Angola negoceia com Boeing novos aviões para a TAAG

27-09-2018 (14h59)

O Presidente de Angola revelou em Nova Iorque que as autoridades de Luanda estão a negociar a compra de novos aviões da Boeing destinados à companhia aérea angolana TAAG, que é líder em ligações com Portugal, com voos de Luanda tanto para Lisboa como para o Porto.

Num despacho dos seus enviados especiais que acompanham a deslocação de João Lourenço aos Estados Unidos, onde discursou hoje na reunião anual da Assembleia-Geral da ONU, a agência de notícias angolana Angop escreve que a intenção foi manifestada pelo próprio Presidente da República num encontro com empresários e potenciais investidores norte-americanos.

João Lourenço não adiantou nem o número de aparelhos nem o valor do investimento, especificando apenas tratar-se de aviões destinados a operações de médio e longo cursos.

A compra de novos aviões, que deverá ser concretizada até 2020, vai permitir à TAAG concorrer em igualdade de circunstâncias com outras companhias do sector.

A decisão tem como pano de fundo a conclusão das obras de construção do novo aeroporto de Luanda, assim como a transformação da TAAG em sociedade anónima, decretada por João Lourenço no dia 20.

A frota actual da TAAG é composta por 13 aviões Boeing, três dos quais 777-300 ER, com mais de 290 lugares, recebidos entre 2014 e 2016, e que são os aparelhos com que opera os voos de/para Portugal.

A companhia conta também com cinco 777-200, de 235 lugares, e outros cinco 737-700, com capacidade para 120 passageiros, estes utilizados nas ligações domésticas e regionais.

No encontro com os empresários, João Lourenço sublinhou o facto de não existir um estado democrático e de direito sem transparência e reforçou o apelo para a intervenção do sector privado na economia angolana.

“A Constituição nunca proibiu a intervenção do sector privado na economia. Estou a referir-me ao excesso de burocracia, à existência de monopólios em alguns sectores da economia”, afirmou, lembrando, porém, que o Governo de Luanda “já iniciou um processo para pôr termo a esses obstáculos”.

No encontro, João Lourenço frisou que esse caminho “está a criar dissabores a algumas pessoas e empresas”.

“Mas tem de ser”, ressalvou, sublinhando que, em causa, está o interesse público e milhões de dólares dos angolanos.

Na reunião, João Lourenço insistiu na possibilidade de os empresários que escolherem Angola para investir obterem o visto à chegada ao país.

“A partir de agora, quem for investir em Angola, desde que declare a sua intenção de investimento junto da Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações de Angola (AIPEX), beneficiará dessa facilidade”, garantiu.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: TAAG

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Angola

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

euroAtlantic faz voo da China para o Porto com material sanitário

26-05-2020 (17h44)

A companhia de aviação portuguesa euroAtlantic realiza hoje um voo da China para o Porto com 23 toneladas de material sanitário usado para combater a pandemia de covid-19.

Administrador financeiro da easyJet renuncia ao cargo em Maio de 2021

26-05-2020 (16h37)

O administrador financeiro (CFO) da easyJet, Andrew Findlay, vai deixar o cargo em Maio de 2021, mas disse estar comprometido com a administração da companhia aérea para superar a crise provocada pela pandemia da covid-19.

easyJet volta a voar Belfast – Faro no dia 16 de Junho

26-05-2020 (14h51)

A easyJet vai retomar as ligações entre Belfast, na Irlanda do Norte, e Faro, no Algarve, no dia 16 de Junho, com três voos por semana.

Transavia retoma voos para Lisboa e Faro a 4 de Junho

26-05-2020 (12h35)

A Transavia, low cost do grupo Air France KLM, está a anunciar a retoma a 4 de Junho de voos de Amesterdão para Lisboa e para Faro.

Estado alemão entra para o capital do grupo Lufthansa... mas não para mandar

26-05-2020 (11h57)

O grupo alemão Lufthansa anunciou que já tem a aprovação de um apoio estatal até nove mil milhões de euros, incluindo 4,7 mil milhões em participação societária, que descreve como “silent participation”, ou seja, que não confere o direito de “mandar”, como em Portugal é exigido pelo ministro Pedro Nuno Santos em relação a um eventual apoio à TAP.

Opinião e Análise