Boeing admite "erros" nos acidentes mortais dos 737 Max perante o Senado dos EUA

30-10-2019 (14h19)

Foto: Ross Parmly / Unsplash
Foto: Ross Parmly / Unsplash

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, admitiu esta terça-feira que a empresa cometeu "erros" nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia, ao falar perante o Senado norte-americano.

"Sabemos que cometemos erros e que estávamos errados. Somos culpados disso", afirmou esta terça-feira Dennis Muilenburg, citado pela agência Efe, perante o Comité do Comércio do Senado norte-americano.

Foi a primeira vez que a Boeing reconheceu no Congresso norte-americano ter cometido erros que estiveram na origem dos acidentes que resultaram na morte de centenas de pessoas e que custaram milhares de milhões de dólares à empresa com sede em Chicago, nos Estados Unidos.

"Em meu nome e no nome da Boeing, sentimos muito. Lamentamos profundamente", disse também Dennis Muilenburg, numa audiência na qual estiveram presentes alguns familiares de vítimas mortais dos acidentes.

O primeiro testemunho do presidente executivo da Boeing no Congresso norte-americano ocorre exactamente um ano depois do acidente de um avião 737 Max 8 da companhia aérea indonésia Lion Air, que provocou 189 mortos, incluindo todos os passageiros e tripulantes.

Cinco meses depois, um avião do mesmo modelo da Ethiopian Airlines caiu em circunstâncias semelhantes, causando a morte de 157 pessoas.

Desde então, todos os Boeing 737 Max 8 foram retirados de circulação em todo o mundo.

Uma investigação indonésia concluiu que a queda do voo da Lion Air, que matou 189 pessoas há um ano, se deveu a uma combinação de falhas no projecto do aparelho, na formação dos pilotos e na manutenção.

O relatório final do acidente, divulgado em 25 de Outubro, refere que o voo 610 da Lion Air, que ligava a capital da Indonésia à ilha de Sumatra, caiu porque os pilotos nunca foram informados sobre como responder rapidamente a falhas no sistema de controlo automatizado do jato Boeing 737 Max 8.

O avião mergulhou no mar de Java apenas 13 minutos após levantar voo, em 29 de Outubro de 2018.

Segundo o Comité Nacional de Segurança em Transportes da Indonésia, o sistema automatizado, conhecido como MCAS, contava com um único sensor de “ângulo de ataque” que fornecia informações erradas, empurrando automaticamente o nariz do avião para baixo.

(PressTUR com Agência Lusa)

Ver também:

Boeing tem “esperança” que aviões 737 MAX voltem a voar ainda este ano

 

Clique para ver mais: Boeing

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Lufthansa programa ter este Agosto 60 voos por semana dos seus hubs para Portugal

03-08-2020 (13h17)

A companhia alemã Lufthansa, líder do maior grupo aéreo europeu, tem programado para este mês de Agosto fazer 60 voos por semana dos seus hubs de Frankfurte e Munique aeroportos portugueses.

ACI, A4E e IATA dizem que os governos prejudicam mais do que ajudam

31-07-2020 (17h15)

As associações comerciais representativas de aeroportos e companhias aéreas europeias ACI, A4E e IATA acusaram hoje os governos europeus de terem “uma abordagem inconsistente das restrições de viagem”.

Air Canada anuncia perdas de 1,1 mil milhões de euros no 2º trimestre

31-07-2020 (16h44)

A Air Canada anunciou hoje que perdeu mais de 1,7 mil milhões de dólares canadianos (1,1 mil milhões de euros) no segundo trimestre, devido aos "efeitos devastadores" da pandemia de covid-19.

Bruxelas aprova apoio alemão de 840 milhões para cobrir vouchers de viagens canceladas

31-07-2020 (12h09)

A Comissão Europeia deu hoje ‘luz verde’ a um apoio estatal da Alemanha de 840 milhões de euros para cobrir vouchers emitidos por operadores turísticos para compensar cancelamentos de viagens devido à covid-19, visando tornar esta numa opção mais “fiável”.

‘Delfim’ de Antonoaldo Neves escolhido para novo CEO da TAP

30-07-2020 (19h39)

Fonte oficial do Ministério das Infra-estruturas já confirmou à Lusa que Ramiro Sequeira, promovido a COO da TAP por Antonoaldo Neves, é a escolha do Governo para substituir o gestor brasileiro em CEO da companhia portuguesa.

Opinião e Análise