Brasil não deixa de ser atractivo para o outgoing português por causa da crise, Pedro Costa Ferreira

03-10-2016 (11h59)

A participação na feira da ABAV de empresas portuguesas de incoming poderá ter-se reduzido este ano, mas as de outgoing, que vendem o destino Brasil em Portugal, marcaram presença como em anos anteriores, porque “o destino Brasil, com crise ou não, não terá ficado menos atractivo”, realçou o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, na maior feira de turismo no Brasil.

Pedro Costa Ferreira, que falava ao PressTUR na passada sexta-feira em São Paulo, fez ainda um balanço da participação da Associação na feira, onde procurou acompanhar os mais recentes desenvolvimentos no Brasil designadamente no que respeita à protecção dos consumidores por parte dos operadores turísticos.

 

PressTUR: O Brasil está em recuperação, a sair de uma crise. Como é que isso poderá ter influenciado a presença dos portugueses na feira da ABAV?

Pedro Costa Ferreira: Da APAVT não influenciou. A APAVT teve ao longo dos últimos anos uma aposta grande na relação internacional. Corresponde a uma filosofia a noção e a percepção de que já existem poucos problemas nacionais para resolver e existindo alguns problemas nacionais para resolver já existem poucos problemas nacionais que sejam resolvidos a nível nacional. Mas há toda uma interacção global onde se buscam as soluções e é por isso que a APAVT apostou decisivamente na vertente internacional.

 

PressTUR: A relação com a ABAV está inserida nessa filosofia?

Pedro Costa Ferreira: A relação com a ABAV e com o Brasil faz parte dessa vertente. Em primeiro lugar, estamos cá preservando essa relação, trabalhando nela e mantendo-a. Evidentemente que depois há agendas específicas de cada momento do relacionamento. Do ponto de vista político nós não temos nenhuma alteração importante na relação com a ABAV. As mudanças dos órgãos dirigentes não determinaram nenhuma mudança no relacionamento entre as Associações. Apenas ficámos com alguns amigos ex-presidentes e com novos presidentes que serão com certeza futuros amigos.

 

PressTUR: Quais são os planos?

Pedro Costa Ferreira: Há com certeza sempre algo a trabalhar politicamente. Vou agora, depois desta conversa, ter um contacto que espero importante com a Braztoa, porque há certos aspectos da organização dos operadores brasileiros que devemos acompanhar e debater com os operadores portugueses. No Brasil, as instituições dos operadores e das agências baseiam-se em organizações diferentes. Não é o caso português, embora exista um pensamento específico de operadores na instituição APAVT através do seu capítulo. E é essa dinâmica entre o Capítulo dos Operadores e a Braztoa que esperamos dinamizar a partir deste encontro.

 

PressTUR: Com que objectivos?

Pedro Costa Ferreira: Há sempre realidades diferentes a acompanhar, por exemplo no que concerne à protecção do consumidor. E como nós estamos num momento absolutamente decisivo pela nova directiva que vem aí e sabemos que houve também desenvolvimentos do lado brasileiro na área da protecção, através de seguros ao consumidor, iremos, entre outros aspectos, acompanhar essa estrutura.

 

PressTUR: Como avalia a participação dos associados da APAVT na feira da ABAV?

Pedro Costa Ferreira: Eu não gosto de dizer aquilo que não vejo e parece razoavelmente óbvio que houve menor aposta física dos associados da APAVT e do trade em geral neste feira do que em anteriores. No Brasil hoje fala-se em saída de crise e quando se fala em saída de crise ainda não certa significa que se está em crise. Estando-se em crise, sobretudo a área de incoming acredito que tenha hoje menor expectativa relativamente a respostas de curto prazo e que essa menor expectativa tenha como consequência uma menor adesão a esta feira. Já relativamente ao outgoing, e aí não penso que haja menos operadores portugueses], penso que é lógico porque o destino Brasil, com crise ou não, não terá ficado menos atractivo por causa disso. Por outro lado, sabemos que os operadores têm eles próprios internacionalização pura e dura. Isto é, escritórios aqui e trabalho aqui. Esses operadores estão cá, mantiveram-se cá e não encontrei aí qualquer descida ou menor interesse em relação a anos anteriores.

 

O PressTUR participou na ABAV 2016 a convite da ABAV e da TAP

 

Clique para mais notícias: APAVT

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: ABAV

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hotéis dão benefícios a quem reservar em agências de viagens associadas da APAVT

10-05-2021 (18h47)

A APAVT anunciou que os clientes das suas agências terão benefícios adicionais em reservas em grupos hoteleiros portugueses, explicando que se trata de “um processo de aproximação à hotelaria nacional”.

Espanha aprova joint venture dos operadores dos grupos Logitravel e Piñero

10-05-2021 (16h11)

A Comissão Nacional de Mercados e Concorrência (CNMC) em Espanha aprovou a joint venture dos operadores turísticos Smytavel, do Grupo Logitravel, e Soltour, do Grupo Piñero, segundo o jornal espanhol "Vozpópuli".

Imprensa brasileira confirma Antonoaldo Neves no negócio das agências de viagens

10-05-2021 (15h02)

O ex-CEO da TAP Antonoaldo Neves, que ao tempo em que esteve à frente da companhia de aviação portuguesa antagonizou as agências de viagens, está de facto com um projecto no Brasil com soluções para agências de viagens.

Solférias lança brochura multimédia dedicada a viagens de Lua de Mel

10-05-2021 (14h13)

O operador turístico Solférias lançou hoje uma brochura multimédia dedicada a viagens de Lua de Mel, com fotografias, vídeos e propostas para vários destinos, de Portugal às Maldivas, passando por Cuba, Brasil e Cabo Verde.

Amadeus caiu para prejuízos no primeiro trimestre

07-05-2021 (16h09)

O Amadeus, conhecido como uma das empresas mais lucrativas da área das viagens, declarou um prejuízo de 95,3 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, que compara com lucros de 298,5 milhões no período homólogo de 2019, pré-pandemia.

Opinião e Análise