AHP classifica de “absurdo” manter hotéis abertos sem poderem prestar serviços

15-01-2021 (17h52)

O presidente da AHP - Associação da Hotelaria de Portugal considera “lamentável” que, vistas as limitações impostas, o Governo não tenha decretado o encerramento dos hotéis para que pudessem aceder ao regime de lay-off simplificado.

“É lamentável que, vistas estas severas limitações, e mais ainda o encerramento de todos os equipamentos e serviços, o Governo não tenha pura e simplesmente determinado o encerramento dos hotéis permitindo-lhes aceder ao regime de lay-off simplificado como as demais atividades económicas cujo encerramento foi determinado, até porque estas medidas trazem outros custos económico-financeiros para as empresas”, diz uma declaração de Raul Martins, citada em comunicado da Associação.

Em causa está a decisão do Governo de que bares e restaurantes de hotel só podem funcionar para entrega nos quartos dos hóspedes (room service) ou para disponibilização de refeições ou produtos embalados à porta dos hotéis (take-away), como acontece nos restaurantes e cafés.

A AHP, porém, considera “incompreensível que os hotéis não possam prestar serviço de refeições aos hóspedes, como até aqui” e acrescenta que a maioria das equipas da hotelaria já estão em lay-off, “havendo redução substancial dos trabalhadores, pelo que não há sequer capacidade para prestar o serviço em room service, como é agora indicado pela lei”.

“Manter as unidades abertas sem poder prestar serviços é absurdo”, enfatizou o dirigente, que lamenta que a Associação não tenha sido consultada antes da imposição das novas medidas para a contenção da covid-19.

“Teríamos esclarecido que a maioria dos hotéis não tem room service (apenas nas unidades de cinco e de quatro estrelas, estas com limitações)” e “podíamos ter informado o Governo que a pouca ocupação da hotelaria é com pessoas que estão em teletrabalho ou por razões de índole profissional”, frisou Raul Martins, acrescentando que teria ainda “esclarecido que os poucos empregados de mesa que ainda estão a trabalhar não são trabalhadores que fazem room service”.

A imposição destas medidas implica, segundo Raul Martins, “compensações a fundo perdido, o reforço e alargamento dos apoios financeiros às empresas e uma via-verde para o acesso às medidas de lay-off simplificado”.

 

Clique para ver mais: AHP

Clique para ver mais: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

NCL tem “Portugal no radar como mercado emissor e como destino”

23-02-2021 (19h29)

A Norwegian Cruise Line (NCL), que antes da pandemia de covid-19 estava a investir em Portugal como destino e mercado emissor para os seus cruzeiros, vai continuar a investir no seu crescimento no país, anunciaram hoje os directores da companhia Kevin Bubolz e Jürgen Stille numa conferência de imprensa online.

Agências de viagens e operadores já têm linha de cem milhões para reembolsarem clientes

23-02-2021 (18h45)

O Ministério da Economia anunciou que desde hoje as agências de viagens e operadores turísticos já dispõem de uma linha de crédito para poderem reembolsar clientes que, devido aos impactos da covid-19, ficaram sem as viagens que pagaram.

Quantum of the Seas vai ficar mais três meses em Singapura

23-02-2021 (18h29)

O Quantum of the Seas, embarcação da companhia de cruzeiros Royal Caribbean, vai prolongar a sua temporada em Singapura, onde está a fazer cruzeiros de duas, três e quatro noites, por mais três meses.

ECTAA quer acção das instituições europeias para travar atrasos nos reembolsos de viagens

23-02-2021 (18h24)

A ECTAA, organização que junta as associações de agências de viagens e operadores turísticos da Europa, quer que as instituições europeias actuem no sentido de obrigar as companhias de aviação a reembolsarem pelos voos não realizados pelos impactos da pandemia de covid-19.

Marriott já tem novo CEO

23-02-2021 (18h10)

A Marriott, maior rede hoteleira do mundo, anunciou a escolha de Anthony Capuano, um veterano com mais de 25 anos na companhia que era presidente para o desenvolvimento global, design e operações, para substituir o falecido Arne Sorenson à frente da gestão executiva.

Opinião e Análise