David Neeleman põe os pontos nos iis quanto à sua posição na TAP

29-06-2020 (19h32)

Depois de meses de silêncio, o accionista de referência da TAP, David Neeleman, clarifica a sua posição em declaração escrita enviada à agência Lusa, na qual diz estar certo que “o Governo português saberá respeitar os compromissos assumidos com quem acreditou e transformou a companhia”.

David Neeleman diz na mesma declaração que é verdade que a TAP precisa “da ajuda do Estado Português”, acrescentando que assim é tal “como todas as outras companhias aéreas na Europa” e realça que “todo o investimento feito pelo Estado” na empresa “tem um retorno garantido, multiplicado por muitas vezes”.

E eleva a fasquia, garantindo que o seu foco “não é apenas garantir que a TAP sobreviva, mas que recupere a rota de crescimento que vinha percorrendo e que prospere para que possamos cuidar dos nossos trabalhadores e clientes”.

O empresário explica porque quebrou finalmente o silêncio que tem mantido, afirmando que: “no entanto, e porque há limites, não posso deixar de rejeitar as declarações sobre o empenho dos privados no futuro da TAP”.

O empresário, aliás, enaltece o historial da sua intervenção na TAP, dizendo que tem hoje o mesmo empenho que em 2015, “quando ganhámos a privatização e salvámos a TAP de uma situação de insolvência, e após cinco anos de trabalho muito duro transformámos a TAP numa companhia renovada, de maior dimensão e preparada para o futuro”.

“Continuamos a acreditar na TAP apesar desta enorme crise que afectou toda a economia e em particular o sector da aviação”, acrescenta, assinalando que “desde o início da crise a equipa executiva tem trabalhado noite e dia em conjunto com os fornecedores, tendo negociado e obtido apoios importantes na ordem de centenas de milhões de euros”.

“Apesar de não ter sido essa a nossa proposta, agradecemos muito o apoio do Estado português através de um empréstimo de emergência à TAP e aceitamos obviamente as medidas de controlo da utilização desse empréstimo”, garante Neeleman na mesma declaração,

O accionista diz que se sentiu na necessidade de “rejeitar as declarações sobre o empenho dos privados no futuro da TAP”, garantindo que estes estão “disponíveis para aceitar a participação do Estado na Comissão Executiva imediatamente e mesmo antes de uma eventual capitalização do empréstimo”, uma proposta a que o ministro Pedro Nuno Santos reagiu desabridamente, referindo-se à TAP como uma companhia de mão estendida.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: David Neeleman

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aer Lingus programa ter quatro voos por semana Dublin – Faro este Outubro

30-09-2020 (17h53)

A companhia de aviação irlandesa Aer Lingus, do IAG, tem programado fazer quatro voos por semana entre Dublin e Faro de 1 a 24 de Outubro, que são as últimas semanas do chamado Verão IATA.

TAP liga 25% mais cidades mesmo tendo só 30% da capacidade, diz o seu Chief Revenue & Network

30-09-2020 (17h46)

O Chief Revenue & Network da TAP, Arik De, comentou nas redes sociais que a companhia, embora tenha a sua capacidade reduzida a 30% do que tinha há um ano, liga 25% mais de cidades do que antes da pandemia, com uma redução de 92% no tempo médio de ligação.

South African Airways suspende todas as operações por dificuldades financeiras

30-09-2020 (14h40)

A companhia de aviação sul-africana South African Airways suspendeu todas as suas operações depois de ter falhado o plano de salvamento que envolvia um financiamento de 10 mil milhões de rands (507 milhões de euros).

José Caetano Pestana deixa euroAtlantic após duas décadas

30-09-2020 (14h32)

José Caetano Pestana deixou a euroAtlantic airways para passar à reforma, depois de 20 anos como director de Relações Públicas da companhia aérea.

EUA anunciam acordos para conceder empréstimos a sete grandes companhias aéreas

30-09-2020 (11h00)

O Tesouro norte-americano anunciou terça-feira que chegou a acordos para conceder empréstimos a sete grandes companhias aéreas, incluindo a American Airlines e a United Airlines, para salvaguardar postos de trabalho em risco, devido à crise da covid-19.

Opinião e Análise