Hotéis e restaurantes na Tunísia reabrem a 4 de Junho

22-05-2020 (10h55)

As autoridades tunisinas anunciaram a reabertura em 4 de Junho de todos os locais de culto, dos cafés, dos restaurantes e dos hotéis, após mais de dois meses de encerramento devido à pandemia de covid-19.

A data de reabertura poderá ser alterada se houver um novo surto epidémico, salientaram numa conferência de imprensa os ministros dos Grandes Projetos, Lobna Jeribi, do Interior, Hichem Mechichi, e dos Assuntos Religiosos, Ahmed Adhoum.

Os hotéis e restaurantes, encerrados desde 22 de Março, vão reabrir a 50% da sua capacidade, enquanto está a ser ultimado um protocolo sanitário para detalhar as medidas de prevenção nos estabelecimentos turísticos.

A abolição de todas as medidas de confinamento está prevista para 14 de Junho, acrescentaram as autoridades, repetindo ainda os apelos pelo respeito das medidas de higiene e distanciamento social e o uso de máscaras.

As deslocações entre as diversas regiões administrativas do país magrebino vão permanecer proibidas e os controlos sanitários serão reforçados este fim de semana por ocasião do Aid al-Fitr, que assinala o fim do mês do Ramadão e geralmente se caracteriza por reuniões familiares.

As escolas permanecem encerradas até Setembro e apenas os cursos com exames finais serão retomados no final de Maio, e durante um mês. As creches e infantários também reabrirão no final de Maio.

O balanço oficial indica que na Tunísia, desde o início de Março, foram registados 1.045 casos de coronavírus, com 47 mortos, com a epidemia aparentemente a recuar nos últimos dias após as rigorosas medidas adoptadas pelas autoridades desde meados de Março.

“Não perdemos tempo e aprovámos decisões difíceis, audaciosas e por vezes criativas”, congratulou-se na noite de quarta-feira o primeiro-ministro Elyes Fakhfakh num discurso transmitido pela televisão.

Esta crise “expôs os problemas profundos” que já se conheciam mas, que segundo o chefe do Governo, “não há o direito de ignorar”, enumerando “a pobreza, a fragilidade da economia e a saturação das estruturas públicas a começar pelos serviços de saúde”.

O Governo de Tunes prepara actualmente uma revisão do orçamento 2020 e um programa de “reactivação da economia” que deve ser apresentado ao parlamento no final de Junho, que prevê designadamente a redução da burocracia, a informatização da administração, a preservação de empregos e a luta contra a corrupção, acrescentou Elyes Fakhfakh.

 

Clique para ver mais: Tunísia

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Sonhando já vende férias de Verão em Cuba, Tunísia, Porto Santo e São Tomé

22-05-2020 (16h11)

O operador turístico Sonhando anunciou hoje ao mercado a sua programação para férias de Verão em Cuba, com voos charter para Vardero e Cayo Coco, Tunísia, com voos charter de Lisboa e do Porto, ilha de Porto Santo e São Tomé e Príncipe.

Oásis Atlântico divulga medidas para prevenir a propagação da covid-19 nos seus hotéis

22-05-2020 (11h22)

O grupo português Oásis Atlântico, que tem hotéis em Cabo Verde, Marrocos e Brasil, está a divulgar as medidas que implementou nos seus hotéis para prevenir a propagação da covid-19, incluindo reforço da limpeza e redução de capacidade em restaurantes e bares.

Viajar Tours anuncia ofertas para férias de Verão nas praias de Marrocos e da Tunísia

20-05-2020 (11h44)

O operador turístico Viajar Tours acaba de anunciar ao mercado as suas propostas para férias de Verão nas praias de Saïdia, em Marrocos, e Hammamet, Port El Kantaoui, Monastir, Mahdia e Djerba, na Tunísia.

Sonhando lança “oportunidade única” para voo Lisboa – Bissau na sexta-feira

19-05-2020 (15h55)

O operador turístico Sonhando lançou hoje uma promoção para um voo Lisboa – Bissau na sexta-feira, dia 19, que classifica de “oportunidade única”, com preços por pessoa desde 370 euros, mais 27,20 euros de taxas.

Ethiopian Airlines perdeu receitas na ordem dos 504 milhões de euros

08-04-2020 (18h03)

A Ethiopian Airlines, a maior transportadora aérea de África e propriedade do estado etíope, encerrou a maior parte as suas linhas comerciais desde o início da pandemia do novo coronavírus, e perdeu 504 milhões de euros em receitas.

Opinião e Análise