Centenas de portugueses arriscam perder centenas de milhares de euros pela greve de seguranças dos aeroportos

29-08-2016 (16h52)

Contam-se por centenas os cidadãos que no Sábado ficaram no Aeroporto de Lisboa enquanto o avião que os ia levar para as férias em que investiram centenas de euros levantava voo e agora, segundo fontes das agências de viagens ouvidas pelo PressTUR, estão à mercê da generosidade de fornecedores de voos e alojamento.

As fontes do PressTUR, que acusam a ANA de não ter acautelado os problemas no Aeroporto de Lisboa, falam de aviões que deveriam levar mais de centena e meia de passageiros e que descolaram com menos de 20, porque os passageiros estavam ‘presos’ nas filas para passarem a segurança.

Essas mesmas fontes explicaram que os aviões levantaram ainda assim porque de outra forma então nem esses poucos passageiros poderiam ter viajado nem os que se encontravam nos destinos a aguardar o regresso a Portugal.

A questão tem que ver com os tempos de trabalho e repouso dos tripulantes, que têm obrigatoriamente que ser cumpridos e que, por exemplo, impossibilitam grandes atrasos quando se trata de ligações na ordem das quatro horas e em que as tripulações que fazem a ida têm que fazer o regresso, como é o caso das ilhas de Cabo Verde.

Diferente foi, por exemplo, a situação do voo que seguia para Varadero, Cuba, e que deveria ter partido às 17h40, mas só partiu às 22h04, porque neste caso a tripulação não tem que fazer um voo de regresso imediatamente a seguir.

Ora, sabendo-se que é assim, as fontes ouvidas pelo PressTUR fazem fortes críticas à gestão do Aeroporto de Lisboa, salientando que não se verificaram problemas semelhantes em nenhum outros dos aeroportos portugueses.

“Claramente não tinham um plano B para evitar o caos que se verificou”, disse uma das fontes ouvidas pelo PressTUR, a qual também avançou que agora o que os operadores turísticos podem fazer é apelar para a compreensão dos fornecedores no sentido de minorar os prejuízos dos que ficaram em terra pela greve.

A questão é que, como explica um documento da APAVT aos associados a que o PressTUR teve acesso, está-se perante “uma situação de força maior pela qual a agência [de viagens vendedora do pacote de férias] não pode ser responsabilizada”.

O documento, datado de dia 27, dia da greve, acrescenta que “significa isto que, não serão as agências responsáveis pela alteração forçada ou eventual cancelamento das viagens agendadas para hoje e que tenham sido afectadas pela greve de hoje”.

“Todo e qualquer reembolso aos clientes estará sempre sujeito ao reembolso efectuado pelos respectivos fornecedores”, frisa a APAVT que também explicitamente recomenda aos seus associados que prestem “toda a assistência possível aos clientes que tenham voos agendados para hoje”.

O documento, aliás, começa por confirmar que a Associação “teve conhecimento que, devido à greve em causa, o embarque dos passageiros com voos agendados para hoje está a revelar-se muito complicado, com particular incidência para os passageiros com voos marcados para o Aeroporto de Lisboa, existindo, inclusive, várias situações em que os passageiros não conseguiram embarcar para os respectivos voos”.

A Associação já no Sábado tinha avançado com um comunicado à imprensa em que alertava que “a greve das empresas de segurança no aeroporto de Lisboa está a causar um caos sem precedentes nas operações turísticas, verificando-se voos a partirem sem a totalidade dos passageiros e outros mesmo sem bagagens”, e que “a situação a que se assiste hoje é bastante pior do que o pior cenário previsível” (para ler mais clique: Greve na segurança dos aeroportos provoca “caos sem precedentes nas operações turísticas”, APAVT).

 

Clique para mais notícias: APAVT

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

Vendas BSP das agências de viagens portuguesas caíram mais de 99% em Abril

18-05-2020 (17h18)

As vendas de voos regulares pelas agências de viagens portuguesas através dos GDS caíram 99,3% no mês de Abril, em que o país esteve em estado de emergência para travar as contaminações por covid-19.

Receita de voos das agências de viagens portuguesas caiu 156,5 milhões de euros em Março e Abril

18-05-2020 (17h16)

As agências de viagens portuguesas sofreram nos meses de Março e Abril uma queda das vendas de voos regulares através dos GDS que já atinge 156,5 milhões de euros, indicam dados do BSP Portugal a que o PressTUR teve acesso.

Comissão Europeia quer que vouchers para viagens canceladas tenham protecção em caso de insolvência

13-05-2020 (15h57)

A Comissão Europeia defendeu hoje a criação de garantias públicas, por exemplo dadas pelos países europeus, ou privadas, como através de seguradoras, para atrair passageiros a optar pelos vouchers em situações de viagens canceladas devido à pandemia.

TUI declara que a covid-19 é “a maior crise” que o turismo alguma vez enfrentou

13-05-2020 (12h30)

O grupo TUI, maior grupo turístico europeu, com 18,9 mil milhões de euros de volume de negócios e 21 milhões de clientes em 2019, declarou hoje, ao publicar o balanço do seu primeiro semestre, a covid-19 como "a maior crise" que o turismo alguma vez enfrentou.

Opinião e Análise