Portugal somou mais de 45 mil registos de alojamento local desde 2015 - SET

26-06-2018 (16h42)

A secretária de Estado do Turismo (SET), Ana Mendes Godinho, avançou hoje no parlamento que existem actualmente 68.310 registos de alojamento local (AL), mais 45.174 que em 2015.

“Em 2015 havia 23.136 registos de alojamento local. Neste momento há 68.310. O AL foi regulamentado em 2008 para dar resposta a uma realidade que existia, às camas paralelas. Um fenómeno que existia essencialmente no Algarve, onde havia mais consciência de que existia esta economia informal que estava à margem da lei”, explicou Ana Mendes Godinho.

A secretária de Estado do Turismo, que falava durante uma audição no grupo de trabalho da temática do alojamento local, referiu que o aumento se deve a uma legislação com “regras simples, de requisitos simples, mas também regras de simples licenciamento" que entraram na economia formal e promoveram uma distribuição "mais justa do esforço fiscal, que todos pagassem, e que promovesse a concorrência real”.

Segundo a governante, Portugal foi o primeiro país europeu a criar legislação sobre esta realidade, sendo visto como “um exemplo europeu”.

“Inicialmente foi criada [legislação] com muita resistência, porque não se sabia bem qual seria o seu resultado prático. Mas a evolução do número de registos dá conta do sucesso que se intensificou, claramente, nos últimos três anos, graças à intervenção legislativa”, sublinhou.

Como resultado prático, e de acordo com Ana Mendes Godinho, houve “um aumento da contribuição e esforço fiscal, tendo duplicado a receita entre 2015 e 2016”, esclarecendo que ainda não há dados de 2017.

A secretária de Estado do Turismo lembrou também que o alojamento local surgiu com capacidade de resposta em regiões onde esta não existia, dando como exemplo a cidade de Reguengos de Monsaraz, onde há dez anos não existia oferta e atualmente tem 73 unidades.

“O alojamento local criou novas dinâmicas em territórios que não estavam preparados para grandes hotéis e permitiu que a actividade turística se alargue durante todo o ano”, explicou.

Em relação a números, Ana Mendes Godinho lembrou que a maior fatia de alojamento local, 73%, está fora de Lisboa e Porto, com 35% da fatia a pertencer ao Algarve, 15% ao Norte e 12% no Centro do país, onde tem havido crescimento.

Em relação aos ‘hostels’, a secretária de Estado do Turismo reconheceu a necessidade de “definir mais regras em função da sua capacidade e de utilização”, com regras diferentes para o alojamento coletivo, de forma a responder também a requisitos diferentes de segurança e de utilização, salvaguardando o que estava previsto na licença de habitação.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Ver também:

Alojamento local serviu para reabilitar e não para expulsar – Ana Mendes Godinho

 

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Trabalhadores dos hotéis da Fundação INATEL estão hoje em greve

16-08-2019 (12h43)

Os trabalhadores do sector hoteleiro da Fundação INATEL estão hoje em greve para reivindicar melhorias salariais e a um horário de trabalho de 35 horas semanais.

Levantadas restrições ao abastecimento no aeroporto de Lisboa, ANA Aeroportos

16-08-2019 (12h35)

As restrições ao abastecimento de aviões no aeroporto de Lisboa, em vigor desde segunda-feira, foram hoje levantadas, disse à Lusa fonte oficial da ANA – Aeroportos de Portugal.

Grupo SATA transportou mais 8% de passageiros no primeiro semestre

16-08-2019 (11h59)

As companhias aéreas SATA Air Açores e Azores Airlines transportaram 705,7 mil passageiros no primeiro semestre, mais 8% ou mais 52,5 mil que no período homólogo do ano passado, anunciou o Grupo SATA.

Lauak vai produzir em Grândola peças para aviões A320

16-08-2019 (11h39)

A Lauak vai implementar uma unidade de produção de preças para aviões A320 em Grândola, com um investimento de 33 milhões de euros com apoio de fundos comunitários.

Trabalhadores da Grounforce realizam concentração para exigir estacionamento

16-08-2019 (11h24)

Os trabalhadores da Groundforce, reunidos na quinta-feira em plenário, aprovaram a realização de uma concentração no Ministério das Infraestruturas, com data a definir, para entrega de um abaixo-assinado a exigir estacionamento nas zonas limítrofes aos aeroportos e devolução das multas.

Noticias mais lidas