TUI declara que a covid-19 é “a maior crise” que o turismo alguma vez enfrentou

13-05-2020 (12h30)

O grupo TUI, maior grupo turístico europeu, com 18,9 mil milhões de euros de volume de negócios e 21 milhões de clientes em 2019, declarou hoje, ao publicar o balanço do seu primeiro semestre, a covid-19 como "a maior crise" que o turismo alguma vez enfrentou.

A informação indica que, nos seis meses de 1 de Outubro de 2019 a 31 de Março deste ano, o grupo teve uma quebra do volume de negócios em 0,6% ou 37,7 milhões de euros, para 6.638,7 milhões, pela quebra em 10,1% ou 313,7 milhões no segundo trimestre (primeiro de calendário deste ano), para 2.787,9 milhões.

A perda do grupo, por sua vez, atingiu 845,8 milhões de euros, o que representa um agravamento em 192,6%.

A avaliação do grupo é que as quebras indicadas decorrem de apenas um mês do semestre, pois, diz, nos primeiros cinco meses do período teve "um excepcional começo" das vendas dos seus programas para o Verão deste ano, ao ponto de Janeiro ter sido o seu melhor mês de sempre em reservas, a que não será alheia a falência do grupo Thomas Cook.

A ‘tempestade' para o grupo TUI concentrou-se no mês de Março, segundo a sua informação, que assinala que ocorreu "uma suspensão global sem precedentes das viagens".

E a reforçar a excepcionalidade do momento, o grupo TUI frisa que pela primeira vez na sua história teve que suspender a totalidade da sua programação de Verão.

O grupo destaca também que foi o primeiro na Alemanha a ter aprovada uma ajuda do estado, a 27 de Março, com a atribuição de um empréstimo-ponte de 1,8 mil milhões de euros.

Ainda assim, a informação realça que a grande prioridade do grupo TUI é com a sua liquidez, o que passa por travar investimentos, bem como reduzir custos fixos que diz implicarem a saída mensalmente entre 700 milhões e 1.400 milhões de euros.

O grupo TUI avança que assim teve que tomar "a difícil mas necessária decisão" de, a parti de Abril, reduzir custos com pessoal, por diversos mecanismos, como reduções de horários de trabalho, cortes de salários, licenças sem vencimento, além de participar na iniciativa do governo alemão de apoiar a manutenção de emprego, acrescentando que assim reduziu em 50% os seus encargos com pessoal no mês de Maio.

Ainda assim, o grupo anunciou ter lançado um "programa de realinhamento" com o qual quer reduzir em 30% os seus custos com pessoal, indicando que estima tenha um impacto potencial a nível global sobre oito mil postos de trabalho.

No final do exercício de 2019, a 30 de Setembro de 2019, o grupo TUI contava 71.473 trabalhadores, 411 hotéis, 150 aviões, 18 navios de cruzeiro e 115 organizações de recepção de turistas nos destinos.

 

Clique para mais notícias: TUI

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Cruzeiros


Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Solférias avança com “taxa de rescisão” para travar ‘jogadas’ de antecipação de vouchers

24-09-2020 (17h18)

O operador Solférias comunicou hoje ao mercado a aplicação de uma “taxa de rescisão” para “evitar reservas simuladas ou fraudulentas feitas apenas com o intuito de antecipar o recebimento dos valores titulados pelo vale” [vulgo vouchers].

APAVT reúne associados por todo o país

23-09-2020 (15h08)

A APAVT iniciou esta semana por Braga, Porto e Leiria um périplo de reuniões com associados para fazer "cara a cara" uma análise do momento do sector, que a União Europeia identificou como o mais penalizado pela pandemia de covid-19 (para ler mais clique: UE confirma agências e operadores como os mais penalizados pelo impacto pandemia de covid-19 no turismo).

Quebra da venda de voos pelas agências de viagens IATA portuguesas sobe para 71,7% depois de Agosto

22-09-2020 (17h52)

As agências de viagens IATA portuguesas que em 2019 atingiram o montante recorde de 964 milhões de euros em vendas de voos regulares, no final de Agosto deste ano estão com uma quebra de 470 milhões ou 71,7%.

Turismo europeu pede a Bruxelas testes coordenados para acabar com restrições de viagens divergentes

18-09-2020 (14h00)

Mais de 20 organizações europeias de turismo e de aviação pediram hoje à Comissão Europeia para acabar com a “contínua falta de coordenação” e as “restrições de viagens divergentes”, implementando um programa de testes comum para os viajantes.

Agências de viagens querem apoio ao pagamento de custos fixos para manter emprego

17-09-2020 (17h01)

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) elogiou hoje o Governo dos Açores por apoiar o pagamento dos custos fixos das agências de viagens açorianas e apelou à criação de medidas similares para o resto do país, considerando que permitem "controlo do desemprego" e "sobrevivência das empresas".

Opinião e Análise