concluiu fonte oficial do organismo.

Questionados pela agência Lusa sobre eventuais prazos, fontes oficiais da ANA e do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas não avançaram datas para a entrega do “aprofundamento do estudo” à APA.

Numa nota enviada à agência Lusa, a propósito de uma reportagem da SIC/Expresso, transmitida esta semana, a empresa Profico Ambiente e Ordenamento explicou estar a proceder “aos pedidos de revisão solicitados pela autoridade de AIA, a APA, relativamente ao EIA entregue em Maio de 2018, para inclusão de aspectos que, na perspectiva desta entidade, devem ser clarificados e melhorados”.

A empresa notou que qualquer projecto e EIA submetido a procedimento de AIA, “é sempre alvo de listas de pedidos adicionais de informação e potencial reformulação documental por parte da autoridade de AIA”.

“Naturalmente, os projectos de maior dimensão e visibilidade, pela diversidade de opiniões e de perspectivas que sobre o mesmo existem, são também alvo de um número muito mais vasto de solicitações, algumas das quais são questões apenas a clarificar/melhor justificar e que na realidade já se encontram refletidas no EIA realizado”, acrescentou a empresa com sede em Lisoa.

A Profico notou ainda que “outras solicitações podem dar origem a estudos complementares, dominantemente em fase subsequente (de Projecto de Execução), se a AIA for no sentido da viabilidade do projeto, ou seja, se obtida uma DIA - Declaração de Impacte Ambiental Favorável Condicionada ao projecto”.

A empresa garantiu que continua o seu trabalho técnico em “estreita coordenação com a ANA Aeroportos de Portugal e com a APA, enquanto autoridade de AIA, com espírito de abertura, transparência e diálogo, tendo em vista a revisão do EIA entregue, de modo a dar início a novo procedimento AIA”.

A associação ambientalista Zero, por sua vez, informou à Lusa que vai avançar com um processo judicial para exigir que a APA dê informação sobre o esperado aeroporto do Montijo e que haja uma Avaliação Ambiental Estratégica.

Há cerca de um mês, o primeiro ministro, António Costa, afirmou que apenas se aguarda o estudo de impacto ambiental para ser "irreversível" a solução aeroportuária Portela + Montijo, considerando haver consenso nacional sobre o projecto. O início da operação conjunta tem sido apontado para 2022.

No dia 26 de Setembro, em audição parlamentar, o presidente executivo da gestora de aeroportos, Thierry Ligonnière, disse que a Avaliação Ambiental Estratégica “está pronta” e se houver necessidade legal de a apresentar, a “ANA está em condições de o fazer”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Trabalhadores dos hotéis da Fundação INATEL estão hoje em greve

16-08-2019 (12h43)

Os trabalhadores do sector hoteleiro da Fundação INATEL estão hoje em greve para reivindicar melhorias salariais e a um horário de trabalho de 35 horas semanais.

Levantadas restrições ao abastecimento no aeroporto de Lisboa, ANA Aeroportos

16-08-2019 (12h35)

As restrições ao abastecimento de aviões no aeroporto de Lisboa, em vigor desde segunda-feira, foram hoje levantadas, disse à Lusa fonte oficial da ANA – Aeroportos de Portugal.

Grupo SATA transportou mais 8% de passageiros no primeiro semestre

16-08-2019 (11h59)

As companhias aéreas SATA Air Açores e Azores Airlines transportaram 705,7 mil passageiros no primeiro semestre, mais 8% ou mais 52,5 mil que no período homólogo do ano passado, anunciou o Grupo SATA.

Lauak vai produzir em Grândola peças para aviões A320

16-08-2019 (11h39)

A Lauak vai implementar uma unidade de produção de preças para aviões A320 em Grândola, com um investimento de 33 milhões de euros com apoio de fundos comunitários.

Trabalhadores da Grounforce realizam concentração para exigir estacionamento

16-08-2019 (11h24)

Os trabalhadores da Groundforce, reunidos na quinta-feira em plenário, aprovaram a realização de uma concentração no Ministério das Infraestruturas, com data a definir, para entrega de um abaixo-assinado a exigir estacionamento nas zonas limítrofes aos aeroportos e devolução das multas.

Noticias mais lidas