Sobreviver ainda será o maior desafio das agências de viagens em 2021, Pedro Costa Ferreira

15-12-2020 (17h30)

O presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, avisou hoje que sobreviver ainda será o principal desafio das agências de viagens em 2021, porque uma parte da previsível retoma das viagens ainda será feita com vales de viagens canceladas em 2020, a que se juntam eventuais reembolsos a clientes que não pretendam usfruir dos vales.

Uma parte dos reembolsos dos fornecedores já foram recebidos pelas agências de viagens e gastos em custos directos necessários para evitar a falência, o que fará com que, em 2021, “quando começarmos a trocar vales ou tivermos que os reembolsar, vai ser um momento de grande dificuldade de tesouraria”, sublinhou Pedro Costa Ferreira, que falava numa conferência online promovida pelo grupo de agências de viagens independentes GEA.

O desafio, avisou, abrange todo o sector, porque se uma parte significativa não conseguir reembolsar, “o sector ficará incomodado com uma ideia de falta de credibilidade”.

Pedro Costa Ferreira considera que “não vai haver um novo normal” depois da pandemia de covid-19, mas sim “um acelerar de tendências” que “não terá grandes consequências a nível da oferta, mas terá grandes consequências ao nível do modelo de negocio”.

Na perspectiva do consumidor, o presidente da APAVT antecipa que o mercado de massas vai voltar a existir, “quando a confiança voltar e quando as restrições de viagem” forem aliviadas. O segmento de luxo “vai chegar um pouco antes” e o “corporate vai chegar um pouco depois”, prognosticou.

A “enorme consequência” será ao nível do modelo de negócio. As agências de viagens vão estar mais expostas ao risco, com as seguradoras “a darem uma visão menos acolhedora”, vão ter “menos crédito dos fornecedores”, “maiores dificuldades de financiamento” e vão encontrar “mais literacia digital” nos consumidores, que durante a pandemia se aproximaram do consumo online.

“Este ambiente macroeconómico afasta modelos de baixa margem e/ou assentes em crédito”, avisou ainda Pedro Costa Ferreira, que considerou que apesar de serem modelos antigos que podiam ser viavéis se fossem bem geridos, neste novo cenário muito rapidamente serão inviáveis.

Os desafios que o novo cenário macroeconómico traz prendem-se com a criação de valor. “Ninguém consegue aumentar a margem ou vender sem crédito se não criar valor. Seja por criatividade, por inovação, por diferenciação, por focos. Há 1.001 maneiras de criar valor”.

Assim, criar valor será “a centralidade do nosso problema em 2021”, concluiu Pedro Costa Ferreira, acrescentando que será necessário também construir a percepção no cliente da criação desse valor.

 

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Croácia volta a ser Destino Preferido da ECTAA

20-01-2021 (15h37)

A Confederação Europeia das Agências de Viagens e Operadores Turísticos (ECTAA) escolheu a Croácia para ser o seu Destino Preferido em 2021, uma iniciativa que pretende impulsionar a retoma do turismo no país.

Ávoris promove webinars para agentes de viagens em Portugal

18-01-2021 (16h14)

A Ávoris, divisão de viagens do grupo Barceló, de que fazem parte os operadores turísticos Jolidey e LePlan, e as agências de viagens B the Travel Brand, vai promover webinars para agentes de viagens em Portugal a partir de quarta-feira.

Agências de viagens IATA portuguesas tiveram quebra de 739,5 milhões de euros na venda de voos regulares

18-01-2021 (15h51)

Só a venda de voos regulares deu em 2020 um ‘rombo’ de 739,5 milhões de euros ao negócio das agências de viagens IATA portuguesas, de acordo com dados do BSP Portugal (do inglês para Billing and Settlement Plan), a que o PressTUR teve acesso.

Vendas de voos pelas agências de viagens IATA espanholas caíram 4.137 milhões de euros

18-01-2021 (15h48)

As vendas de voos regulares pelas 3.930 agências de viagens espanholas que integram o BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan), sistema da IATA para a regularização das vendas de voos pelas agências de viagens, caíram 4.137 milhões de euros em 2020.

Orbest e Evelop assinam acordo com o Sabre para distribuição e gestão operacional

15-01-2021 (17h10)

As companhias aéreas Orbest e Evelop assinaram um acordo com o Sabre para vender os seus voos nos sistemas de reservas da tecnológica e para usar as suas soluções de gestão de inventário e de gestão operacional.

Opinião e Análise