Bruxelas pede acordo para abertura de fronteiras a países fora da UE a 1 de Julho

12-06-2020 (12h46)

A Comissão Europeia propôs hoje o levantamento gradual das restrições de viagens para a União Europeia a partir de 1 de Julho, recomendando aos Estados-membros que acordem uma lista comum de países terceiros com a situação epidemiológica sob controlo.

Tal como já anunciara na quarta-feira o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, o executivo comunitário adoptou hoje recomendações sobre a reabertura “gradual e parcial” das fronteiras externas da União, encerradas desde meados de Março no quadro dos esforços para conter a propagação da pandemia da covid-19, sublinhando que a abolição das restrições de viagens não pode ser geral nesta fase, “dado a situação sanitária em certos países terceiros permanecer crítica”.

Embora as decisões sobre fronteiras sejam da competência dos Estados-membros, Bruxelas sublinha a necessidade de uma acção coordenada entre os 27, em virtude de, no quadro da livre circulação do espaço Schengen, a acção de um Estado-membro ter inevitavelmente reflexos nos restantes.

“Uma vez que os viajantes que entram na UE podem circular livremente de um país para outro, é crucial que os Estados-Membros coordenem as suas decisões sobre o levantamento das restrições de viagem. É por esta razão que os Estados-Membros devem acordar numa lista comum de países terceiros relativamente aos quais as restrições de viagem podem ser levantadas a partir de 1 de Julho, a rever regularmente”, aponta a Comissão.

Bruxelas indica a esse propósito que “será possível reintroduzir restrições de viagem para um país específico, se os critérios deixarem de estar preenchidos” e, além disso, “os Estados-Membros podem ainda recusar a entrada a um viajante não comunitário que represente uma ameaça para a saúde pública, mesmo vindo de um país em relação ao qual as restrições tenham sido levantadas”.

Sugerindo uma série de critérios para o estabelecimento dessa lista, a Comissão Europeia propõe desde já aos 27 que sejam levantadas as restrições de entrada no espaço comunitário à Albânia, Bósnia Herzegovina, Kosovo, Montenegro, Macedónia do Norte e Sérvia a partir de 1 de Julho “dado a sua situação epidemiológica ser semelhante ou mesmo melhor que a da UE”.

De acordo com Bruxelas, “as restrições devem ser levantadas para os países seleccionados em conjunto pelos Estados-membros, com base num conjunto de princípios e critérios objectivos, incluindo a situação sanitária, a capacidade de aplicar medidas de contenção durante viagens e considerações recíprocas, tendo em conta os dados de entidades relevantes tais como o Centro Europeu de Controlo de Doenças e a Organização Mundial da Saúde”.

Relativamente aos países para os quais as restrições continuem em vigor, a Comissão propõe alargar as categorias de viajantes autorizados a entrar, “de modo a incluir, por exemplo, os estudantes internacionais”, indica o executivo comunitário na recomendação hoje adoptada.

A Comissão está igualmente a dar orientações aos Estados-Membros para assegurar que o reinício das operações de emissão de vistos no estrangeiro seja bem coordenado com a supressão gradual das restrições de viagem.

Reiterando que todas as fronteiras internas devem estar reabertas até 1 de Julho, a comissária europeia dos Assuntos Internos, Ylva Johansson, afirmou hoje em conferência de imprensa que o passo seguinte é a eliminação gradual das restrições às viagens para a UE, “fundamentais para o turismo e os negócios, bem como para o restabelecimento da ligação entre a família e os amigos".

“Embora todos tenhamos de continuar a ser cuidadosos, chegou o momento de fazer preparativos concretos para levantar as restrições com países cuja situação sanitária é semelhante à da UE e para retomar as operações de emissão de vistos", resumiu.

A UE encerrou as suas fronteiras externas a todas as viagens “não indispensáveis” em 17 de Março passado, no quadro dos esforços para conter a propagação da covid-19.

Transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China, a covid-19 já provocou mais de 412 mil mortos e infectou quase 7,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.497 pessoas das 35.600 confirmadas como infectadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em Fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados, embora com menos mortes.

(PressTUR com Agência Lusa)

Ver também:

Bruxelas recomenda reabertura das fronteiras internas da UE na segunda-feira

 

Clique para ver mais: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hagia Sophia de Istambul aberta aos visitantes fora das horas de oração

14-07-2020 (15h44)

A antiga basílica de Hagia Sophia (Santa Sofia), convertida numa mesquita, permanecerá aberta aos visitantes fora das horas de oração muçulmana, anunciou hoje a Autoridade para os Assuntos Religiosos da Turquia.

Bélgica classifica região de Lisboa como zona de alto risco

10-07-2020 (13h49)

As autoridades belgas incluíram hoje a região de Lisboa no lote de “zonas vermelhas” consideradas de alto risco devido à covid-19, o que implica uma quarentena obrigatória para os viajantes que cheguem à Bélgica oriundos da capital portuguesa.

Notre-Dame vai ser reconstruída com base no projecto do século XIX de Viollet-le-Duc

10-07-2020 (12h59)

O Presidente francês, que planeava equipar Notre-Dame com um novo pináculo com um estilo arquitectónico contemporâneo após o incêndio, tem agora “a convicção” de que a catedral e o pináculo devem ser restaurados da mesma forma, anunciou hoje o Palácio do Eliseu.

Museu do Louvre reabre com medidas de segurança

07-07-2020 (17h06)

O Museu do Louvre reabriu, depois de cerca de três meses e meio encerrado, com uma série de medidas de segurança como o uso de máscara obrigatório, circuito de sentido único pelas exposições, e reservas para estar na companhia da Mona Lisa.

Praça do Senado em Helsínquia transfomada num "oásis culinário urbano"

07-07-2020 (13h19)

A Praça do Senado, em frente à Catedral de Helsínquia, na capital finlandesa, foi transformada num "oásis culinário urbano" com condições de segurança inspirados na herança cultural da cidade.

Opinião e Análise