Aviação já vai ganhando ‘altitude’ e Wizz Air sobressai

02-06-2020 (17h35)

Foto: Jordan Sanchez / Unsplash
Foto: Jordan Sanchez / Unsplash

A aviação mundial dá claros sinais de estar a levantar voo, que se traduz num aumento esta semana dos lugares disponíveis em cerca de 16%, de acordo com a consultora OAG, que não deixa de notar que se a comparação for com a semana homóloga de 2019, então a quebra ainda é dramática.

Mas os números da OAG mostram que na comparação com a semana passada, predominaram os aumentos de capacidade em número de lugares disponibilizados, que no caso da Europa Ocidental foi de 40,7%, na América do Norte foi de 16,4%, no Sudeste asiático foi de 43,5%, na Europa Central e do Leste foi de 32% e atingiu mesmo os três dígitos nos casos do Médio Oriente (127,5%) e América Central (124,5%).

O que essas variações traduzem, segundo a OAG, é a adição de 5,7 milhões de lugares de avião desde a semana anterior, com um aumento de cerca de 267 mil voos, elevando a capacidade total para 36,7 milhões de lugares e ultrapassando pela primeira vez nesta época de pandemia a marca dos 35 milhões.

E a OAG assinala que perante esta retoma da capacidade disponível a questão “crítica” passa a ser sobre como se vai comportar a procura e avisa que é de esperar cancelamentos de última hora, porque voos vazios são piores que não ter voos.

De acordo com os dados da OAG, a capacidade da aviação na Europa Ocidental que chegou a cair para os 1,59 milhões de lugares na semana de 18 de Maio, esta semana atingiu 2,51 milhões, ainda assim muito longe de lhe permitir retomar a terceira posição no ranking das regiões mundiais, depois do Nordeste da Ásia e da América do Norte, como tinha na semana de 20 de Janeiro.

E quanto a companhias, os dados da OAG das dez maiores em número de lugares disponíveis inclui apenas uma europeia, a low cost Wizz Air, com 805 mil, representando um aumento de 25,8% relativamente à semana anterior.

As chinesas China Southern e China Eastern lideram o ranking, respectivamente com 2,059 milões e 1,742 milhões de lugares, seguidas pela low cost norte-americana Southwest Airlines, com 1,677 milhões.

E de novo evidenciando a tendência de recuperação do sector, o ranking publicado pela OAG mostra que das dez companhias com mais lugares disponíveis esta semana apenas uma baixou relativamente à semana anterior, a japonesa All Nippon Airways, com um decréscimo em 4%.

Mas quando se trata da comparação com a semana de 20 de Janeiro, pré-pandemia de covid-19, apenas uma companhia está com mais lugares e é a Wizz Air, que fez um aumento em 15,6%.

 

Clique para mais notícias: OAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Air France KLM diz que em Junho verificou os primeiros sinais “visíveis” de recuperação das reservas de voos

30-07-2021 (15h31)

O grupo Air France KLM, terceiro maior da aviação na Europa, informou hoje que considera que em Junho, pela primeira vez desde o início da pandemia do covid-19, foram “visíveis” os sinais de recuperação das reservas de voos.

Ryanair prolonga ligações entre Faro e Newcastle para o Inverno

30-07-2021 (13h18)

A Ryanair anunciou que vai manter durante o Inverno as suas ligações entre Faro, no Algarve, e Newcastle, em Inglaterra, com dois voos por semana.

Amadeus transmite mensagem optimista ao mercado das viagens

30-07-2021 (11h38)

A Amadeus, maior tecnológica mundial das viagens e turismo, declarou hoje estar optimista em relação à evolução próxima do mercado, salientando que Junho já foi o melhor mês desde o início da pandemia, em inícios de 2020.

“Isto não é uma recuperação”, comentário do director-geral da IATA ao tráfego em Junho

29-07-2021 (16h58)

"Junho deveria ser o começo da estação alta, mas as companhias de aviação estiveram a transportar apenas 20% dos níveis de 2019", declarou o director-geral da IATA e antigo CEO do IAG, Willie Walsh, ao evidenciar o seu desapontamento com a evolução da aviação.

União Europeia ‘aperta’ com a Google sobre transparência das pesquisas de voos e hotéis

29-07-2021 (16h24)

A União Europeia deu um prazo de dois meses à Google, ‘gigante’ norte-americana da internet, para apresentar alterações às suas funcionalidades de pesquisa de voos e hotéis, o Google Flights e o Google Hotels.

Opinião e Análise