Aviões vão ter de limitar passageiros a dois terços da lotação

04-05-2020 (15h54)

Foto: Suhyeon Choi / Unsplash
Foto: Suhyeon Choi / Unsplash

O transporte aéreo de passageiros vai ser limitado a dois terços da lotação normalmente prevista para cada aeronave, definiu o Governo, em portaria publicada em Diário da República, no âmbito das medidas contra a pandemia de covid-19.

A portaria n.º 106/2020 “estabelece para o transporte aéreo um limite máximo de passageiros, bem como as excepções a esse limite e respectivos requisitos, por forma a garantir a distância conveniente entre os passageiros e a garantir a sua segurança”, prevendo igualmente as excepções à regra geral de 2/3 da capacidade das aeronaves, que entrou em vigor este Domingo.

Entre as excepções estão voos específicos para repatriamento de cidadãos; voos comerciais de transportadoras aéreas, nacionais ou estrangeiras, que “sejam aproveitados para efectuar acções de repatriamento ou que sirvam justificadamente esse propósito”; aeronaves com lotação máxima disponível de 19 lugares, em operações de transporte aéreo comercial não regular; e voos comerciais não regulares contratados por empresas para transportar trabalhadores ao seu serviço para países com os quais Portugal mantenha os voos abertos.

Caso não seja necessária a optimização da lotação da aeronave para os voos previstos nas excepções, o regime hoje fixado estipula ainda que os passageiros devem “ser distribuídos por lugares que maximizem as possibilidades de afastamento entre si, em função da capacidade da aeronave e do número de passageiros a transportar.

Contudo, as isenções à regra geral de ocupação máxima de 2/3 do avião estão condicionadas à ausência de passageiros com sintomas da covid-19 e que o país de destino não condicione os voos de chegada por restrição de capacidade e que, por isso, possa recusar voos ou repatriamento de cidadãos.

Simultaneamente, os trabalhadores têm de possuir autorização de residência como trabalhadores imigrantes no país de destino, o seu regresso a Portugal só ocorra pelo menos ao fim de dois meses, e devem aceitar as regras sanitárias exigidas na chegada ao país de destino, como, por exemplo, a aplicação de quarentenas ou rastreio visual e de temperatura através das câmaras térmicas de infravermelhos.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Passageiros numa ilha dos Açores com destino final outra deixam de ter de seguir viagem em 24 horas

29-05-2020 (18h35)

Os passageiros que se encontrem numa ilha dos Açores que não seja a do seu destino final deixam de estar obrigados a seguir viagem até 24 horas após a sua chegada, anunciou o presidente do Governo Regional.

SATA retoma ligações entre Lisboa e os Açores a 15 de Junho

29-05-2020 (18h24)

A Azores Airlines, do grupo SATA, vai retomar a 15 de Junho as ligações aéreas entre Lisboa e Ponta Delgada e Lisboa e a Terceira, bem como entre o Funchal e Ponta Delgada.

Transavia França anuncia retoma de voos para Portugal a 15 de Junho

29-05-2020 (17h04)

A Transavia França, low cost do grupo Air France KLM com operações de/para aeroportos franceses, anunciou a retoma de voos de/para Portugal de Lyon e Nantes, a 15 de Junho, e de Paris Orly e Montpellier, a 26 de Junho.

Finnair retoma voos para a Ásia a 1 de Julho

29-05-2020 (16h25)

A Finnair, companhia de aviação com hub em Helsínquia que tem forte implantação no transporte aéreo de passageiros entre a Europa e a Ásia, retoma essas ligações a 1 de Julho, com 10 rotas.

Plano de apoio à Lufthansa enfrenta ventos contrários

29-05-2020 (16h23)

O plano de apoio à Lufthansa face à pandemia de covid-19 e que ultrapassa os nove mil milhões de euros enfrenta ventos contrários de grande intensidade, especialmente por parte da comissária europeia da concorrência Margrethe Vestager.

Opinião e Análise