Companhias do IAG transportaram até Novembro mais 4,88 milhões de passageiros

09-12-2019 (17h29)

Imagem: British Airways
Imagem: British Airways

As companhias do IAG, grupo que integra a Brisith Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level transportaram até 30 de Novembro 109,5 milhões de passageiros, com aumento em 4,7% ou 4,88 milhões relativamente ao período homólogo de 2018.

A British Airways é a maior do grupo em número de passageiros, com 43,98 milhões (+1,3% ou mais 578 mil), mas a que tem o maior crescimento é a low cost Vueling, que opera no curto e médio cursos, sectores que por regra têm mais passageiros que os voos de longo curso, os quais são preponderantes no entanto em RPK (do inglês para passageiros x quilómetros voados), porque as distâncias são maiores.

Segundo os dados do IAG, 36,3% do seu aumento de passageiros nos primeiros onze meses deste ano foi pelo crescimento da Vueling, que tem um aumento de 1,77 milhões (+5,8%), atingindo o total de 32,29 milhões.

A Iberia é a terceira maior companhia em número de passageiros, com 20,67 milhões até Novembro, e também a que tem o segundo maior aumento, apesar de a sua operação ter uma forte componente de ligações de longo curso, nomeadamente para a América Latina, com mais 1,38 milhões (+7,2%) que há um ano.

Segue-se a Aer Lingus, com 10,86 milhões de passageiros, +2,5% ou mais 267 mil que há um ano, e a Level, com 1,69 milhões, +125,8% ou mais 942 mil que em 2018, seu primeiro no completo de operação.

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venda de passagens da TAP resistiu melhor nas rotas de África, América do Norte e Brasil

29-09-2020 (17h04)

A TAP teve no primeiro semestre, que inclui os três meses de impacto mais drástico da pandemia de covid-19 nas viagens e turismo, uma quebra das vendas de voos em 57,2% ou 729,67 milhões de euros, com as rotas de África, da América do Norte e do Brasil a serem as que melhor resistiram, ainda assim com quebras acima de 40%.

TAP mostra que reduziu mais a capacidade que os seus ‘pares’

29-09-2020 (16h35)

A TAP indicou hoje que no primeiro semestre, em reacção ao impacto da pandemia nas viagens e turismo, reduziu a sua capacidade medida em ASK (lugares x quilómetros voados) em 82%, o que significa um ‘corte’ 14 pontos mais forte que a média dos voos de/para países europeus, em que a redução foi de 68%.

Custos operacionais da TAP caíram menos que receitas no primeiro semestre

29-09-2020 (16h33)

A TAP apresentou um prejuízo fiscal de 724,1 milhões de euros, que representa um agravamento de 581,7 milhões em relação ao período homólogo de 2019, nomeadamente por uma quebra de receitas operacionais em 55,4% ou 802,8 milhões, enquanto os gastos operacionais baixaram 30% ou 460,2 milhões.

TAP reconhece 669,3 milhões de euros em bilhetes emitidos e não utilizados

29-09-2020 (16h08)

A TAP tinha a 30 de Junho 669,29 milhões de euros de “documentos pendentes de voos”, que explica ser o “montante da responsabilidade do Grupo referente a bilhetes emitidos e não utilizados”.

Hangar de manutenção em Beja começa a funcionar faseadamente em Outubro

29-09-2020 (13h04)

O hangar da empresa Mesa para manutenção de aviões no aeroporto de Beja vai começar a funcionar em Outubro, após um investimento de 30 milhões de euros, revelou à agência Lusa o presidente do grupo proprietário.

Opinião e Análise