RevPAR dos hotéis de Lisboa caiu forte em Julho, mas ainda foi a 2ª melhor de sempre do mês

05-09-2019 (15h49)

Os melhores hotéis da cidade de Lisboa tiveram este Julho quedas da receita média de quartos por quarto disponível (RevPAR) entre 7,5% e 8,2%, de acordo com dados do Observatório da Associação de Turismo de Lisboa, que mostram que, porém, ainda atingiram valores que são os segundos melhores de sempre para um mês de Julho desde pelo menos 2007.

Os dados do Observatório indicam quedas da RevPAR de 7,5% ou 11,09 euros nos 5-estrelas, de 8,2% ou 7,43 euros nos 4-estrelas e de 7,7% ou 6,31 euros nos 3-estrelas.

No entanto, com 136 euros de receita de quartos por quarto disponível em Julho deste ano, os 5-estrelas só ficaram aquém dos 147,09 euros de Julho de 2018 e mantiveram-se bem acima dos 124,78 euros de 2017 e ainda mais dos 108,82 euros de 2016.

Situação similar verificou-se com os 4-estrelas, cuja RevPAR de 82,92 euros este Julho é apenas inferior aos 90,35 de Julho de 2018, mas fica bem acima dos 77,02 euros de Julho de 2017 e mais ainda dos 65,22 de 2016, e com os 3-estrelas, cuja RevPAR de 75,25 euros este Julho é apenas inferior aos 81,56 de Julho de 2018, mas é bastante superior aos 65,54 euros de 2017 e mais ainda que os 57,29 de 2016.

O que está subjacente é que Julho de 2018 foi o melhor Julho de sempre, com recordes de RevPAR e de preço, que suplantaram o impacto de quedas da taxa de ocupação.

E foi isso que não aconteceu este ano, em que se repetiram quedas de ocupação nos 4-estrelas, que é a categoria com mais de metade dos quartos da cidade de Lisboa, mas desta feita ainda com quedas mais fortes nos preços, de 8,3% ou 7,58 euros nos 3-estrelas, para 83,82 euros, de 5,4% ou 5,45 euros nos 4-estrelas, para 96,3 euros, e de 8,6% ou 16,81 euros nos 5-estrelas, para 178,18 euros.

O que este quadro indicia é que o mercado hoteleiro de Lisboa já terá atingido o ‘tecto’ de preços sem sacrificar demais a ocupação e os hoteleiros já terão começado a ceder nos preços para evitarem quedas de ocupação mais fortes.

Ainda assim, os dados Observatório têm que ser analisados com várias interrogações, desde logo por que as variações são relativamente a um mês recorde, mas também por que não puseram em causa a tendência do ano, com os hotéis e de 4 e 5-estrelas a apresentarem os melhores preços médios dos primeiros sete meses desde pelo menos 2007.

Segundo o Observatório, os 5-estrelas estão com um preço médio nos primeiros sete meses deste ano de 178,1 euros, que é um recorde para este período e traduz um aumento de 1,2% ou 2,15 euros em relação aos primeiros sete meses de 2018, e os 4-estrelas estão com 97,51 euros, também recorde para o período e 4,5% ou 4,2 euros acima do período homólogo de 2018.

E não só a tendência prevalecente é ainda de subida dos preços dos quartos, apesar da queda em Julho, como é ainda suficiente para que nos primeiros sete meses do ano tanto os 5 como os 4-estrelas apresentem RevPAR recorde, de 125,23 e de 78,01 euros, respectivamente, os 5-estrelas 2,5% ou 3,05 euros acima dos primeiros sete meses e 2018 e os 4-estrelas com aumento em 1,1% ou 0,84 euros.

 

Clique para mais notícias: Observatório do Turismo de Lisboa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Antonoaldo Neves garante que TAP tem “fundações bem sólidas”

21-02-2020 (17h53)

Os resultados da TAP no segundo semestre “não foram suficientes para compensar” as quebras do primeiro, admitiu Antonoaldo Neves, CEO da transportadora, que acrescentou estar convicto, no entanto, que “as fundações estão bem sólidas para a gente continuar nessa trajectória de transformação da empresa e melhoria da sustentabilidade”.

Grupo TAP baixa prejuízos em 12,4 milhões para 105,6 milhões de euros em 2019

21-02-2020 (17h51)

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

TAP fecha o ano com prejuízos de 95,6 milhões

21-02-2020 (17h51)

A companhia portuguesa de aviação TAP perdeu mais 95,6 milhões de euros no ano passado, com um agravamento de 37,6 milhões face a 2018, segundo os resultados da empresa comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Não há possibilidade de a TAP ir para o Montijo”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (17h07)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, voltou a garantir que “não há possibilidade” da companhia aérea ir para o Montijo, apesar de considerar “importantíssimo” a sua construção.

Comissão Executiva da TAP “não comenta política de remuneração da empresa”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (16h59)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, declarou que “não comenta política de remuneração da empresa” que foi trazida para a ‘praça pública’ pelo accionista David Neeleman que o escolheu para liderar a gestão executiva da companhia.

Noticias mais lidas