Reservas de voos por agências de viagens caíram 46,4% a nível mundial no 1º trimestre, Amadeus

12-05-2020 (17h03)

A pandemia de covid-19 provocou uma quebra para cerca de metade das reservas de voos das agências de viagens através dos GDS, de acordo com o Amadeus, maior fornecedor do sector, com 85 milhões de reservas de voos processadas nos primeiros três meses deste ano.

À medida que a pandemia de covid-19 alastrou pelo mundo, a indústria das viagens derrapou para uma quase cessação da actividade, assinalou o CEO do Amadeus, Luís Maroto, ao fazer o balanço do Amadeus no primeiro trimestre, em que a companhia, ainda que 60,5% abaixo do período homólogo de 2019, apresentou um lucro de 117,8 milhões de euros.

O balanço publicado pelo Amadeus indica que a quebra do total de reservas de voos processadas pelos GDS (Amadeus, Sabre e Travelport, excluindo sistemas que funcionam apenas num país) atingiu próximo de 178 milhões, ficando em cerca de 190 milhões.

A informação realça também, sem quantificar, que as quebras ‘violentas’ foram ‘o normal’ nas diferentes regiões, mas em especial na Ásia e Pacífico, primeira região onde a pandemia atingiu grande expressão, e na Europa, actualmente ainda a mais afectada.

As regiões Ásia e Pacífico e a Europa foram as que tiveram o pior desempenho, diz o Amadeus, que indica de seguida a América do Norte, o Médio Oriente, África e América Latina.

E acrescenta: “a indústria foi ainda atingida por um grande volume de cancelamento de reservas com um rácio de cancelamentos devido à pandemia de covid-19, muito especialmente no final do trimestre”.

No seu caso, o Amadeus indica que a quebra em 47,7% ou 77,6 milhões do número de reservas aéreas processadas, para 85 milhões, foi com quebras a dois dígitos em todas as regiões onde tem actividade, sobressaindo a quebra em 68,1% ou 19,7 milhões na Ásia e Pacífico, para 9,2 milhões, que assim foi ultrapassada pela região Médio Oriente e África em total de reservas processadas, com 11 milhões, ainda assim -39,2% ou menos 7,1 milhões que há um ano.

A segunda quebra mais forte foi na Europa Ocidental, tradicionalmente a primeira em número de reservas, com 35,7% do total no primeiro trimestre, onde teve uma quebra em 47,3%, significando menos 27,2 milhões, para 30,3 milhões.

Para a região Europa Central, do Leste e do Sul, onde inclui Portugal, o Amadeus indicou uma quebra de reservas em 36,8% ou cinco milhões, para 8,6 milhões, e para a América Latina indicou que a quebra foi de 35,6% ou 3,7 milhões, para 6,7 milhões.

 

Clique para mais notícias: Amadeus

Clique para mais notícias: GDS

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Soltour já tem no mercado pacotes com voos de Lisboa para Dominicana, México e Cuba este Verão

26-05-2020 (16h22)

O operador Soltour, que é considerado o líder em vendas de pacotes de férias nas Caraíbas, já tem no mercado as suas propostas de férias este Verão na Dominicana, no México e em Cuba com voos directos de Lisboa na Orbest.

Egotravel põe à venda férias em Djerba com voos a partir de 2 de Agosto

26-05-2020 (11h27)

O operador turístico Egotravel anunciou ao mercado que está a vender programas de férias na ilha de Djerba, na Tunísia, com voos directos de Lisboa e do Porto entre 2 de Agosto e 4 de Outubro.

CEO da TUI elogia “clareza” de Espanha sobre reabertura ao turismo

26-05-2020 (10h47)

O CEO da TUI, maior grupo turístico europeu, elogiou a “clareza” de Espanha sobre o início da temporada de férias, por garantir a “milhões de turistas” que podem fazer férias no país.

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

Vendas BSP das agências de viagens portuguesas caíram mais de 99% em Abril

18-05-2020 (17h18)

As vendas de voos regulares pelas agências de viagens portuguesas através dos GDS caíram 99,3% no mês de Abril, em que o país esteve em estado de emergência para travar as contaminações por covid-19.

Opinião e Análise