Negócios na plataforma de comércio da Travelport aumentam 12% no primeiro semestre

02-08-2018 (16h28)

Imagem: Travelport
Imagem: Travelport

A plataforma de comércio de produtos turísticos da Travelport processou no primeiro semestre negócios no montante global de 46,7 mil milhões de dólares (cerca de 40 mil milhões de euros), com um aumento em 12% relativamente ao período homólogo de 2017, informou hoje a empresa.

A informação especifica que no segundo trimestre o aumento foi em 11%, para 23,44 mil milhões de dólares (cerca de 20 mil milhões de euros).

Relativamente aos produtos e serviços comercializados, sabe-se que os voos são a maior fatia, mas a empresa indica apenas que no primeiro semestre estão incluídas 34,35 milhões de noites de hotel e 53,3 milhões de dias de rent-a-car, com aumentos respectivamente em 2% e em 5%.

No segundo trimestre, o aumento do número de noites de hotel foi de 2%, para 17,78 milhões, mas em rent-a-car houve uma estagnação em baixa, para 28,6 milhões de dias.

O processamento destes negócios, de acordo com a informação disponibilizada pela Travelport, geraram-lhe uma receita de 1.290,6 milhões de dólares (1,1 mil milhões de euros) no primeiro semestre, em alta de 7% relativamente ao período homólogo, com +2% no segmento que designa por Air, referindo-se a Aviação, que somou 916,88 milhões de dólares (785,2 milhões de euros), e +21% no Beyond Air, onde inclui designadamente hotelaria, rent-a-car e processamento de pagamentos, designadamente pela sua subsidiária eNett, que foi mais uma vez ‘a estrela’ do crescimento.

No segundo trimestre, o crescimento das receitas obtidas pela Travelport com a sua plataforma de comércio foi ainda mais forte, situando-se em 9%, com +5% no segmento Air e +21% no Beyond Air, nomeadamente pelo aumento em 82% da eNett.

O balanço evidencia que os aumentos de receita foram gerados principalmente por subidas da receita média por segmento, unidade utilizada pelos GDS, que aumentou em média 7% no semestre, com +9% no segundo trimestre.

O número de segmentos, por sua vez, teve uma estagnação em baixa tanto no semestre, ficando em 179,25 milhões, quanto no segundo trimestre, com 86,9 milhões.

 

Ver também:

Travelport cresce 24% na Europa no 2º trimestre, mas não evita quebra do lucro em 80%

 

Clique para mais notícias: Travelport

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Croácia volta a ser Destino Preferido da ECTAA

20-01-2021 (15h37)

A Confederação Europeia das Agências de Viagens e Operadores Turísticos (ECTAA) escolheu a Croácia para ser o seu Destino Preferido em 2021, uma iniciativa que pretende impulsionar a retoma do turismo no país.

Ávoris promove webinars para agentes de viagens em Portugal

18-01-2021 (16h14)

A Ávoris, divisão de viagens do grupo Barceló, de que fazem parte os operadores turísticos Jolidey e LePlan, e as agências de viagens B the Travel Brand, vai promover webinars para agentes de viagens em Portugal a partir de quarta-feira.

Agências de viagens IATA portuguesas tiveram quebra de 739,5 milhões de euros na venda de voos regulares

18-01-2021 (15h51)

Só a venda de voos regulares deu em 2020 um ‘rombo’ de 739,5 milhões de euros ao negócio das agências de viagens IATA portuguesas, de acordo com dados do BSP Portugal (do inglês para Billing and Settlement Plan), a que o PressTUR teve acesso.

Vendas de voos pelas agências de viagens IATA espanholas caíram 4.137 milhões de euros

18-01-2021 (15h48)

As vendas de voos regulares pelas 3.930 agências de viagens espanholas que integram o BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan), sistema da IATA para a regularização das vendas de voos pelas agências de viagens, caíram 4.137 milhões de euros em 2020.

Orbest e Evelop assinam acordo com o Sabre para distribuição e gestão operacional

15-01-2021 (17h10)

As companhias aéreas Orbest e Evelop assinaram um acordo com o Sabre para vender os seus voos nos sistemas de reservas da tecnológica e para usar as suas soluções de gestão de inventário e de gestão operacional.

Opinião e Análise