“Temos as soluções”, é preciso avançar – António Loureiro, Travelport

28-11-2018 (17h31)

A tecnologia existe, "já temos as soluções, já temos tudo", o que falta é escolher um caminho e agir, defendeu António Loureiro, director da Travelport Portugal, no debate sobre as oportunidades da tecnologia no 44º Congresso da APAVT, em Ponta Delgada.

“O grande desafio é deixarmos de falar, falar, falar, porque nós já temos as soluções, já temos tudo”, reforçou, para acrescentar que o que é necessário é escolher um caminho e definir “algumas soluções de como é que podemos todos colaborar”.

A discussão, de acordo com o executivo, não deve ser acerca dos novas possibilidades da tecnologia, mas sim sobre o cruzamento entre os recursos humanos e as soluções tecnológicas.

Nesse sentido, António Loureiro deu como exemplo o trabalho de Manuel Pinto, director-geral do Hotel Mundial, em Lisboa, dizendo que depois das suas viagens ao Canadá e aos Estados Unidos já sabe quantos clientes vai ter e em que períodos, algo que considera “impossível de substituir por um sistema digital”.

“Como é que se pode substituir o trabalho de um Manuel Pinto por um Click2Portugal? É impossível. Vai sempre haver espaço para as pessoas”, sublinhou António Loureiro.

No caso das agências de viagens, sejam pequenas, médias ou grandes, “que utilizam diversos níveis de tecnologia, mas todas elas comunicando com uma camada da população com mais de 50 anos”, o director regional da Travelport considera que há soluções para todas: “é pegarem no cardápio”.

O problema está na definição de soluções para comunicar com a população com menos de 30 anos, cujo perfil está a mudar, frisou António Loureiro. Contudo, “considerando que 50% da população portuguesa tem mais de 50 anos”, as agências de viagens “estão perfeitamente à vontade”.

 

Ver também:

Tecnologia tem que estar “ao serviço das pessoas e não o inverso” – Cláudio Santos, Amadeus
“Há pouco diálogo entre quem desenha o dia-a-dia das empresas e a tecnologia” - Pedro Seabra, Viatecla
Tecnologia é uma oportunidade para os agentes de viagens comunicarem mais - Vasco Pinheiro, Go4Travel

 

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Congresso da APAVT

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Solférias avança com “taxa de rescisão” para travar ‘jogadas’ de antecipação de vouchers

24-09-2020 (17h18)

O operador Solférias comunicou hoje ao mercado a aplicação de uma “taxa de rescisão” para “evitar reservas simuladas ou fraudulentas feitas apenas com o intuito de antecipar o recebimento dos valores titulados pelo vale” [vulgo vouchers].

APAVT reúne associados por todo o país

23-09-2020 (15h08)

A APAVT iniciou esta semana por Braga, Porto e Leiria um périplo de reuniões com associados para fazer "cara a cara" uma análise do momento do sector, que a União Europeia identificou como o mais penalizado pela pandemia de covid-19 (para ler mais clique: UE confirma agências e operadores como os mais penalizados pelo impacto pandemia de covid-19 no turismo).

Quebra da venda de voos pelas agências de viagens IATA portuguesas sobe para 71,7% depois de Agosto

22-09-2020 (17h52)

As agências de viagens IATA portuguesas que em 2019 atingiram o montante recorde de 964 milhões de euros em vendas de voos regulares, no final de Agosto deste ano estão com uma quebra de 470 milhões ou 71,7%.

Turismo europeu pede a Bruxelas testes coordenados para acabar com restrições de viagens divergentes

18-09-2020 (14h00)

Mais de 20 organizações europeias de turismo e de aviação pediram hoje à Comissão Europeia para acabar com a “contínua falta de coordenação” e as “restrições de viagens divergentes”, implementando um programa de testes comum para os viajantes.

Agências de viagens querem apoio ao pagamento de custos fixos para manter emprego

17-09-2020 (17h01)

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) elogiou hoje o Governo dos Açores por apoiar o pagamento dos custos fixos das agências de viagens açorianas e apelou à criação de medidas similares para o resto do país, considerando que permitem "controlo do desemprego" e "sobrevivência das empresas".

Opinião e Análise