Crescimento do Aeroporto de Faro ‘disparou’ para 19% em Dezembro, mas Lisboa abrandou para 2,2%

09-01-2019 (16h13)

Foto: ANA/Vinci
Foto: ANA/Vinci

Os dez aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci terminaram o ano de 2018 em acentuado abrandamento do ritmo de crescimento do tráfego de passageiros, à excepção de Faro, que no mês de Dezembro sobressaiu com um aumento de passageiros em 19%, que não impediu, no entanto, que no ano registasse uma quebra em 0,5%.

Dados de tráfego dos aeroportos portugueses a que o PressTUR teve acesso mostram que o Aeroporto de Faro teve em Dezembro de 2018 mais 44,6 mil passageiros que um ano antes, o que significa um aumento inclusivamente superior ao ocorrido em Lisboa, que embora tendo reforçado a sua preponderância em 2018, no mês de Dezembro teve um aumento de passageiros em apenas 2,2%, significando mais 44,2 mil que no último mês de 2017.

Desta forma, o Porto foi em Dezembro o aeroporto gerido pela ANA/Vinci com o maior aumento de passageiros do mês, com mais 66 mil que em Dezembro de 2017, à frente de Faro (mais 44,6 mil) e de Lisboa (mais 44,2 mil) e, depois, o Funchal, que também ‘cortou’ com a tendência negativa do ano, apresentando um aumento de 10,1 mil passageiros.

Os dados a que o PressTUR teve acesso indicam que os dez aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci tiveram 3,6 milhões de passageiros em Dezembro de 2018, +4,9% ou mais 168,4 mil que no mês homólogo de 2017.

Lisboa manteve-se o maior, com 2,071 milhões de passageiros, seguido pelo Porto, com 889,4 mil, e, depois, Faro, com 278,7 mil, Funchal, com 227,2 mil, e Ponta Delgada, com 112,1 mil.

Faro foi o aeroporto que teve o mais forte aumento de passageiros do mês, com +19%, seguido pelo Porto, com +8%, Ponta Delgada, com +5%, Funchal, com +4,7%, e Lisboa, com +2,2%.

Dos outros cinco aeroportos, os únicos com quebras de passageiros foram Porto Santo, com -37,2%, para 4,8 mil, e Beja, com -60%, para dois.

O aeroporto da Horta teve um aumento em 5,7%, para 12,8 mil, em Santa Maria o aumento foi de 3,6%, para 6,4 mil, e nas Flores houve um aumento em 0,2%, para 2,6 mil.

 

Para ler mais clique:

Aeroporto de Lisboa cresceu 8,9% em 2018 e somou 29,031 milhões de passageiros

Aeroporto do Porto ficou ‘em cima’ dos 12 milhões de passageiros em 2018

Sem Lisboa e Porto, crescimento dos aeroportos ANA/Vinci ficou em 0,02% em 2018

 

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Governo prevê injectar este ano mais 970 milhões de euros na TAP

16-04-2021 (16h24)

O Governo prevê injectar 970 milhões de euros na TAP este ano, uma medida classificada como temporária e cujo efeito nas contas públicas é revertido em 2022 e 2023, de acordo com o Programa de Estabilidade (PE) hoje conhecido.

Agências de viagens portuguesas atingem máximo de vendas de voos em BSP durante a pandemia

16-04-2021 (15h47)

As vendas de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas ascenderam em Março a 13,5 milhões de euros, que é um máximo em tempos de pandemia.

Portugal passa a permitir voos do Brasil e Reino Unido para viagens essenciais

16-04-2021 (15h27)

O Governo português anunciou que os voos com origem ou destino no Brasil e Reino Unido são permitidos a partir de hoje para viagens essenciais, mantendo-se as medidas restritivas do tráfego aéreo devido à pandemia de covid-19.

Iberia planeia quatro rotas regulares de/para Portugal este Verão

15-04-2021 (19h47)

A Iberia anunciou ao mercado a sua programação para este Verão, que inclui 112 rotas, quatro delas ligações regulares de e para Portugal e uma operação charter para Porto Santo.

Regresso de avião da Cabo Verde Airlines “marca a retoma dos voos” da companhia

15-04-2021 (13h41)

O Boeing 757 da Cabo Verde Airlines (CVA), "Baía do Tarrafal", regressou ao arquipélago, mais de um ano depois de ser colocado em situação de armazenamento no exterior, o que segundo o Governo “marca a retoma dos voos” da companhia de bandeira.

Opinião e Análise