Azul de David Neeleman atenua quebra de tráfego em Julho

05-08-2020 (12h32)

Foto: ANA Aeroportos
Foto: ANA Aeroportos

A companhia de aviação brasileira Azul, fundada e presidida pelo ex-accionista da TAP David Neeleman, teve em Julho, mês tradicionalmente de férias escolares no Brasil, um aumento de tráfego face a Junho em 40,7%, mas ainda ficou 77,6% abaixo de Julho de 2019.

A quebra face ao mês homólogo do ano passado foi mais forte em voos internacionais, onde se incluem as suas ligações entre Viracopos (Campinas) e Lisboa, nos quais atingiu 91,5%, ficando inclusivamente 10,6% abaixo do mês de Julho.

Já em voos domésticos, nos quais se concentrou o efeito férias escolares, a Azul teve um aumento do tráfego face a Junho em 50,1%, ficando, no entanto, ainda 72,7% abaixo do mês homólogo de 2019.

Os dados divulgados pela companhia mostram que as quebras verificadas em Julho foram superiores ao que antecipava, levando a que a redução de capacidade que efectuou ficasse aquém da quebra de tráfego e ocorresse uma quebra da taxa de ocupação dos voos em sete pontos, para 86,6%, com -5,9 pontos nos voos domésticos, para 85,3%, e -9,4 pontos nos internacionais, para 90,4%.

Já relativamente a Junho, a companhia melhorou a taxa de ocupação média em 4,1 pontos, com +3,7 pontos nos voos domésticos e +6,7 pontos nos internacionais, evolução que foi destacada pelo seu CEO, John Rodgerson, que afirmou que “o crescimento sequencial” da companhia “foi muito bem sucedido” e que espera que “esta tendência de aumento da demanda continue nos próximos meses”.

 

Clique para mais notícias: Azul

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venda de passagens da TAP resistiu melhor nas rotas de África, América do Norte e Brasil

29-09-2020 (17h04)

A TAP teve no primeiro semestre, que inclui os três meses de impacto mais drástico da pandemia de covid-19 nas viagens e turismo, uma quebra das vendas de voos em 57,2% ou 729,67 milhões de euros, com as rotas de África, da América do Norte e do Brasil a serem as que melhor resistiram, ainda assim com quebras acima de 40%.

TAP mostra que reduziu mais a capacidade que os seus ‘pares’

29-09-2020 (16h35)

A TAP indicou hoje que no primeiro semestre, em reacção ao impacto da pandemia nas viagens e turismo, reduziu a sua capacidade medida em ASK (lugares x quilómetros voados) em 82%, o que significa um ‘corte’ 14 pontos mais forte que a média dos voos de/para países europeus, em que a redução foi de 68%.

Custos operacionais da TAP caíram menos que receitas no primeiro semestre

29-09-2020 (16h33)

A TAP apresentou um prejuízo fiscal de 724,1 milhões de euros, que representa um agravamento de 581,7 milhões em relação ao período homólogo de 2019, nomeadamente por uma quebra de receitas operacionais em 55,4% ou 802,8 milhões, enquanto os gastos operacionais baixaram 30% ou 460,2 milhões.

TAP reconhece 669,3 milhões de euros em bilhetes emitidos e não utilizados

29-09-2020 (16h08)

A TAP tinha a 30 de Junho 669,29 milhões de euros de “documentos pendentes de voos”, que explica ser o “montante da responsabilidade do Grupo referente a bilhetes emitidos e não utilizados”.

Hangar de manutenção em Beja começa a funcionar faseadamente em Outubro

29-09-2020 (13h04)

O hangar da empresa Mesa para manutenção de aviões no aeroporto de Beja vai começar a funcionar em Outubro, após um investimento de 30 milhões de euros, revelou à agência Lusa o presidente do grupo proprietário.

Opinião e Análise