Michael O’Leary critica regulador britânico da aviação após colapso do Thomas Cook

02-10-2019 (17h39)

O CEO do Grupo Ryanair, Michael O’Leary, criticou o regulador britânico da aviação dizendo que as suas ‘regras suaves’ de licenciamento contribuíram para o caos da falência do Thomas Cook.

O executivo, que falava esta terça-feira em Londres durante um evento promovido pela Reuters, responsabilizou a Autoridade britânica da Aviação Civil (CAA) porque, sustentou, concedeu ao Thomas Cook uma licença para operar sem exigir provas de que tinha capacidade para sobreviver.

“Como pode licenciar o Thomas Cook em Abril como apto para voar por mais 12 meses e depois fracassa em Setembro. É algo que a CAA precisa resolver”, disse Michael O’Leary, citado pela Reuters.

O’Leary defendeu que “a CAA deve ser muito mais agressiva e exigir que os accionistas ponham muito mais dinheiro nas companhias para conseguirem aguentar ao longo do ano, em vez de permitir que falhem continuamente”.

A companhia aérea britânica da Thomas Cook desistiu imediatamente quando a empresa entrou em insolvência, embora a também sua companhia aérea alemã Condor ainda esteja a voar, tendo recebido um empréstimo-ponte do governo alemão. A companhia aérea escandinava da Thomas Cook também continua a operar.

O’Leary especulou que a Lufthansa poderá comprar a Condor, cujo CEO revelou na terça-feira que eventualmente haveria um novo proprietário da companhia aérea, de acordo com o jornal alemão “Die Zeit”.

A Ryanair, por sua vez, não está interessada na Condor, disse Michael O’Leary, admitindo que no entanto está em negociações com empresas de leasing sobre a aquisição de aviões da Thomas Cook para a Lauda e que poderá contratar alguns pilotos do grupo.

Com os aviões B737 Max proibidos de voar desde Março após dois acidentes fatais, a capacidade de expansão da Ryanair está a ser prejudicada, o que impede o grupo de aproveitar as oportunidades do colapso do Thomas Cook, disse o executivo, que espera receber aviões deste modelo no próximo Verão.

A Ryanair tem 135 B737 Max encomendados e mais 75 em opção. O atraso na entrega destes aviões “desacelerará o nosso crescimento no Verão de 2020, o que é uma pena”, disse O’Leary.

“Quando surgem oportunidades como o fracasso do Thomas Cook... queremos poder crescer mais rápido”, disse o executivo. “Mas a segurança é a primeira prioridade”

Ainda segundo a Reuters, o CEO do Grupo Ryanair afirmou que, embora seja fácil acusar a gestão quando uma empresa falha, os problemas do Thomas Cook eram mais profundos do que a sua administração actual, pois todo o modelo de negócio da empresa estava fundamentalmente desactualizado.

“Acho que o mercado de pacotes turísticos está lixado, acabou. É como quem fazia ferraduras quando havia carruagens puxadas por cavalos”, afirmou Michael O’Leary.

“Existiam algumas empresas de ferraduras boas e bem geridas, mas no final todas foram da mesma forma e o mesmo acontecerá com os operadores turísticos aqui na Europa”, acrescentou O’Leary, que só no início deste ano encerrava o seu ‘negócio de ferraduras’ da Ryanair Holidays, depois de várias tentativas de o relançar (para ler mais clique: Ryanair volta a capitular na tentativa de concorrer com agências de viagens na venda de pacotes turísticos).


Clique para ver mais: Ryanair

Clique para ver mais: Thomas Cook

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Sonhando confia que a sua operação charter para Cuba vai ser “a mais bem sucedida este ano em Portugal”

05-06-2020 (15h27)

José Manuel Antunes, director-geral do operador Sonhando, está confiante que este ano, apesar do impacto da pandemia de Covid-19 nas viagens e turismo, não só vai conseguir realizar a operação charter para Cuba, como até diz ter a esperança de que será a operação de longo curso “mais bem sucedida este ano em Portugal”.

Reservas já vão ‘pingando’, José Manuel Antunes

05-06-2020 (15h25)

Sem euforias, mas confiante é a imagem que o director-geral da Sonhando transmite quanto à operação este ano, que tem Porto Santo e Cuba como destinos chave e para os quais afirma que já vão surgindo reservas, apesar de todos os receios decorrentes da pandemia de covid-19.

Abril foi pior mês de sempre para as agência corporate brasileiras, ABRACORP

02-06-2020 (15h46)

As agências corporate brasileiras tiveram em Abril uma “queda sem precedentes” da sua actividade, informou ontem a sua associação, a ABRACORP, que enfatiza que se tratou de uma queda que “supera até mesmo os dados das semanas que sucederam ao fatídico atentado às torres gémeas, em 2001, nos EUA”.

Agências de viagens do Grupo GEA recebem formação em comunicação digital

29-05-2020 (12h57)

O Grupo GEA está a dar formação sobre comunicação e marketing digital às agências de viagens do grupo, abordando “as mudanças no comportamento do consumidor resultantes do avanço nas tecnologias de comunicação e da pandemia, assim como o perfil do consumidor nas diferentes gerações”.

Sete “operadores de confiança” promovem este Verão seis charters conjuntos para Tunísia e Marrocos

27-05-2020 (15h34)

O operador Solférias anunciou hoje que vai participar com outros seis “operadores de confiança” em seis operações charter conjuntas com um total de 48 voos para a Tunísia e Marrocos, entre meados de Julho e inícios de Setembro.

Opinião e Análise