Charters para Varadero são suspensos este mês Dia 10 é a última partida

02-09-2011 (15h06)

O voo Lisboa - Varadero, que é das mais antigas operações charter em Portugal, vai fazer apenas mais duas partidas com passageiros, a deste Sábado, dia 3, e a do próximo, dia 10, e a seguir é suspenso, confirmaram ao PressTUR fontes dos operadores que têm a operação contratada à White.

No dia 17, o avião da White que tem operado para Iberojet, Mundovip, Soltour e Travelplan, ainda irá a Varadero, mas “em vazio” de Lisboa, para trazer para Lisboa os turistas portugueses que compraram pacotes de férias em Cuba na partida de dia 10.

A suspensão do charter, disseram ao PressTUR fontes da operação turística, não significa necessariamente uma interrupção da venda de pacotes de férias em Cuba, mas que as ligações a Cuba passarão a ser feitas via outras cidades europeias onde há voos regulares e charters, designadamente Madrid.

As dificuldades de rentabilização da operação na conjuntura que Portugal está a viver é a razão apontada para a suspensão da operação, que já este ano também esteve suspensa nos primeiros meses, entre 29 de Janeiro e 2 de Abril, reflectindo uma queda acentuada da procura do destino Cuba, que transparece das estatísticas cubanas ( Operadores suspendem charter de Varadero entre 29 de Janeiro a 2 de Abril).

De acordo com dados da ONEI, Oficina Nacional de Estadísticas e Información de Cuba, entre 2001 e 2010 o número de turistas portugueses no País teve uma queda em 37,9%, baixando de 30.215 para 18.762 (menos 11.453), com a maior fatia do decréscimo a ocorrer precisamente no ano passado, quando face a 2009 houve um decréscimo de 28% ou 7.293.

A evolução este ano, com a suspensão dos charters mais de dois meses, foi igualmente de queda acentuada, com a ONEI a indicar que nos sete meses de Janeiro a Julho as chegadas de portugueses têm um decréscimo de 22,4% ou 2.721, para 9.413 ( Chegadas de turistas portugueses a Cuba baixam 10,4% em Julho).

Nos charters à partida de Lisboa, de acordo com os dados a que o PressTUR teve acesso, o número de passageiros (partidas e chegadas) passou de 31.428 em 2003 para 26.001 o ano seguinte (-17,3%), mas recuperou em 2005 (+28,6%), com um aumento para 33.436.

Em 2006, porém, deu-se nova queda, em 16%, para 28.086, da qual recuperou em 2007, com um aumento de 17.3%, para 32.940.

O “sobe e desce” manteve-se nos dois anos seguintes, com 2008 a ser um ano de queda, em 10,8%, para 29.377, e 2009 a ser um ano de crescimento, em 12,5%, para 33.038, o que se deveu em grande medida à eclosão da epidemia de gripe A(H1N1) e à sua associação ao México, que levou ao desvio de tráfego nos charters para Cancun para os voos para outros destinos, entre eles Varadero.

Em 2010, desaparecido esse efeito, o charter para Varadero teve uma quebra do número de passageiros em 37%, para 20.812, e nos primeiros sete meses deste ano está com um decréscimo (agravado pela suspensão dos voos nos primeiros meses) de 39,3%, para 8.057, embora no mês de Julho tenha até tenha registado um crescimento expressivo, em 21,8%, para 2.138.

Fontes da operação turística comentaram ao PressTUR que a suspensão deve-se à necessidade de evitar perdas significativas, que ocorrem sempre que os operadores ficam com lugares vazios, porque independentemente de os venderem ou não têm que os pagar, uma vez que o avião é contratado por inteiro.

Por isso também se diz destes programas que são “operações de risco”, uma vez que os operadores têm que arriscar contratar aviões, hotéis e transferes sem garantias de que vão conseguir vender pelo menos em número suficiente para cobrir o custo.

A suspensão do charter de Varadero o que denota é que esse não era o caso, pelo menos para alguns dos intervenientes, e não havia expectativa de inverter a tendência, dado o impacto das medidas de austeridade no sector da operação turística e agências de viagens.

Os dados a que o PressTUR teve acesso relativos a operações charter no Aeroporto de Lisboa, que é o maior do País neste tipo de viagens de “lazer puro”, indicam que os voos para as Caraíbas têm uma queda do número de passageiros em 18,7%, com quedas, além de Varadero (-39,3%), também nas ligações com Cancun (-13,2%), Punta Cana (-9,9%), Montego Bay (-18,2%) e Samaná (-42,7%).

Igualmente em queda estavam os charters para as ilhas espanholas (-45,2%, para 13.080) e outras operações como Antalya (-6,8%, para 8.699), Catânia (-44,8%, para 957) e Porto Santo (-53,6%, para 519).

As excepções eram Boavista, com +49%, para 21.409, e Oujda (Saidia), com +25,7%, para 3.957 (ver mais em: Boavista e Saidia escapam à crise dos charters e têm crescimentos fulgurantes em Lisboa).

 

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

APAVT e DECO lançam novo serviço para ajudar agências a reforçar a confiança dos clientes

01-12-2021 (19h58)

O presidente da organização de defesa do consumidor DECO, Vasco Colaço, anunciou hoje um novo serviço para ajudar as agências de viagens associadas da APAVT “a prestarem um serviço mais próximo, eficaz e transparente”, que reforce a confiança dos clientes e permita às agências “estarem sempre actualizadas”.

Esperar que o mercado substitua TAP “é esperar o impossível” – Marcelo Rebelo de Sousa

01-12-2021 (18h56)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que "esperar que venha ao mercado à saída da crise pandémica" uma alternativa que substitua a TAP no seu papel em Portugal e nas suas ligações externas "é esperar o impossível".

CTP quer que o próximo governo mantenha Rita Marques como secretária de Estado do Turismo

01-12-2021 (17h40)

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, afirmou hoje que "gostaria muito" que o próximo governo, "seja de iniciativa PS ou de iniciativa PSD", mantivesse Rita Marques como secretária de Estado do Turismo.

Sem TAP o turismo não pode responder ao seu principal desafio: os mercados longínquos – Pedro Costa Ferreira

01-12-2021 (17h17)

O presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, frisou hoje que "se não for através da TAP" o turismo português não tem capacidade para responder ao seu principal desafio, que "é o desenvolvimento dos mercados longínquos, que nos trarão mais território turístico e menos sazonalidade".

Agências de viagens exigem “urgente” continuação do apoio à retoma pelo menos até à Páscoa

01-12-2021 (16h28)

O presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, destacou hoje na abertura do 46ª Congresso da Associação, em Aveiro, que é "urgente" a continuação do apoio à retoma pelo menos até à Páscoa, sublinhando que se trata de uma exigência e não de um pedido, porque é o "turismo que vai liderar a recuperação económica".

Opinião e Análise